martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

sábado, 14 de janeiro de 2023

"Decepção", diz especialista sobre pacote econômico de Haddad

Domingo, 15 de Janeiro de 2023

Ministro da Fazenda anunciou medidas para ajudar a reverter rombo de R$ 231,5 bilhões nas contas.

Nesta quinta-feira (12), o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), anunciou o seu primeiro pacote econômico, que visa minimizar o rombo de R$ 231,5 bilhões nos cofres públicos previsto no Orçamento de 2023. Especialistas ouvidos pelo portal R7, entretanto, consideraram as ideias da equipe do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) uma “decepção”.

O pacote apresentado pelo Ministério da Fazenda inclui quatro medidas provisórias, dois decretos, uma portaria interministerial, uma da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, e também uma da Receita. O conjunto tem como ênfase trazer medidas tributárias focadas nos processos do Conselho de Administração de Recursos Fiscais, entidade responsável por julgar conflitos tributários.

Entre as providências está a criação do programa Litígio Zero, que permite que os contribuintes solucionem suas dívidas com o governo ao mesmo tempo que possibilita a entrada de recursos nos cofres públicos. A equipe de Haddad também quer que o PIS/Confins não seja mais calculado sobre o ICMS, e que o voto de qualidade no Carf retorne, o que eleva as possibilidades da Receita vencer em julgamentos e aumenta a chance de arrecadação.

Na avaliação de Haddad, essas e outras medidas previstas no pacote irão auxiliar a não apenas reverter o rombo, mas também finalizar o ano com um saldo positivo de R$ 11,13 bilhões. Ele também planeja fazer uma série de reuniões com secretários a fim de discutir as contas do INSS.

AVALIAÇÃO DE ESPECIALISTAS

Para o economista Antônio da Luz, o conjunto de providências não será capaz de solucionar o problema. Em sua avaliação, só há duas soluções para quando o governo tem mais despesas do que arrecada:

– Ou aumenta a dívida e passa o problema para as gerações futuras ou aumenta os impostos. O governo deveria estar focado na redução do gasto público. Aprovou a PEC supostamente para o Bolsa Família, e agora existe incerteza sobre o salário mínimo, mas o aumento [salarial] do STF, com aumento cascata, foi de 18%. Isso é uma decepção – criticou.

Já o economista César Bergo vê com olhos negativos as incertezas que a equipe econômica tem demonstrado, como no caso do retorno da cobrança de impostos sobre os combustíveis. Durante o anúncio do pacote de medidas, Haddad disse que a decisão foi postergada para depois da posse da nova diretoria da Petrobras.

O ministro também adiou a decisão sobre o aumento adicional do salário mínimo, que elevaria o valor de R$ 1.302, previsto pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), para R$ 1.320, prometido por Lula.

– O discurso do governo precisa ser coerente. Não pode falar uma coisa e vir, depois, falar outra que não tem nada a ver. Teremos pela frente dias cruciais para fechar acordos e administrar esse desgaste a partir de fevereiro. São medidas urgentes, mas que não resolvem os problemas – apontou Bergo.

(Pleno News)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9 9151-0643

Contato : (84) 9 9151-0643