martins em pauta

quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

Polícia Civil do Estado do Ceará deflagra operação e captura 38 suspeitos na Capital

Quinta, 23 de Janeiro de 2020


A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), por meio do Departamento de Polícia Judiciária da Capital (DPJC), com participação da equipe da Dissuasão Focada e dos 25 Distritos da Capital, desencadeou, nesta quarta-feira (22), uma ação para o cumprimento de diversos mandados de prisão na Capital, resultando em 38 prisões até o início desta tarde, sendo seis delas em flagrantes delito – quatro adultos e um menor de 15 anos apreendido. A ação tem como objetivo o combate à criminalidade em Fortaleza e teve como base também levantamentos específicos de checagem do Disque-Denúncia (181), da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Detalhes da operação foram apresentados em coletiva de imprensa, nesta quarta-feira (22), na sede da SSPDS, em Fortaleza.

O delegado geral da PCCE, Marcus Rattacaso, ressaltou a parceira entre a Polícia Civil e a população, que repassa informações que contribuem para o trabalho de investigação, culminando em pedidos de prisão. “O disque-denuncia (181 da SSPDS) é fundamental no nosso trabalho. Temos que destacar também que com a prisão e a apreensão dessas pessoas a gente certamente está bloqueando também várias práticas criminais, porque temos um índice de reincidência criminal muito grande. Após essa operação, muitos crimes serão evitados. Vou frisar bem a questão do 181. É muito importante o auxílio da população. Essa parceria polícia e população se faz necessária. Segurança pública realmente é um dever do Estado, mas é responsabilidade de todos. O serviço garante total anonimato e sigilo. A população pode ficar tranquila em denunciar, informar e ajudar na elucidação de crimes”, ressaltou.


A operação foi planejada pelo DPJC após um levantamento sobre os mandados de prisão existentes na Capital e teve como objetivo um trabalho policial focado nos foragidos e em ações de repressão em locais de vulnerabilidade de Fortaleza. Esse tipo de ação faz parte das estratégias de combate à criminalidade da Segurança Pública cearense. As equipes policiais estiveram nas ruas para dar cumprimento aos mandados de prisão pela prática de diversos crimes, entre eles homicídio, roubo e tráfico de drogas. A operação também efetuou prisões em flagrante com apreensão de drogas, arma de fogo e munições. A ação contou com efetivo de mais de 120 agentes de seguranças, entre delegados, escrivães e inspetores da Polícia Civil.


Ao todo, 28 pessoas que estavam com mandado de prisão deferido pelo Poder Judiciário foram conduzidas para realização de procedimento nas delegacias da Capital. Quatro pessoas que já estavam recolhidas no sistema penitenciário tiveram mandados cumpridos durante a operação. Outras três pessoas foram capturadas com armas e drogas, na Área Integrada de Segurança 3 (AIS 3). Dois adultos e um adolescente de 15 anos foram conduzidos para a Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA), cujo procedimento está em andamento. Três suspeitos de roubo foram conduzidos para o 33º Distrito Policia (Goiabeiras), para o 1º DP (Vila Ellery) e o terceiro foi levado para o 30º DP (Jangurussu). Todos os flagrantes estão em andamento nas unidades policiais. A operação foi encerrada às 17 horas de hoje.


“Trata-se de mais uma operação desencadeada pela Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), por meio do Departamento de Polícia Judiciária da Capital. Este tipo de ação é praxe do departamento, e temos buscado melhorar toda parte de levantamentos, de logística, para que o êxito seja cada vez maior. A importância que esse tipo de trabalho ajuda no combate qualificado à criminalidade, tirando de circulação esses infratores”, destacou o diretor do Departamento das Distritais da Capital, Danilo Rafanelle.


(Polícia Civil/CE)

Bolsonaro não muda, mas aprovação sobe... O que mudou?

Quinta, 23 de Janeiro de 2020


Bolsonaro não mudou seu jeito de ser.... o governo não mudou.... o que mudou é que os resultados da economia e segurança pública começam a ser sentidos...

C-O-M-E-Ç-A-M
Porque ainda é muito pouco perto do que está por vir.
Sabe o que isso significa?
Que daqui um ano a aprovação será bem maior...
Porque no fundo o que o Brasileiro quer é poder andar tranquilo por aí gastando seu dinheiro após horas de trabalho.
É é por isso que a esquerda anda desesperada. E podem esperar que uma tentativa de impeachment surgirá, porque eles não querem o bem do povo... eles querem o poder!
(Texto de Flavia Ferronato. Coordenadora do Movimento Advogados do Brasil)

Mulher sem mãos e sem pernas diz ter benefício negado pelo INSS por não assinar papel

Quinta, 23 de Janeiro de 2020


Parece piada, mas é uma dura realidade que ainda existe no serviço público brasileiro.

Inaceitável e inadmissível.

Cleomar Marques, moradora de Porto Velho (RO), trabalhava em uma usina. Após complicações em uma cirurgia teve infecção generalizada e entrou em estado de coma.

A situação fez com que os seus membros fossem necrosando e tiveram que ser amputados, deixando-a completamente impossibilitada para o trabalho, restando a ela recorrer ao INSS em busca de algum benefício.

Esse é o terceiro pedido de auxílio negado pelo órgão e uma das justificativas é de que a mulher não poderia assinar os papéis.

Em entrevista a uma TV de Rondônia, ela contou o lamentável episódio:
“Uma servidora puxou os papéis e perguntou: ‘quem vai assinar? Você assina?’. Eu disse que não podia assinar, mas sim a minha filha ou minha mãe. A mulher então olhou e disse: ‘ah, então não vale’. Daí ela pegou, rasurou o papel e jogou fora”.
Desumano!
Após o caso vir à tona, o INSS se manifestou.
Um novo requerimento deverá ser feito pela filha de Cleomar, que deverá alterar algumas inconsistências supostamente verificadas nos pedidos anteriores, para enfim acontecer a concessão do benefício.
Uma história lamentável que poderia ter sido evitada.
Confira a Nota do INSS:
da Redação /jornal da Cidade Online

Britânicos querem "urgente" acordo de livre comércio com o Brasil, afirma Paulo Guedes

Quinta, 23 de Janeiro de 2020


O ministro da Economia Paulo Guedes anunciou parceria que está sendo viabilizada, em projeto para livre comércio, com o ministro de finanças do Reino Unido, Sajid David, envolvendo os países componentes do Mercosul.

Após reunião entre as duas autoridades, Guedes enfatizou que os britânicos querem o acordo "urgente" com o Brasil.

De qualquer forma, ao que tudo indica, o acordo só será firmado após os britânicos obterem o ‘Brexit’ - nome atribuído a saída do Reino Unido da União Europeia.
“Nós queremos e eles querem [...] Ele [ministro do Reino Unido] me disse que tem urgência com o Brasil. Os britânicos querem mergulhar numa piscina nova”, afirmou Paulo Guedes.
Guedes ainda reiterou que provavelmente a Argentina irá acompanhar o Brasil e o restante do Mercosul na decisão.
da Redação / Jornal da cidade Online

Avião que combatia incêndios na Austrália cai e mata três

Quinta, 23 de Janeiro de 2020 


por Folhapress
Foto: Divulgação/Coulson Aviation

Um avião que participava da operação de combate aos incêndios florestais na Austrália caiu nesta quinta-feira (23), matando os três tripulantes a bordo da aeronave. De acordo com as autoridades locais, todas as vítimas são americanos que residem na Austrália.

A queda aconteceu por volta das 14h locais (meia-noite em Brasília) em uma região montanhosa na parte sul do estado de Nova Gales do Sul. As causas do acidente ainda são desconhecidas. "(A aeronave) se chocou com força contra o chão, e a informação inicial é de que houve uma grande bola de fogo ligada ao impacto do avião quando ele caiu", disse Shane Fitzsimmons, encarregado da brigada rural de incêndio de Nova Gales do Sul.

A aeronave que caiu é um avião-cisterna do modelo C-130 Hercules que pertence à empresa anti-incêndios canadense Coulson Aviation. A companhia decidiu suspender os voos dos demais aviões do tipo até a conclusão das investigações. Aviões deste tipo costumam ter capacidade para despejar até 15 mil litros de água ou agentes químicos que retardam as chamas, auxiliando o combate a incêndios em áreas remotas.

Desde setembro, as queimadas na Austrália já mataram ao menos 32 pessoas e destruíram mais de 2.500 casas. A área devastada já ultrapassa os 10 milhões de hectares (quase metade do estado de São Paulo), e estima-se que mais de 1 milhão de animais tenham morrido.

Para Marco Aurélio, Fux agiu como ‘censor’ de Toffoli ao suspender juiz de garantias

Quinta, 23 de Janeiro de 2020

Foto: Aílton de Freitas

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), considerou “autofagia” a decisão do ministro Luiz Fux de derrubar, na quarta-feira, a liminar do presidente da Corte, Dias Toffoli. Na semana passada, Toffoli suspendeu a norma do juiz de garantias por seis meses. Ontem, Fux derrubou a decisão e suspendeu a legislação por tempo indeterminado. Para Marco Aurélio, o colega agiu como “censor” do presidente.

— A autofagia é péssima, conduz à inseguranca jurídica, ao descrédito da instituição — disse Marco Aurélio ao GLOBO, completando: — Não há censor no Supremo, e acabou o ministro Fux assumindo a postura de censor em relação a um ato logo do presidente do Supremo. Respeite-se um pouco mais essa cadeira, para benefício da sociedade como um todo. Essa problemática é nefasta, ruim e perniciosa.

Marco Aurélio costuma chamar de autofagia a prática de um ministro do STF derrubar a decisão de um colega. Ele citou como exemplo um caso rumoroso de 2009, em que o ministro deu liminar para o garoto Sean Goldman ser ouvido pela Justiça antes que fosse definido se a guarda dele permaneceria com a família brasileira, ou com o pai, nos Estados Unidos. Em seguida, Gilmar Mendes cassou a liminar e autorizou que o rapaz embarcasse para os Estados Unidos.

Marco Aurélio também lembrou que, em 2019, pouco antes do recesso de fim de ano, deu uma liminar autorizando a libertação de presos condenados por tribunais de segunda instância. Durante o recesso, Toffoli cassou a decisão. O presidente derrubou, ainda, outras duas decisões que tinham sido dadas Por Marco Aurélio: uma sobre a licitação da Petrobras e a outra, sobre a eleição da Mesa Diretora do Senado. Agora, ressaltou, o próprio Toffoi foi alvo da “autofagia”.

— O que ocorreu comigo poderia ocorrer com qualquer colega. Ironia que se verifica: o vice que ainda não foi eleito presidente e que o será em setembro (Fux) afasta do cenário um ato do presidente. Isso é terrível em termos institucionais e apenas revela tempos estranhos, muito estranhos. Não sabemos como poderá proceder este ou aquele ministro diante de uma situação que acredite errônea. Nós, integrantes do Supremo, ombreamos e acima de cada qual apenas está o plenário, o colegiado — declarou.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bento
    Se ele achou ruim é porquê é bom para o Brasil.
    Deixe de mimimi excelência
  2. Paulo
    BG.
    Os políticos com rabo preso criaram a PEC da bengala para manter esses ineptos no supremo por mais 5 anos tipo esse Mello, lewandoky, Celso e outros mais. Uma vergonha esses senhores, deveriam pedir o boné e sumi. Parasitas
  3. Eduardo
    Fux é juiz de carreira, enquanto esse boçal do Marco Aurélio entrou no Judiciário pelo quinto constitucional e, por influência do primo corrupto Fernando Collor, foi nomeado ministro do STF. Portanto, quem ingressou na Justiça pulando 2 janelas não tem moral e muito menos capacidade técnica pra julgar um juiz de origem.
  4. Pedro
    Tudo que esse metido a intelectual, e apenas juizeco diz é controverso, basta assistir a TV STF. Os outros ministros do não sorriem das suas posições por mera formalidade. Trapalhão, inconstante, banal, tresloucado, basta dizer que ele zombou de uma doutora, em plenário, que não usou a palavra "excelência", por aí já se vê a qualidade do rapaz.
    Ele deveria ter escutado,o que disse certa vez uma rainha " no dia que eu exigir que me chamem de rainha, não serei mais uma".

Beneficiada pelo processo de recuperação da economia, arrecadação federal com impostos chega a R$ 1,537 trilhão em 2019, maior valor em cinco anos

Quinta, 26 de Janeiro de 2020

Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil

Beneficiada pelo processo de recuperação da economia, a arrecadação federal de impostos fechou o ano de 2019 com crescimento de 1,69% na comparação com o ano anterior, já descontada a inflação. No ano passado, os brasileiros pagaram R$ 1,537 trilhão em impostos e contribuições federais. Foi o maior resultado anual desde 2014.

O crescimento também foi puxado pela disparada da arrecadação com royalties de petróleo. Influenciada pela alta do dólar e do barril de petróleo no ano passado, essa receita somou R$ 61 bilhões e cresceu 1,28%. O crescimento da produção nacional de óleo e gás também contribuiu para o resultado.

Relatório da arrecadação divulgado nesta quinta-feira pela Receita Federal aponta a recuperação da economia como um dos principais fatores para o crescimento da arrecadação no ano passado.

Os dados da arrecadação de impostos são importantes porque são muito sensíveis ao comportamento da economia. Por isso, o melhor dado desde 2014, quando teve início a crise econômica, são positivos para o governo.

O comportamento da arrecadação também é fundamental para a busca da meta fiscal, ou seja, o resultado para as contas públicas. Para 2019, a meta do governo é um rombo de até R$ 139 bilhões. O resultado do ano deve ser bem melhor, e fechar na casa de um déficit de R$ 70 bilhões.

Para este ano, a tendência é da arrecadação continuar subindo. A expectativa do mercado e do governo é da economia crescendo na casa de 2,3%. Também há tendência de crescimento da receita com petróleo.

Algumas das receitas, porém, podem não se repetir em 2020. São as chamadas receitas atípicas, que ajudam a melhorar o resultado geral. O governo se beneficiou no ano passado de R$ 14 bilhões decorrentes de venda de ativos de empresas, como a venda de ações do IRB e a venda da BR Distribuidora. Tambem houve uma arrecadação programas de regularização tributária e parcelamento de díviida ativa.

Indicadores ajudaram

Para 2019, o Fisco lembrou que os principais indicadores econômicos com impacto sobre as receitas federais tiveram alta no ano passado.

— Os principais fatores foram os indicadores macroeconômicos, e desempenho do Imposto de Renda — disse o chefe Estudos Tributários da Receita, Claudemir Malaquias.

A venda de bens e serviços e massa salarial cresceram no ano passado. Enquanto a produção industrial e o valor em dólar das exportações caíram, mas em menor intensidade. A arrecadação de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), ligada ao lucro das empresas não financeiras, cresceu 11,09% em relação a 2018. Isso ocorreu por conta da melhora nas estimativas mensais e nos balanços das empresas.

Viu isso?Governo terá de cortar investimento e gasto para reajustar salário mínimo

Também aumentou a arrecadação do Imposto de Renda da Pessoa Física (em 11,07%), do Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF), da receita previdenciária e do PIS/Cofins. A Receita destacou que a arrecadação com Imposto de Renda subiu em decorrência de ganhos na alienação de bens e ganhos líquidos em operações em bolsa.

Por outro lado, caiu a receita com a Cide-Combustíveis em 32%. Desde junho de 2018, o governo reduziu sua arrecadação com esse imposto porque zerou a alíquota para o óleo diesel, como medida para encerrar a greve dos caminhoneiros.

— Chegamos a 2019 com o resultado equivalente ao período pré-crise — destacou Malaquias.

Desonerações

O governo deixou de arrecadar R$ 96,5 bilhões no ano passado devido às desonerações de impostos aprovadas desde 2010 . O valor superior aos R$ 88,7 bilhões apurados em 2018, já considerada a inflação.

Somente com com as políticas relacionadas ao Simples e ao MEI (Microempreendedor Individual), o governo abriu mão de R$ 14,8 bilhões em tributos no ano passado.

A desoneração da cesta básica contribuiu para uma redução de R$ 11,9 bilhões na arrecadação. O governo já confirmou que planeja acabar com a desoneração da cesta básica na proposta de reforma tributária que enviará ao Congresso. A ideia é pegar parte desse dinheiro e aumentar o valor do Bolsa Família.

Com desoneração da folha de pagamento das empresas, o governo deixou de recolher R$ 9,9 bilhões.

O Globo

Abraciclo estima aumento de 6,1% na produção de motocicletas neste ano no país

Quinta, 23 de Janeiro de 2020

Foto: Arquivo/Agência Brasil

A Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo) prevê a produção de 1.175.000 motocicletas neste ano, o que representa aumento de 6,1% ante 2019, quando foram licenciadas 1.107.758 unidades.

A Abraciclo, que representa 98% das fabricantes desse tipo de veículo, estima queda de 27,5% nas exportações, com as vendas passando de 38.614 para 28 mil unidades. O índice é melhor do que o registrado na comparação de 2018 com 2019, de – 45,3%.

Segundo o presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian, o que explica a diminuição nas exportações é o cenário “de deterioração” da economia de países que já se consolidaram como consumidores das motocicletas brasileiras, com destaque para a Argentina. Diante das circunstâncias que enfrenta atualmente, a Argentina registrou no fim do ano passado redução de 60% no volume de motocicletas importadas do Brasil. Já as remessas para os Estados Unidos, segundo maior mercado, tiveram expansão de 25,5%. O Brasil ocupa a oitava posição no ranking mundial de produtores.

A Abraciclo informou também que o segmento espera aumento de 5,8% no varejo de motocicletas. O percentual se aproxima do estimado para o atacado, que é de 5,7%. Os indicadores ficam bem abaixo das marcas de 2019, que foram, respectivamente, de 14,6% e 13,2%.

“A maior parte da produção [de 2019] realmente foi para mercado interno”, afirmou Fermanian. A frota nacional de motocicletas totaliza 28 milhões de unidades.

Fermanian disse que os níveis atingidos no ano passado “encorajam a ter uma visão mais otimista para 2020”, mas ressaltou que não se pode garantir que a realidade corresponda aos prognósticos de desempenho. “A gente não tem um cenário, uma expectativa de, por exemplo, quanto o país vai crescer, quais serão as reformas implantadas. Tudo isso ainda nos remete a um cenário de certa incerteza”, afirmou. “Pelo menos, um patamar de 6% de crescimento já é bastante significativo.”

Com Agência Brasil

Atuação da Zona de Convergência Intertropical deverá provocar chuvas em todas as regiões do RN entre esta sexta e domingo; veja previsão

Quinta, 23 de Janeiro de 2020



Fotos: Reprodução/Emparn

A Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte(Emparn) lança previsão de chuvas em todas as regiões do estado no período que compreende esta sexta(24) até o domingo(26). Como responsável, a atuação da Zona de Convergência Intertropical.

A Zona de Convergência Intertropical é um importante fenômeno natural também responsável pela distribuição de chuva pela Terra, próximo ao equador. Ali se encontram os ventos originários dos hemisférios norte e sul. Tem influência sobre tempo e clima e é uma interação entre eventos meteorológicos das latitudes médias e tropicais.

Efeitos da Zona de Convergência Intertropical no Brasil

A Zona de Convergência Intertropical é um sistema meteorológico que usualmente traz chuva volumosa. Elas atingem as regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil, no período de verão.

Se ocorre o El Niño, os ventos alísios de nordeste ficam fracos, com menor fluxo de umidade vinda dos oceanos. Assim, a Zona de Convergência Intertropical sofre um deslocamento para uma posição mais ao norte do que sua posição normal.

Por essa razão, os períodos de El Niño são secos quando a estação deveria ser chuvosa. Isso quer dizer entres os meses de janeiro a março, nas regiões Norte e Nordeste.

As secas nessas regiões provocam prejuízos agrícolas devido à quebra da produção principalmente decorrente da redução do rendimento das culturas.

A região Nordeste, que fica ao sul da Zona de Convergência Intertropical, sofre com secas severas.

Fonte: Blog do BG

Temor do coronavírus faz preço do petróleo cair quase 3%

Quinta, 23 de Janeiro de 2020

Foto: Henry Romero / Reuters

O aumento no número de pessoas infectadas e mortas pelo coronavírus na China faz com que a cotação do petróleo no mercado caia nesta quinta-feira. O barril do tipo Brent é negociado com queda de 2,93%, a US$ 61,36. Esta é a menor cotação em sete semanas.

Os analistas indicam que o receio de que a demanda chinesa seja reduzida por conta da doença explica a queda no preço das commodities no mercado.

— A leitura é que a queda do Brent está atrelada ao espalhamento do coronavírus na China. O mercado teme que esta nova ameaça possa comprometer a demanda por processos que dependem de fluxos internacionais, o que pode, diretamente, impactar a demanda por derivados de petróleo já no curto prazo — indica Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos.

Nesta quarta, o Goldman Sachs publicou um relatório no qual projeta que o vírus respiratório, que se originou na cidade chinesa de Wuhan, poderia causar uma queda da demanda global de 260 mil barris por dia em 2020. A menor demanda, estimou o banco, levaria a cotação do petróleo a cair em US$ 2,90 o barril.

“Embora uma resposta de oferta da Opep possa limitar o impacto fundamental de um choque da demanda, a incerteza inicial sobre o escopo potencial da epidemia pode levar a uma onda de vendas maior do que os fundamentos sugerem”, avaliaram Damien Courvalin e Callum Bruce, analistas do Goldman.

O impacto real na demanda global de petróleo dependerá da rapidez com que o coronavírus se espalhar para outras regiões e do nível de contágio, segundo analistas. Uma resposta rápida e agressiva das autoridades chinesas também pode diminuir a incerteza e o impacto negativo na economia.

— No atual momento, cria-se uma atmosfera de tensão no exterior sobre uma possível diminuição da demanda chinesa, o que afeta diretamente as commodities — diz Pedro Galdi, analista da Mirae Asset. — O feriado do Ano Novo Lunar já é neste fim de semana, e estradas e regiões estão fechadas. Isso pode diminuir o consumo interno e refletir no mundo como um todo.

Na véspera, o barril do Brent fechou os negócios cotado a US$ 63,21.

O Globo

POLÍCIA MILITAR DE SOBRAL ESTOURA "ACAMPAMENTO DO CRIME" NO SERROTE DO PIABAS

Quinta, 23 de Janeiro de 2020


Na tarde ontem, por volta das 17h30, em patrulhamento de rotina na localidade de Serrote dos Piabas, a equipe de policiais militares chegou até umas das casas onde por duas vezes o indivíduo conhecido como "MARQUINHOS DOS CORAGEM" foi visto saindo do local. No mesmo recinto, os PMs conseguiram encontrar várias motocicletas, onde após consulta no sistema policial, constatou-se que uma delas constava como roubada, no local ainda foram encontrados: um revólver calibre 22, várias munições de pistola calibre .40, balanças de precisão e sistema de internet wifi.


Segundo a Polícia, o local era utilizada como ponto de apoio para criminosos, ou seja, servia como esconderijo e apoio logístico. Um homem identificado como Francisco Edmar Arruda Linhares, 49 anos, foi preso em flagrante e encaminhado à Delegacia de Polícia Civil, para a lavratura dos procedimentos legais.


Material apreendido na ocorrência:

01 UNID DE REVOLVER ROSSI CAL. .22 N° 304055;

37 UNID DE MUNIÇÃO CAL. 22;

11 UNID DE MUNIÇÃO CAL. .40;

03 UNID DE BALANÇA DE PRECISÃO;

02 UNID DE CELULAR SAMSUNG;

01 UNID DE RELÓGIO;

01 UNID DE FACA COM CABO DE MADEIRA;

R$ 12,05 REAIS EM MOEDA NACIONAL;

01 UNID MOTOCICLETA MODELO BROS PLACA POV-5620 - CHASSI 9C2KD1000JR105394.

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055