martins em pauta

sábado, 1 de novembro de 2014

Medico e Filho morrem em acidente de moto na RN 013 próximo a Tibau-RN

Sábado,01 de outubro de 2014


Uma acidente de transito com duas vitima fatais foi registrado na tarde de sabado 01 de Novembro de 2014, na RN 013, proximo a cidade de Tibau no Rio Grande do Norte.

Segundo informações, um medico identificado como Ivan Brasil de Araujo Junior, 38 anos de idade e seu filho Igor Marinho Brasil de 13 anos de idade, seguiam em uma moto tipo Harley Davidson 1200 Cilindradas, da cidade de Tibau para Mossoró, quando o mesmo perdeu o controle da moto em uma curva e colidiu com um poste da rede elétrica.

Os dois não resistiram aos ferrimentos e morreram no local. Dr Ivan Brasil era medico socorrista do Samu e trabalhava no hospital do câncer em Mossoró.

Viaturas do Departamento Estadual de Trânsito realizaram o isolamento até a chegada do Instituto Tecnico e Cientifico de Policia que fez a remoção dos corpos para sede do orgão em Mossoró.





Fonte: O Câmera

VÍDEO MOSTRA CASAL IMPLORANDO PELA A VIDA MAIS ACABAM SENDO EXECUTADOS POR BANDIDOS NA BAHIA

Sábado,01 de novembro de 2014

No início da manhã desta última quinta-feira (30) um casal foi morto a tiros na Rua Antônio Balbino, na região do Brongo, Bairro do IAPI em Salvador. Os momentos do assassinato foram registrados pela câmera de um aparelho celular. Segundo informações, moradores do local após ouvirem uma série de disparos de arma de fogo acionaram a Polícia Militar que ao chegar à cena do crime já encontraram o casal sem vida. O vídeo mostra que as vítimas já estavam rendidas e imploravam para não serem executadas, mas os assassinos disparam várias vezes contra as vítimas. Ainda é possível ver vários indivíduos armados aproximando e efetuando mais disparos. Ainda não se sabe a motivação do crime. As vítimas não foram identificadas pela polícia e foram mortas nas proximidades de uma creche. Os corpos foram periciados por uma equipe do Departamento de Polícia Técnica (DPT) e em seguida encaminhados para o Instituto Médico Legal (IML). Com ajuda das imagens o crime está sendo investigado por agentes do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa. 

Veja o vídeo AQUI!!!

 Plantão Policial



Fonte: Passando na Hora

SERRA DE MARTINS /RN: PESSOAS AFIRMAM TEREM VISTO ONÇAS EM VÁRIOS LOCAIS!!!

 Sábado, 01 de novembro de 2014

O blog já ouviu vários relatos que existe onças rondado na Serra de Martins, varias pessoas  já chegaram a avistar dois animais sendo um filhote e um adulto. Segundo pessoas que já presenciaram a cena dizem ser onças mesmo, os animais já teriam sido vistos no riacho do salobre, entre as serras de Martins e Portalegre, nas proximidades da Capela de São Cristóvão no meio da serra de Martins, Sitio Serra Nova , na granja dos titiquetes no Sitio Pico dos Carros .

Ontem sexta 31/10 por volta das 7:30 da manhã o agricultor Francisco Carvalho Sampaio, conhecido com Chico de bastião estava no alpendre da residencia próxima as margens do açude no Sitio Pico dos Carros, afirma que e ao olhar para a a represa com uma distancia de mais ou menos 120 metros avistou os dois animais um de cor avermelhada e outro de cor escura que beberam água no açude e logo siaram correndo e sumiram no mato. 

No local conversamos com um caçador, e segundo ele  nos afirmou que os rastros são mesmo de onça.

          Foto ilustrativa


REPRESA DO ACUDE ONDE OS ANIMAIS BEBERAM ÁGUA

 RASTROS DAS SUPOSTAS ONÇAS



 ESSE BLOG JÁ OUVIU  PESSOAS RELATANDO QUE VIRAM ESSES ANIMAIS, E QUE SEGUNDO OS MESMOS SÃO ONÇAS.

Ultrapassar pelo acostamento custará R$ 957; multa para racha tem reajuste

Sábado, 01 de novembro de 2014


Entra em vigor hoje sábado, dia 1º, o aperto mais significativo da legislação brasileira de trânsito desde a adoção da lei seca, em 2008. Quem for flagrado disputando racha terá de pagar R$ 1.915,40. Se as disputas deixarem mortos ou feridos, a punição poderá chegar a 10 anos de prisão. Já para ultrapassagem em local proibido ou pelo acostamento, o valor passa a ser de R$ 957,70; e, em caso de reincidência, os valores serão dobrados. 

Das 11 alterações feitas pelo Congresso e sancionadas pela presidente Dilma Rousseff neste ano, seis se referem à mudança no valor das multas – quatro delas envolvendo ultrapassagens perigosas pelo acostamento, entre veículos, invadindo outro sentido ou pela direita. Essas infrações respondem por 11% (359.431) das mais de 3 milhões de multas aplicadas em 2013 pela Polícia Rodoviária Federal em todo o País. 

Para se ter ideia, a cada hora 41 pessoas são flagradas em uma dessas situações nas rodovias federais do País, conforme a Polícia Rodoviária. Somente em São Paulo, houve 91.825 notificações do gênero em estradas estaduais, entre janeiro e setembro deste ano. Tudo indica que o número está em crescimento: foram 97.961 no ano passado – 11 por hora. 

“A ultrapassagem em local proibido é responsável em grande parte pelos acidentes frontais mais graves que resultam em vítimas”, disse o tenente André Matielo, do Comando de Policiamento Rodoviário da Polícia Militar de São Paulo. Dados do Mapa da Violência de 2014 apontam que mais de 46 mil pessoas morreram em decorrência de acidentes nas estradas do Brasil, registrados em 2012. 

O número é 38,3% maior do que há dez anos. O oficial da PM concorda com a tendência de a penalidade financeira ser ampliada. “O que mais pesa para o condutor é o bolso, sem dúvida nenhuma.” Para o coordenador do Núcleo de Estudos em Segurança no Trânsito da USP, Coca Ferraz, os valores das multas precisavam ser atualizados, e a medida terá efeito na quantidade de acidentes registrados. “Com esse tipo de multa, certamente vamos inibir a infração, que leva aos acidentes graves.” 

Racha 

Houve alteração ainda nas multas para quem se envolver em racha ou promover disputas, passando de R$ 547,62 e R$ 957,70, respectivamente, para de R$ 1.915,40. O valor ainda dobra em caso de reincidência. Em caso de lesão corporal grave durante essa infração, passa-se a prever reclusão de 3 a 6 anos; em caso de morte, a punição mínima será de 5 anos e a máxima, de 10 anos. 

Ferraz, da USP, relatou ter estudado a relação entre multas e a quantidade de mortes em acidentes. Para ele, quanto maior a fiscalização, menor o número de vítimas. “Existe relação direta” disse. 

Lei seca. Há ainda na nova legislação um complemento à lei seca. A jurisprudência nos tribunais já permitia a condenação de quem fosse flagrado dirigindo sob efeito de álcool com pena de 6 meses a 3 anos. 

Mas a forma de comprovação passa a incluir agora, textualmente, exames toxicológicos. Anteriormente, a lei já havia sido alterada para permitir o uso de testemunhos e vídeos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. 

fonte: Estadão Conteúdo/J. Belmont

Prefeito de Mossoró anuncia que está em condições e enfrentará qualquer adversário nas eleições de 2016

Entrevista: Francisco José Júnior


O prefeito de Mossoró anuncia que está em condições jurídicas de disputar mais um mandato e, assim sendo, em 2016, não teme enfrentar qualquer adversário. Sobre a vitória de Robinson Faria (PSD), em Mossoró, ele lembra que foi quem esteve nas ruas fazendo campanha para o governador eleito. Confira a entrevista do prefeito, ao blog da jornalista Thaisa Galvão:
IMG_9532.PNG
Por: Thaisa Galvão
Thaisa Galvão – Na disputa pelo governo do Estado, Robinson Faria, o vencedor. Em Mossoró, o prefeito Francisco José Júnior pode ser chamado de ‘o grande vencedor’?
Francisco José Jr – Posso dizer que nós saímos bastante fortalecidos, com uma musculatura política muito fortalecida, porque a classe política mossoroense, toda, se voltou contra a minha administração. Aí agora a gente sai desse processo eleitoral com a presidente, com a senadora, e com o governador. Então isso vai dar um impulso ainda maior na nossa administração. O resultado das urnas de Mossoró deixou a cidade com uma expectativa muito boa, e nos deixou também, politicamente, muito fortalecidos, não só pelos 3, mas também pela eleição de Galeno, que foi um candidato que a gente trabalhou somente 40 dias e teve uma votação acima de um deputado estadual de Mossoró, que foi o deputado Leonardo. Mostrou que a nossa administração está sendo reconhecida pela população, e acredito que nosso grupo saiu muito fortalecido.

Thaisa Galvão – No primeiro turno, Robinson teve uma maioria superior a 23 mil votos em Mossoró, e no segundo turno a maioria passou para 48 mil. O que aconteceu para essa maioria mais que dobrar?
Francisco José Jr –Robinson quando começou a campanha, ele estava 20 pontos atrás de Henrique. Henrique toda vida que foi candidato a federal teve de 5 a 10 mil votos em Mossoró, e Robinson pra deputado estadual nunca passou de 100 votos na cidade, então era bastante desconhecido. Nós começamos a ir às ruas diariamente, mostrar o que Robinson fez na Assembleia, e dizer da importância dele ser governador pra cidade de Mossoró. Como eram 5 candidatos que nós trabalhávamos diariamente, a gente fez um trabalho dizendo ‘vote nos candidatos do prefeito’. Acredito que foi importante esse vínculo à nossa imagem, pra Robinson se tornar conhecido. Agora o voto livre do mossoroense, as lideranças comunitárias, a nossa própria bancada de vereadores, que nós temos 13, de 21, tudo isso, essa soma de esforços, deu essa virada no primeiro turno para 23 mil votos no primeiro turno. No segundo turno fizemos uma campanha ainda mais maciça, nós tínhamos uma greve na Saúde que acabou na última semana da eleição, eu acho que isso contribuiu, o apoio do segmento evangélico que nós recebemos…

Thaisa Galvão – O grupo da governadora Rosalba Ciarlini diz que ela também deu apoio a Robinson no segundo turno. O que você diz?
Francisco José Jr – A gente sabe que uma vitória tem vários pais e uma derrota ela á órfã. A governadora, ela foi vítima desse acordão, teve o direito ceifado de ser candidata à reeleição, no primeiro turno votou nulo e no segundo turno, no sábado, ela foi a Mossoró e bateu uma foto com o 55 na roupa. Acredito que ela e o grupo político dela devem ter votado em Robinson, e isso, eu não quero contestar a liderança de Rosalba, mas eu quero dizer que a governadora Rosalba externou o voto, ela não trabalhou para o candidato Robinson. Ela não fez discurso, ela não fez campanha pra Robinson, ela externou seu voto. Que foi importante, foi, que contribuiu, contribuiu sim, mas não dizer que foi por causa dela que houve essa maioria. Como disse, foi uma soma de fatores, e principalmente o voto livre da nossa cidade.

Thaisa Galvão – O que se dizia era que o grupo dela trabalhava em silêncio…
Francisco José Jr – Olhe, o grupo dela é o mesmo grupo do deputado Betinho Rosado. E o grupo dele trabalhou conosco no primeiro turno e ajudou para que a gente pudesse ter essa maioria de 23 mil votos. Então não foi porque a governadora, no sábado, véspera da eleição, disse que votaria em Robinson, que teve essa maioria. Nós tínhamos 200 pessoas diariamente nas ruas, visitando as casas, mostrando a importância dessa eleição para o contexto político, administrativo e econômico da cidade.
Thaisa Galvão – O deputado eleito Betinho Rosado deu uma declaração atribuindo a ampliação da maioria de Robinson em Mossoró, à governadora Rosalba Ciarlini. Essa posição de Betinho pode significar um racha no grupo de Robinson em Mossoró?
Francisco José Jr – Acredito que não, até porque Betinho, Betinho pai e Betinho filho, eles sabem que o maior advogado que ele teve pra coligação com o nosso governador fui eu. Se não fosse, e eu digo sem medo de errar, e eles sabem disso, que se não fosse o papel do prefeito de Mossoró, Betinho não tinha conseguido se coligar com o nosso governador. Houve resistência muito grande de partidos aliados (ele não disse, mas a resistência foi do PT), mas eu cheguei a dizer que me afastaria da campanha se não aceitassem a coligação. Eu sei da importância de termos um deputado federal na cidade, assim como Fábio Faria, teremos dois deputados para trabalhar pela cidade. Há um respeito e o próprio Betinho (pai), já disse que iria ajudar, agora no fim do mandato, com emendas para o próximo ano. Acho que são fatos que estão criando de um racha, mas de alguém já pensando em 2016. Agora eu não penso em 2016, foram 3 eleições em 45 meses e eu tô cansado de eleição e concentrado 100% na nossa administração e eu sei que terei uma grande ajuda de Betinho em Brasília.

Thaisa Galvão – O prefeito de Mossoró vai indicar nomes para o Governo Robinson Faria?
Francisco José Jr – Primeiro eu apoiei Robinson por convicção, por idealismo, por ser presidente do meu partido, por conhecer trabalho dele como presidente da Assembleia, ele foi um dos melhores presidentes da Assembleia. Então sei do seu compromisso, da sua competência, da sua honestidade, e sei que fará um grande governo. E sei também que, por ser amigo dele, por conviver cm ele durante 14 anos, eu como prefeito da cidade não vou precisar marcar audiência pra conversar com ele, e vou ter um aliado político em Mossoró. Agora pela importância política que foi Mossoró, que levou Robinson para o segundo turno, que deu a maior votação proporcional, a maior maioria, eu acredito que Robinson deverá consultar, até pela aprovação de nossa administração, consultar algum venha a compor seu secretariado. Meu apoio nunca foi condicionado a ele e eu nunca escutei, da boca dele, esse assunto.

Thaisa Galvão – Você já teria algum nome? O nome do ex-deputado Francisco José pode ser um bom nome a ser indicado?
Francisco José Jr – Poder, pode. Meu pai é enfermeiro, foi vereador, foi secretário de estado, vai depender da pasta que me for oferecida porque temos que se preocupar nesse governo com uma composição técnica assim como fiz em Mossoró onde 60% do secretariado é composto por servidores de carreira, outros foram indicados pela universidade e o sucesso da nossa gestão é justamente esse governo técnico. Acredito que ele pregou isso na campanha e fará um governo técnico.
Thaisa Galvão – A eleição suplementar foi o primeiro embate do prefeito de Mossoró com os grandes grupos. Você enfrentou Sandra Rosado, Larissa Rosado, Garibaldi Filho, Henrique Alves, José Agripino. Na eleição estadual acrescente-se a estes nomes Fafá Rosado e Leonardo Nogueira. Nos dois casos os grandes grupos foram derrotados. O que está acontecendo?
Francisco José Jr – O eleitor está mais exigente e reconhece, como está mais politizado e antenado, reconhece um trabalho sério.  A marca da nossa gestão vem sendo transparência, seriedade e eficiência. É a primeira vez que um prefeito de Mossoró faz uma auditoria na sua folha de pagamento, nós fizemos. Estamos fazendo um cadastramento biométrico e vamos implementar ponto eletrônico em toda a estrutura do Município. No nosso governo só vai receber salario quem trabalhar, só vai receber hora extra e plantão, quem der. Além disso estamos ampliando e reformando 18 escolas, abrimos uma nova Base Integrada Cidadã, temos três UPAs, em Natal são duas e nós temos três, e com um diferencial: temos serviço de ortopedia, plantão odontológico que as UPAs de Natal não tem. Obras que tiramos do papel, adormecidas desde 2007, tudo isso em pouco tempo. Então a população reconhece isso e a nossa boa avaliação foi fundamental para o sucesso dessas urnas. E essa classe política de Mossoró, que ainda tem mandatos, porque são deputados de Mossoró, estavam boicotando a nossa gestão. Aí a população deu o recado.

Thaisa Galvão – A oposição ao seu nome em Mossoró costuma dizer que você teve sorte pois nunca passou de um vereador de 2 mil votos. Mas que tanta sorte é essa?
Francisco José Jr – Deus ajuda a quem trabalha. Eu sou uma pessoa que tem muita fé e estou cumprindo uma missão, Não acredito só em sorte, acredito em trabalho. Porque como é que se explica, o deputado Galeno, por exemplo, de São Miguel, foi o nosso candidato no lugar do meu pai que acabou não sendo, foram 40 dias de campanha e o deputado tirou 12.300 votos. Tirou 3 mil votos a mais do que o deputado Leonardo Nogueira. Isso é sorte? Deixo essa interrogação. Como é que o deputado Fábio Faria que em outras eleições tirou 3 mil votos, agora tirou 12.400? Como é que Robinson, um simples desconhecido, deu essa virada? Se for sorte, quero continuar com essa sorte porque, graças a Deus, todos os nossos candidatos estão ganhando as eleições. Ontem mesmo tivemos a vitória do presidente da Câmara, do PSD, Jório Nogueira, e como eu disse, quem trabalha Deus ajuda, e quem está com Deus está com sorte.

Thaisa Galvão – Você tem um vice do PT, Luís Carlos. O Planalto já deu sinais de que vai colaborar com sua gestão?
Francisco José Jr – O governo federal já vinha ajudando nessa minha administração, era um parceiro que eu tinha forte. A deputada Fátima Bezerra vem me ajudando. Nós conseguimos 14 médicos do programa Mais Médicos, casas do Minha Casa Minha Vida, ambulância, carros para conselhos tutelares, tudo isso em pouco tempo. E agora com certeza vamos ter uma ajuda ainda maior, porque Fátima sai de deputada para Senado, tem muita força com o PT e o PT tem duas secretarias no nosso governo, tem o vice-prefeito, então é uma parceria que vem dando certo.

Thaisa Galvão – Como está sua relação com os servidores? Você enfrentou a greve na Saúde e certamente não foi a última…
Francisco José Jr – Melhor impossível. Ficamos arranhados por esse período, mas é porque estávamos analisando todos os impactos na folha de pagamento e esse plano de carreiras é de 2007. De lá pra cá ninguém fez nada, ninguém implantou. E nós atendemos 8 pontos cruciais do pleito da categoria e eles saíram felizes, muito motivados, e tenho certeza que a saúde será outra após essa greve. Nunca tive problema com servidor, também como presidente da Câmara, até porque só acredito em serviço público eficiente tendo um servidor reconhecido e motivado. Esse é nosso objetivo, reduzir a folha, com a biometria e o ponto eletrônico, para valorizar os servidores do Município.

Thaisa Galvão – E o futuro de Francisco José Júnior, já está traçado? Vai pra reeleição?
Francisco José Jr – As pessoas falam em sorte, pois eu tive sorte de, como presidente da Câmara, assumir a Prefeitura na interinidade, mas tive a competência e o dinamismo de transformar essa oportunidade em vitórias. E como sou de muita fé, Deus está no comando de tudo, e eu acredito nessa luz divina que está me iluminando e o futuro pertence a Ele. Estou preocupado agora em fazer a melhor administração que um prefeito já fez na cidade, e se isso vai credenciar para projetos futuros, quem vai dizer é o povo. Acredito que irei para reeleição porque é pouco tempo para trabalhar, quatro anos é pouco, imagine dois anos e meio. Acredito que precisarei de mais tempo para fazer as mudanças necessárias.

Thaisa Galvão – Juridicamente, você pode tentar reeleição? Fala-se que este já éo seu segundo mandato.
Francisco José Jr – Certeza que posso, até porque eu só tenho um diploma de prefeito proferido pelo TRE, e eu assumi de forma interina por determinação da Justiça Eleitoral que afastou a prefeita e se eu não assumisse que perderia meu mandato, teria que renunciar. E nós temos uma decisão do ministro Delgado, do TSE, afirmando que o presidente da Câmara assumindo um mandato tampão ele pode ir pra uma reeleição, assim como onze jurisprudências de Tribunais Regionais Eleitorais pelo país. Estamos bastante tranquilos e convictos que podemos ser candidato.

Thaisa Galvão – Numa disputa pela reeleição, quem você vai enfrentar pela frente? Rosalba, Sandra Rosado, Larissa Rosado, Fafá Rosado…outra briga de gigantes em Mossoró…
Francisco José Jr – Já foram duas brigas de gigantes. A primeira foi enfrentar a deputada Larissa, que saiu quase eleita da disputa com Cláudia Regina. Ela era a prefeita de fato e perdeu por uma diferença muito pequena, na reta final. E aí na suplementar ela tinha o reforço do PMDB mas nós conseguimos derrotar. E agora na estadual, além de toda a classe política, ainda teve o apoio de Cláudia e de Fafá e derrotamos novamente. Então a gente está tranquilo para enfrentar qualquer adversário. Não estamos preocupados com isso agora, mas qualquer que seja o adversário, se nossa administração estiver bem avaliada, e com certeza teremos também o apoio do governador Robinson Faria, então não estaremos mais sozinhos e acreditamos que chegaremos fortes numa reeleição.



Fonte: Carlos Skarlack

Capa da revista IstoÉ


A realidade do Brasil


Fonte: Carlos Skarlack

Na mira dos corruptos

Sábado, 01 de novembro de 2014

Capa da Veja


Revista apresenta entrevista com Aécio Neves



VEJA desta semana revela que advogados, empreiteiras e políticos envolvidos no escândalo do petrolão se dedicam a divisar um plano para torpedear o processo da Operação Lava Jato e desqualificar o juiz encarregado do caso, Sérgio Fernando Moro. Os defensores estudam meios de impugnar o juiz sob a acusação de que teria coagido o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef a tentar a delação premiada.




Fonte: Carlos Skarlack

Em Ceará-mirim, Robinson agradece votos e reafirma compromissos pela região




O governador eleito para a próxima gestão no Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD) comemorou o resultado nas urnas de 19.294 votos e maioria de 4.127. Ao lado do presidente do PSD local e ex-candidato a prefeito Júlio César, do ex-prefeito de Cruzeta e liderança local, José Sally, vereadores e lideranças da cidade Robinson reafirmou compromissos para a região.

“Nosso governo vai estar ao lado dos cearamirienses no apoio ao desenvolvimento social e econômico da região. Muito obrigado pela bonita vitória Ceará-Mirim“, destacou o governador eleito.


Fonte: Marcos Mantas

Com decisão favorável a Dibson Nasser, José Adécio volta a ser suplente até assumir novo mandato

Sábado,01 de novembro  de 2014 | Rio Grande do Norte


Com a liminar concedida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), para o imediato retorno de Dibson Nasser a Assembleia Legislativa até o julgamento de recurso especial pelo TSE…

O deputado José Adécio (DEM) volta a condição de suplente, pelo menos até fevereiro. Este ano, José Adécio conseguiu vitória, obtendo 34.879 votos ficando na penúltima das 16 vagas da coligação “União Pela Mudança II”, que reuniu PMDB / PSB / PR / DEM / PDT / SD / PROS. Foto: João Gilberto.


Fonte: Marcos Dantas

TCE encontra indícios de superfaturamento em contratos do DER destinados à Arena da Dunas


Sábado, 01 de novembro de 2014 | Natal



O Pleno do Tribunal de Contas do Estado (TCE) votou nesta quinta-feira (30) pela concessão de medida cautelar determinando ao gestor do Departamento de Estradas de Rodagens do Rio Grande do Norte (DER/RN) a suspensão imediata dos pagamentos às empresas Consórcio 2NC e a Geradora Aluguel de Máquinas S/A, no limite monetário de até R$ 5.349.452,32 e R$ 1.290.020,53, respectivamente, até o julgamento definitivo da matéria. O voto do Conselheiro relator Carlos Thompson Costa Fernandes foi acompanhado pelos Conselheiros Adélia Sales, Renato Costa Dias, Francisco Potiguar e Gilberto Jales.


Fonte: Marcos Dantas

Provas do Enem chegarão ao destino dias 6 e 7

Sábado, 01 de novembro de 2014


As provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) estão sob a guarda das Forças Armadas e serão distribuídas nos locais de prova nos dias 6 e 7 de novembro, informou o Ministério da Defesa. O Enem será realizado em 1.699 cidades, nos dias 8 e 9 de novembro. Estão inscritos 8,7 milhões de candidatos.

Segundo a Defesa, os exames estão guardados por 53 organizações militares do Exército Brasileiro, sob coordenação do 4º Batalhão de Infantaria Leve, situado em Osasco, na região metropolitana de São Paulo. Caberá aos militares do Batalhão de Osasco distribuí-las para outros quarteis da Força terrestre. Ao mesmo tempo, militares e equipamentos da Marinha e da Força Aérea Brasileira (FAB) distribuirão esses exames em 62 localidades de difícil acesso na região amazônica.

A pasta informa que aeronaves e embarcações partirão, em datas diversas, dependendo da distância e do meio de transporte empregado, das principais capitais daquela região, como Manaus, Belém, Porto Velho e Boa Vista, em direção aos mais longínquos municípios do país. A previsão de chegada ao local do exame é 6 de novembro. O percurso de volta começará no dia 10.

Gays terão prioridades no Minha Casa, Minha Vida


Sábado,01 de novembro de 2014

Transexuais, travestis, negros e índios agora estão incluídos na lista das pessoas com prioridade do programa Minha Casa Minha Vida de São Paulo. O benefício consta em uma resolução publicada nesta sexta-feira (31/10), no Diário Oficial do governo local. Para tanto, basta uma autodeclaração.


Famílias que tenham titular gay, bissexual ou mulher (independente da sua orientação sexual) que sofram algum tipo de violência doméstica também poderão ter preferência no programa. Nesses casos, para comprovar tal situação será preciso um atestado da rede de saúde, assistência social e enfrentamento à violência.


Fonte: Robson Pires

Mensalão: PF indicia ex-diretor do Banco do Brasil por nove crimes

Sábado,01 de novembro de 2014

A Polícia Federal confirmou nesta sexta-feira o indiciamento do ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado no julgamento do mensalão por nove crimes. Os ilícitos apontados pelos policiais incluem falsidade ideológica e uso de documento falso a partir de 2007, quando o mensaleiro passou a arquitetar um plano de fuga e adotou a identidade do irmão Celso Pizzolato, morto em 1978.

Condenado a 12 anos e sete meses de prisão durante o julgamento do mensalão, Pizzolato foi preso no início do ano depois de uma fuga hollywoodiana para a Argentina e para a Espanha até chegar à cidade italiana de Maranello. Nesta semana, porém, a justiça da Itália negou a extradição do ex-dirigente do BB após acatar o argumento de que o sistema carcerário brasileiro não tinha estrutura suficiente para abrigar o condenado.



Fonte: Robson Pires

Corregedor-geral da Justiça Eleitoral afirma que pedido do PSDB por auditoria é 'incabível'

Sábado,01 de outubro de 2014 


O ministro José Otávio Noronha, corregedor-geral da Justiça Eleitoral, afirmou nesta sexta-feira (31) que o pedido do PSDB de uma “auditoria especial” dos resultados das eleições não apresenta fatos que justifiquem a solicitação. Para Noronha, a ação, protocolada nesta quinta-feira (30) no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), é “incabível” e pode arranhar a imagem do país. “O que ele [coordenador jurídico nacional do PSDB, Carlos Sampaio] não apresenta são fatos que possam colocar em xeque o processo eleitoral. Está colocando ampassã. Isso não é sério, então, não me parece razoável”, argumentou o corregedor-geral. O texto de Carlos Sampaio afirma que, após a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT), desconfianças levantadas nas redes sociais, geram “descrença quanto à confiabilidade da apuração dos votos e à infalibilidade da urna eletrônica”. O deputado federal citou ainda o fato da diferença de três horas entre o encerramento da votação do Acre e os outros Estados. Em contraponto, o corregedor afirma que todo o processo do pleito foi acompanhado e que o sistema foi verificado e auditado. Com informações do Folha de S. Paulo.

Marcas TAM e LAN deixam de existir; fusão dará origem a nova marca

    Sábado,01 de novembro de 2014

Foto: Divulgação/TAM

As marcas TAM e LAN deixarão de existir, por estratégia da Latam Airlines, criada a partir das fusão das duas empresas. O novo nome com a qual a organização atuará no Brasil e em outros seis países da América Latina, deve ser anunciado até o fim do ano. "Depois de muito estudo, chegamos à conclusão de que as duas marcas são muito fortes em seus mercados e que não poderíamos optar por uma ou outra", justificou Marco Bologna, presidente da TAM S/A. Por meio da assessoria de comunicação da TAM, a nova marca deve ser anunciada “nas próximas semanas”. Por conta de uma série de prejuízos que somam quase US$ 1 bilhão, a Latam anunciou nesta semana um plano estratégico para reposicionar a empresa entre as três maiores do mundo até 2018. Para isso, deve ocorrer corte de despesas na ordem de US$ 650 milhões e redução no quadro de funcionários, composto por 53 mil pessoas nos sete países da América Latina. Com informações do jornal O Estado de São Paulo.

Operadoras terão que entregar mínimo de 80% da velocidade da banda larga a partir de sábado

Sábado, 01 de novembro de 2014 


Foto: Reprodução

As empresas de telefonia deverão entregar ao menos 80% da velocidade de banda larga fixa e móvel contratada pelos clientes. A regra, da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que passará a entrar em vigor o sábado (1º), integra o regulamento de Gestão da Qualidade nos serviços de Comunicação Multimídia aprovado pela Anatel, que desde 2012 tem cobrado que as operadoras entreguem a velocidade dentro de uma meta previamente estabelecida. Em novembro de 2012 o limite mínimo era de 60%, um ano depois, passou para 70%. Com informações do portal G1.

Dilma retornará a Brasília na tarde deste domingo

Sábado,01 de novembro de 2014 

por Ayr Aliski | Estadão Conteúdo

Foto: Reprodução

Depois de um período de descanso após a reeleição em área reservada na Base Naval de Aratu, na Bahia, a presidente Dilma Rousseff estará de volta a Brasília amanhã domingo (2). O dado está confirmado em agenda da presidente divulgada há pouco pela Secretaria de Imprensa do Palácio do Planalto. Dilma deixará a Base Aérea de Salvador às 14 horas do domingo, com chegada à Base Aérea de Brasília prevista para as 16h30. Com o retorno ao Planalto, a presidente deve iniciar as negociações partidárias para acertar a reforma ministerial para seu segundo mandato. A presidente deixou Brasília rumo à Base Naval de Aratu no final da tarde da última quarta-feira, 29. Depois da reeleição, Dilma admitiu estar muito cansada. A previsão, desde o início, era que o período de descanso seguisse até domingo.

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Bizarro: família fica aterrorizada após encontrar mais de 100 cobras vivendo dentro de casa!

Sexta, 31 de outubro de 2014


Mais de 100 cobras foram encontradas em uma casa em Regina, na província canadense de Saskatchewan. Aparentemente, os répteis estavam apenas se preparando para hibernar durante o inverno. 

As cobras foram retiradas da casa após uma família local ficar aterrorizada ao descobrir pequenas cobras no porão e outras partes da casa, como a cozinha e quartos. 

Ao todo, as autoridades resgataram 102 cobras da casa. A maior delas tinha cerca de 1 metro de comprimento, e a menor, 22 centímetros. 

Fonte: G1

Prefeito de Granja tenta demolir prédio com idoso dentro e população se revolta! Veja o vídeo

SEXTA-FEIRA, OUTUBRO 31, 2014 

A semana começou agitada na cidade de Granja, Interior do Ceará. Na madrugada do dia 27 (segunda-feira), maquinas demoliram calçadas de prédio comercial com idoso dentro e a população se revoltou contra o prefeito.

Na manhã de segunda-feira, as pessoas que chegavam ao centro da cidade ficaram chocadas e tristes ao ver um idoso, tradicional e respeitado comerciante, em situação de constrangimento e humilhação. Toda a calçada do prédio, onde comercializa e reside, tinha sido demolida no inicio da madrugada.
Uma multidão se formou em solidariedade ao comerciante, a polícia foi acionada para manter os ânimos.

As maquinhas chegaram, destruíram tudo e foram embora sem deixar rastro, mesmo sabendo que havia pessoas morando no prédio e mercadorias dos comerciantes. Uma vizinha, que tem medo de se identificar, disse que ficou aterrorizado com o barulho, pensou ser ação de criminosos ligados ao tráfico.

O prefeito Romeu Aldigueri tentou justificar o ato através de nota na rede social. Mas não explicou o porque da demolição ter acontecido na madrugada e não no horário de expediente normal.

No lugar do prédio, segundo informações, será construído um shopping para os ambulantes. A população não se opõem a construção, mas se revoltou com o modo de agir na calada da noite e classificou como abuso de poder, crime contra o estatuto do idoso e a dignidade humana.

Ontem, terça-feira (28), não havia trabalhadores da prefeitura no local e tão pouco indício de obra alguma. Os comerciantes voltaram suas atividades no prédio e a população exige respeito por parte do governo municipal.

Fonte: granjaceara.com.br

162ª Morte violenta em Mossoró: Individuo foi executado em via publica no Bom Jardim

Sexta, 31 de outubro de 2014


O mês de Outubro, que ainda não acabou, se destacou como um dos mais violento de todos os tempos na cidade de Mossoró no Rio Grande do Norte. Com mais uma morte no inicio da noite de hoje, 31, foram mortas 23 pessoas de forma violenta. 

Tallysson Tairone Fagundes "Boy Tales" de 21 anos de idade, foi surpreendido e morto por dois indivíduos que estavam de motocicleta.

O crime aconteceu na Rua Juvenal Lamartine, nas proximidades de Colégio Felício de Moura no Bom Jardim em Mossoró no Rio Grande do Norte. A Policia Militar perseguiu os acusados que conseguiram escapar do cerco. 

Viaturas da policia militar fazem o isolamento do local até a chegada do Instituto Tecnico e Cientifico de Policia que fara a remoção do corpo para sede do orgão.

Imagens: Grupo Noticias de Mossoró Whatsapp

Veja a galeria de fotos


Fonte: O Câmera

O fiasco da ofensiva contra verdades reveladas por VEJA ampliou a epidemia de insônia causada pela devassa do Petrolão

Quinta, 31 de outubro de 2014 

Colunista da Veja comenta tentativa de se desmentir depoimento em que doleiro cita Dilma e Lula

Por: Augusto Nunes

Auxiliados pela inépcia de repórteres que só conferem a hora da sessão na academia e pela preguiça de redatores que só conferem a data da consulta com o geriatra, colunistas estatizados tentaram desmentir a notícia divulgada por VEJA neste 24 de outubro: Lula e Dilma sabiam das maracutaias bilionárias engendradas nos porões da Petrobras. Os textos publicados por Reinaldo Azevedo no começo da tarde e porRicardo Setti no início da noite desta quinta-feira provam que não há uma única e escassa frase equivocada na reportagem de capa que tornou pública a explosiva revelação feita pelo doleiro Alberto Youssef.

Para aflição dos figurões enrascados no Petrolão e dos comparsas disfarçados de jornalistas, a lama que transbordou da estatal transformada em usina de negociatas já chegou ao Palácio do Planalto. Em troca dos benefícios da delação premiada, o que Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef já contaram bastou para assombrar o país. Mas é só o prólogo da história de horror: está longe do fim o tsunami de revelações produzido pela dupla de depoentes, que se tornará ainda mais assustador depois da entrada em cena de mais bandidos prontos para abrir o bico.

Concluída a coleta de provas e informações, a nação conhecerá os detalhes do maior e mais escabroso escândalo político-policial registrado desde o Descobrimento. Concebida para financiar a perpetuação do PT no poder, a organização criminosa montada por diretores corruptos nomeados por Lula e mantidos por Dilma logo incorporou senadores, deputados, ministros de Estado, dirigentes partidários e empresários ─ além de chefes de governo. Nunca se roubou tanto e com tamanha desfaçatez. Um bilhão de dólares virou unidade monetária para a medição do produto do roubo. Algumas propinas superaram os ganhos anuais de superexecutivo americano. Comparado ao Petrolão, o Mensalão acabará reduzido a gatunagem de amador.

É compreensível que Lula e os Altos Companheiros estejam tão inquietos. O chefe supremo da seita sabe que, para voltar a sentar-se na cadeira de presidente, terá de contornar o banco dos réus. Desta vez será bem mais complicado fingir que nunca soube de nada. Não há como repassar, por exemplo, a paternidade da refinaria Abreu e Lima, parida pelo ex-presidente e Hugo Chávez. Deveria custar 2 bilhões de dólares. Já passou de 20, inteiramente herdados pela Petrobras depois do calote aplicado pelo parceiro.

Tantos anos depois daquele que enriqueceu com a rapidez de pistoleiro de faroeste, Lula criou um filhote que engole dinheiro com a velocidade da luz. O pai diz que o primeiro é um fenômeno. Os fatos informam que o segundo é um caso de polícia capaz de transformar qualquer culpado em fortíssimo candidato à cadeia.

Fonte: www.veja.com.br/Carlos Skarlack

Entrevista – Henrique Eduardo Alves

31 de outubro de 2014 


‘Dilma tem dois meses para mudar estilo de governar’

Presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves afirma que a presidente reeleita tem de adotar nova forma de negociação com o Congresso imediatamente e descarta assumir um ministério no ano que vem

MÁGOA – O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, derrotado na disputa pelo governo do Rio Grande do Norte: “O Lula nunca tinha visto o Robinson na vida dele. Se amanhã passar do lado, acho que o Lula nem o reconhece mais” (Pedro França/Agência Senado/VEJA)

Marcela Mattos, de Brasília

Na primeira semana depois das eleições, o Congresso Nacional deu um claro recado à presidente reeleita Dilma Rousseff (PT): derrubou o decreto bolivariano que criava conselhos populares em órgão públicos, convocou ministros e a presidente da Petrobras, Graça Foster, para prestar esclarecimentos em comissões e ensaia desengavetar propostas que causam dor de cabeça ao Planalto, como o chamado Orçamento Impositivo. Para Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), presidente da Câmara dos Deputados, Dilma precisa saber “conversar e “compartilhar mais” já nos próximos dois meses, quando encerra seu primeiro mandato. “Não pode ser como vinha sendo: o PT escolhendo o que quisesse, principalmente os melhores ministérios, e deixando o resto para os outros. Não pode e não deve ser assim. A presidente Dilma tem dois meses para provar que as coisas não vão ser assim”, afirmou. Depois de onze mandatos na Câmara, Alves foi derrotado na disputa pelo governo do Rio Grande do Norte e ficará sem mandato em janeiro. Nos últimos dias, seu nome passou a figurar na bolsa de apostas do futuro ministério de Dilma, o que ele descarta. Mas, como reza o anedotário político de Brasília, quando se quer um cargo de ministro, o melhor a fazer é afirmar justamente o contrário – diz a máxima que, a partir daí, seu nome passará ser lembrado constantemente. Leia a entrevista ao site de VEJA.

Como o senhor viu o apoio de Lula ao seu adversário Robinson Faria (PSD) na disputa ao governo do Rio Grande do Norte? Eu fui surpreendido. O Lula nunca tinha visto o Robinson na vida. Esqueceram de avisar que o Robinson que ele apoiou neste ano é o mesmo contra quem ele gravou em 2010. Se amanhã passar ao lado, acho que o Lula nem o reconhece mais. Enquanto eu era líder do PMDB, sempre que havia uma votação importante, o Lula me chamava para conversar e para negociar. Agora, ele grava uma entrevista em um formato de bate-papo elogiando o Robinson, dizendo que ele vai mudar o Rio Grande do Norte. Isso foi decisivo para a derrota, foram muitas inserções ao longo de vários dias.

O senhor chegou a procurar o PT pedindo que as gravações não se repetissem no segundo turno? Eu procurei o Michel Temer, que na hora telefonou para o Lula pedindo para que não gravasse mais. Tudo bem que a chapa do Robinson estava com o PT para o Senado, mas no plano nacional eu estava com a Dilma. Depois que pedi para pararem, foi quando usaram as propagandas desbragadamente. O Lula não deve ter feito nenhum gesto para pararem de usar. O Temer também procurou o Rui Falcão, mas não adiantou. Ficou uma coisa muito constrangedora. O Lula ia lá toda hora e classificava o outro candidato como a mudança. Mas sou eu que o conheço, eu que o ajudei, que fui o seu parceiro.

Então como fica a relação entre o PT e o senhor depois destas eleições? A Dilma teve outro comportamento. Eu disse que ela poderia ir lá no Estado que todos estaríamos ao lado dela. Mas também disse que ia entender se ela achasse melhor não ir, e ela realmente não foi. Não tenho nada a reclamar dela. Mas, com o Lula, eu vou fazer o quê? Tem de ter maturidade e experiência para virar essa página. Eu reconheço que a participação dele foi muito importante para o resultado eleitoral. Mas, com ressentimentos, ficamos menores. E eu não quero ficar menor com isso.

A derrubada do decreto de Dilma foi um troco ao PT? Essa afirmativa é desinformação ou má-fé. Essa matéria aguardava votação há três meses. Eu decidi pautá-la, fiz um pronunciamento defendendo que o decreto era inconstitucional, tentei diversas vezes que o Aloizio Mercadante o retirasse e apresentasse um projeto de lei com urgência. O que nós queríamos era tirar a vinculação dos conselhos à Presidência da República. Toda votação que se abria, a oposição começava a obstruir enquanto não pautasse o decreto. Na hora que deu para ser votado, a obstrução do PT não teve efeito. Se já era meu desejo que ele fosse votado e derrubado e a pressão estava grande, não teve como ser diferente. A Câmara ia ficar em um impasse sem votar nada? Mas isso não tem nada a ver com situação nenhuma. Eu já falei com a Dilma, dei parabéns pela eleição, e ela sequer tocou neste assunto. A presidente ainda disse que na próxima semana, quando voltar de viagem, gostaria de falar comigo porque ia precisar muito da minha ajuda.

O que o senhor acha que tem de mudar na relação entre Executivo e Legislativo no novo governo? A Dilma nunca foi parlamentar e nunca passou nesta Casa, como todos os outros presidentes passaram e sabem das tensões que temos aqui, da necessidade de dar respostas. Ela exerceu uma função gerencial e se tornou presidente da República. Eu acho que ela precisa conversar mais. Quando convencer, muito bem. Quando não, que seja convencida. Acho que ela vai partir para isso, para um modelo diferente do primeiro mandato. Até porque antes ela tinha um contexto eleitoral muito favorável, mas agora não, está dividido. E aqui, pelo radicalismo da campanha, é um prato cheio para o Aécio, porque as coisas vão se tornar ainda mais radicais. Mais do que nunca vai exigir a colaboração do PMDB e ela própria vai ter de conversar mais com o setor produtivo, com representantes empresariais, com o setor sindical e com parlamentares.

Este ano foi marcado por tensões entre a bancada do PMDB e o Planalto. O que o Michel Temer disse sobre o novo governo depois da reeleição? Nada. Mas agora a situação é outra. Fora da janela do Palácio do Planalto há um país dividido. E tem haver muito cuidado para que amanhã não haja uma crise. É preciso calçar a sandália da humildade. A Dilma, na reta final das eleições, quando precisou da ajuda do Nordeste, recorreu ao Lula. Até então quase não se via o Lula participar das eleições, ele estava mais focado na disputa de São Paulo. A Dilma tem de compartilhar mais, de participar mais. Não pode ser como vinha sendo, o PT escolhendo o que quisesse, principalmente os melhores ministérios, e deixando o resto para os outros. Não pode e não deve ser assim. A Dilma tem dois meses para provar que as coisas não vão ser assim.

Qual o caminho natural para a presidência da Câmara? Antes uma aliança entre o PT e o PMDB era importante porque juntava muitos votos e quase conseguia maioria. Era um rodízio que se impunha por serem as duas grandes bancadas da Casa. Agora mudou a configuração e essas duas legendas não fazem 140 votos. O fato de elas se entenderem não é nenhuma garantia de que farão o presidente da Casa. Deve-se buscar o candidato que reflete o sentimento da Casa, da independência, que procure angariar apoio tanto da base quanto da oposição. Há, hoje, um PMDB que não votou em Dilma. Nessa configuração confusa e muito dividida, acho que o discurso vencedor vai ser de quem falar pelo Parlamento. Eu acho inevitável que o PMDB procure a todos, oposição e governo, e caracterize o discurso de Parlamento.

Há hoje um nome alternativo ao Eduardo Cunha? Não. Ele é a indicação da bancada. O Eduardo tem credibilidade, é respeitado pelos parceiros, pelos adversários e cumpre acordos. É um nome muito forte.

O senhor está na Câmara há 44 anos. Está preparado para não viver mais essa rotina?Preparadíssimo. Eu passei a minha vida inteira morando em hotel sozinho, passava dois ou três dias com a família e viajava. Imagine o que é pegar um avião toda terça e quinta ao longo de todo esse tempo. Agora eu estou preocupado com a minha qualidade de vida. Eu tenho uma empresa de comunicação e vou ficar no comando do PMDB do meu Estado. Continuo na política. Mas quero ter mais qualidade de vida, fazendo o que eu gosto.

E a possibilidade de assumir algum ministério? Muitos querem que eu fique em Brasília. Há pressão nesse sentido pela experiência que eu tenho aqui. Eu poderia ficar fazendo um meio de campo entre o Michel Temer e o Eduardo Cunha. Mas a indicação que eu tenho agora é ter uma qualidade de vida melhor.

Então o senhor descarta tornar-se ministro? Descarto. Qualquer ministério. Ministério é pior, porque a gente tem de estar aqui de segunda a sexta. A política sacrifica muito a família. Eu tenho dois filhos que quase não vejo. A gente começa a ver que o tempo está passando e está perdendo algumas oportunidades. Então há coisas que vêm pelo bem. Eu tenho um jornal, uma TV e vou ter participação política, mas vivendo com mais estabilidade.

Quem poderia ser capaz de fazer esse meio campo e melhorar o diálogo com o Parlamento? O Jaques Wagner, ex-governador da Bahia, é uma boa pessoa. Ele é experiente, competente, malandro. Eu acho que ele vai para Relações Institucionais. A Dilma não pode mais correr riscos. O país está dividido.

Fonte: www.veja.com.br/Carlos Skarlack

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055