martins em pauta

sábado, 8 de dezembro de 2018

CRIANÇA DE 11 ANOS COM CÂNCER TERMINAL, EXPLICA PARA SEU MÉDICO O QUE É A MORTE

Sábado, 08 de Dezembro de 2018

"Quando eu morrer, acho que minha mãe vai ficar com saudade. Mas eu não tenho medo de morrer, tio. Eu não nasci para esta vida!"

Como médico cancerologista, já calejado com longos 29 anos de atuação profissional, posso afirmar que cresci e modifiquei-me com os dramas vivenciados pelos meus pacientes. Não conhecemos nossa verdadeira dimensão até que, pegos pela adversidade, descobrimos que somos capazes de ir muito mais além.

Recordo-me com emoção do Hospital do Câncer de Pernambuco, onde dei meus primeiros passos como profissional… Comecei a frequentar a enfermaria infantil e apaixonei-me pela oncopediatria.

Vivenciei os dramas dos meus pacientes, crianças vítimas inocentes do câncer. Com o nascimento da minha primeira filha, comecei a me acovardar ao ver o sofrimento das crianças.

Até o dia em que um anjo passou por mim! Meu anjo veio na forma de uma criança já com 11 anos, calejada por dois longos anos de tratamentos diversos, manipulações, injeções e todos os desconfortos trazidos pelos programas químicos e radioterapias. Mas nunca vi o pequeno anjo fraquejar. Vi-a chorar muitas vezes; também vi medo em seus olhinhos; porém, isso é humano!

Um dia, cheguei ao hospital cedinho e encontrei meu anjo sozinho no quarto. Perguntei pela mãe. A resposta que recebi, ainda hoje, não consigo contar sem vivenciar profunda emoção.

— Tio, disse-me ela — às vezes minha mãe sai do quarto para chorar escondido nos corredores… Quando eu morrer, acho que ela vai ficar com muita saudade. Mas, eu não tenho medo de morrer, tio. Eu não nasci para esta vida!

Indaguei: — E o que morte representa para você, minha querida?

– Olha tio, quando a gente é pequena, às vezes, vamos dormir na cama do nosso pai e, no outro dia, acordamos em nossa própria cama, não é? (Lembrei das minhas filhas, na época crianças de 6 e 2 anos, com elas, eu procedia exatamente assim.) É isso mesmo.

– Um dia eu vou dormir e o meu Pai vem me buscar. Vou acordar na casa Dele, na minha vida verdadeira!

Fiquei "entupigaitado", não sabia o que dizer. Chocado com a maturidade com que o sofrimento acelerou, a visão e a espiritualidade daquela criança.

– E minha mãe vai ficar com saudades – emendou ela.

Emocionado, contendo uma lágrima e um soluço, perguntei:

– E o que saudade significa para você, minha querida?

– Saudade é o amor que fica!

Hoje, aos 53 anos de idade, desafio qualquer um a dar uma definição melhor, mais direta e simples para a palavra saudade: é o amor que fica!

Meu anjinho já se foi, há longos anos. Mas, deixou-me uma grande lição que ajudou a melhorar a minha vida, a tentar ser mais humano e carinhoso com meus doentes, a repensar meus valores. Quando a noite chega, se o céu está limpo e vejo uma estrela, chamo pelo "meu anjo", que brilha e resplandece no céu.

Imagino ser ela uma fulgurante estrela em sua nova e eterna casa.

Obrigado anjinho, pela vida bonita que teve, pelas lições que me ensinaste, pela ajuda que me deste. Que bom que existe saudade! O amor que ficou é eterno.


(Dr. Rogério Brandão, oncologista)

Tentativa de assalto a bancos com reféns deixa 13 mortos após tiroteio com a polícia em Milagres/CE

Sábado, 08 de Dezembro de 2018

Dois suspeitos do crime foram presos, conforme o secretário da Segurança do Ceará. Prefeito de Milagres informou que duas crianças estão entre as vítimas.


Um grupo de criminosos armados e com reféns tentou assaltar duas agências bancárias da cidade de Milagres, na Região do Cariri do Ceará, na madrugada desta sexta-feira (7). Houve intensa troca de tiros e pelo menos 13 pessoas morreram, segundo informou a Coordenadoria de Medicina Legal (Comel) da Perícia Forense (antigo IML) da cidade de Juazeiro do Norte, que recolheu os corpos. Dois suspeitos de participação na tentativa de assalto foram presos, conforme o secretário da Segurança do Ceará, delegado André Costa.

De acordo o prefeito de Milagres, Lielson Landim, entre os mortos estão duas crianças, entre 10 e 13 anos, que eram feitas reféns pelo grupo criminoso. No total, seis reféns morreram no confronto, sendo cinco da mesma família, conforme a polícia. A polícia ainda não conseguiu identificar todos os mortos no confronto.

O prefeito de Milagres disse que a família ia para Serra Talhada, em Pernambuco, quando passou por um trecho interditado na rodovia BR-116, na altura da ponte sobre o riacho Tamanduá, e foi sequestrada. A quadrilha utilizou um caminhão para bloquear a via e parar o veículo das vítimas.

Segundo o prefeito, os reféns foram executados pela quadrilha ao serem abordados pela polícia. Entre as vítimas estão um empresário de Caruaru e o filho dele. Pai e filho foram até o Ceará buscar três familiares que vinham de São Paulo para passar os festejos de fim de ano em Serra Talhada

O sexto refém morto, ainda não identificado, seria da cidade de Brejo Santo e também foi parado na rodovia.

A tentativa de roubo aconteceu por volta de 2h17 da madrugada. Houve confronto entre os policiais e os criminosos. Diversos carros da PM foram usados para conter a quadrilha. Devido à ação da Polícia Militar, o grupo criminoso não conseguiu levar o dinheiro de nenhum dos estabelecimentos bancários. Os dois bancos ficam na Rua Presidente Vargas, no Centro do município, que tem 28 mil habitantes.

Agentes da Perícia Forense do Ceará informaram que dois veículos foram acionados para recolher os corpos e, em seguida, realizar a identificação das pessoas. A Polícia Militar acrescentou que equipes realizam investigações na região, com objetivo de identificar e prender o restante do grupo, que conseguiu fugir.

Durante essas buscas, um homem com um colete balístico foi encontrado morto dentro de uma caminhonete. Ele ainda não foi identificado, mas a polícia suspeita que ele seja um dos assaltantes que tentou fugir. Duas caminhonetes abandonadas foram encontradas pela polícia após o tiroteio.

'Madrugada de horror'

Segundo o comerciante e agricultor Mendonça de Santa Helena, a troca de tiros durou cerca de 20 minutos. “Nunca tinha visto algo parecido. Eu fiquei dentro de casa abaixado e com medo. Ouvi gritaria e pessoas chorando. Foi horrível”, relatou o comerciante.

Ainda segundo Mendonça, depois que o grupo fugiu, deu para perceber que, pelo menos, seis pessoas estavam no chão e apresentando sangramentos. No início do dia, segundo o comerciante, policiais que realizam a segurança da cidade, afirmaram que dez pessoas deram entrada no Hospital Municipal de Milagres, vítimas do tiroteio.

“Um policial afirmou para gente que, pelo menos, dez pessoas estavam no hospital. Pelo menos uns sete já tinham morrido e outros em estado muito grave”, disse.

Rodovia bloqueada

A Polícia Rodoviária Federal do Ceará (PRF-CE) solicitou que os motoristas evitassem a rodovia BR-116, que dá acesso à entrada ao município de Milagres. Conforme a PRF, um caminhão foi abandonado pelo grupo na via para impedir o tráfego de veículos.

Uma das alternativas é a CE-384. A polícia confirmou que o bloqueio tem ligação com a tentativa de assalto às agências bancárias da cidade.

2º ataque na madrugada

Ainda durante a madrugada, um outro grupo armado explodiu uma agência bancária no município de Itatira, que fica no Sertão Central do Ceará. Segundo informações da Polícia Militar, cerca de 15 homens participaram do crime. A polícia informou que o grupo estava armado de fuzis, pistolas, espingardas e explodiram a agência por volta da 3 horas.

Segundo o Sindicato dos Bancários do Ceará, pelo menos 44 ataques contra bancos foram registrados neste ano no Ceará.

Fonte: G1/CE

SUSPEITO DE ORDENAR MORTE DE PM NO RN É MORTO EM SP

Sábado, 08 de Dezembro de 2018


Kelves Freitas de Brito foi morto no dia 2 de junho de 2018,e integrava a Força Tática do 3º Batalhão da PM do Rio Grande do Norte — Foto: Divulgação/PM

Uma ação das polícias civil e militar resultou na morte na manhã desta sexta-feira (7) de um líder de uma organização criminosa apontado como responsável por centenas de homicídios. Segundo as polícias, Rafael Silvestre da Silva, também conhecido como "Gilmar" (também usava os apelidos de Mathias ou Casemiro), foi localizado em uma chácara em Juquitiba, na Grande São Paulo.
Ele seria responsável inclusive da morte do policial militar Kelves Freitas de Brito, morto meia hora após as ordens de atentado a prédios e a agentes públicos do Rio Grande do Norte.

Os ataques aconteceram em junho. A polícia investiga também se Rafael/Gilmar teria ordenado ataques em Minas Gerais na mesma época.
De acordo com as investigações, o criminoso autorizou, em menos de um ano, mais de cem assassinatos.
Leia também


Policial militar foi morto próximo a um local que vende churrasco em Parnamirim — Foto: Olinto Bezerra

G1-SP

Fonte: Passando na Hora

Após 3 meses, Advogados continuam trabalhando “de graça” e tentam transformar criminoso em louco

Sábado, 08 de Dezembro de 2018


Lamentável o rumo que tomaram as investigações do atentado contra o presidente eleito Jair Bolsonaro, ocorrido no dia 6 de setembro, em plena campanha eleitoral, na cidade de Juiz de Fora (MG). Absolutamente nada foi descoberto.

Em contrapartida, o batalhão de advogados que compõe a banca de defesa de Adelio Bispo de Oliveira continua trabalhando de graça, ou, o que é mais provável, patrocinado por uma figura oculta., sem nome, sem endereço e sem CPF.

Misteriosamente, duas pessoas com ligações com o criminoso morreram após o crime. Por outro lado, os tais advogados tentam ‘provar’ que Adelio é ‘louco’. Até perito particular foi contratado, mas os advogados continuam negando peremptoriamente a informação sobre a origem de seus honorários, dos honorários do perito, passagens aéreas, etc.

O delegado escalado para dirigir as investigações, ex-assessor do governador petista Fernando Pimentel, não se mostrou competente para dar um desfecho ao caso.

A dedução óbvia é a de que o autor dos pagamentos pode se confundir com a figura do mandante do crime.

Certamente o ex-juiz Sérgio Moro, tão logo assuma o Ministério da Justiça, saberá dar um outro ritmo a esse caso e chegar a uma solução.

Desvendar o atentado contra Jair Bolsonaro pode ser um ótimo início do combate ao crime organizado.

Amanda Acosta

Articulista e repórter
amanda@jornaldacidadeonline.com.br

Efeito Bolsonaro: Polícia mata 10 bandidos em dois dias e população aprova


Sábado, 08 de Dezembro de 2018


Em dois dias, a Brigada Militar do Rio Grande do Sul matou dez bandidos, todos eles assaltantes de banco, envolvidos num duplo assalto que aterrorizou a pequena cidade de Ibiraiaras, localizada na região norte do estado, com cerca de 8 mil habitantes.

A façanha foi aplaudida pela população e os policiais foram saudados como verdadeiros heróis.

O detalhe pernóstico é de que todos os bandidos participantes dos crimes tinham antecedentes criminais e deveriam estar presos.

A quadrilha obrigou reféns a formarem um cordão humano para que empreendesse fuga. Na sequência a Polícia saiu na captura e logrou êxito.

Rodrigo Mocelin da Silva, um dos reféns, também foi morto, infelizmente.

da Redação

Fonte: Jornal da Cidade Online

PMs que salvaram idosa feita refém são condecorados

Sábado de dezembro de 2018


Um caso recente chocou o Brasil.

As cenas de um bandido usando uma idosa como escudo deixaram qualquer brasileiro de bem indignado.

Felizmente a história terminou bem – exceto para o criminoso – e os responsáveis foram homenageados.

A condecoração foi feita pelo Comandante do 10º Batalhão de Polícia Militar, o Tenente Coronel M. Teixeira, nada sede do próprio batalhão.

Tereza de Jesus Ferreira Sacramento, a senhora que foi salva pelos bravos policiais, voltou a encontrar seus protetores na ocasião de uma visita da corporação e recebeu um buque de flores.


Informação do Renova Mídia.

Fonte: News Atual

Ana Amélia denuncia pilantragem de Gleisi e destrói argumentação de Grazziotin (Veja o Vídeo)

A senadora Gleisi Hoffmann é realmente de um lastimável mau-caratismo. Uma pessoa de uma enorme pequenez.

O novo governo sequer tomou posse, e a presidente do PT já trabalha insanamente pelo insucesso da gestão. Noutras palavras, age sorrateiramente contra o país.

A atitude de Gleisi foi denunciada da tribuna pela destemida senadora Ana Amélia.

Na oportunidade, a comunista Vanessa Grazziotin, derrotada no último pleito, ousou sair em defesa da petista e do presidiário Lula. Foi destruída.

Veja o Vídeo:
Via: Jornal da Cidade Online

Em carta, Lula ataca Bolsonaro: ‘só ganhou porque não concorreu contra mim’

Sábado, 08 de dezembro de 2018


Proibido de dar entrevistas pessoalmente ou por telefone, petista usou carta para responder perguntas da emissora britânica BBC.

Nesta quinta-feira, dia 6, a emissora britânica BBC publicou uma carta atribuída ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Mesmo retido na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, o petista enviou dizeres sobre o futuro ministro da Justiça, Sergio Moro, e o Governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro.

Lula, que está preso desde o dia 7 de abril pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, acusou Moro ao apontar que o ex-juiz teria agido politicamente durante o processo que desencadeou sua condenação.

O petista sinalizou que Moro foi o responsável por tirá-lo da campanha presidencial e ainda citou Bolsonaro.

O líder do PT foi claro: “Bolsonaro só ganhou porque não concorreu contra mim”.

O presidente eleito venceu as eleições presidenciais na concorrência do segundo turno com o petista Fernando Haddad.

Outro ponto que Lula “desabafou” foi a aceitação de Moro ao cargo de ministro no próximo governo. Para o petista, Moro se beneficiou e não teria feito Justiça, mas política.

Lula está impedido pela Justiça de conceder entrevistas, seja pessoalmente ou por telefone.

No entanto, através de carta respondeu perguntas realizadas pelo jornalista brasileiro Kennedy Alencar. Segundo a emissora, as respostas às perguntas serão utilizadas em um documentário.

Lula preso

O petista foi condenado por Moro na primeira instância. Na época, Moro estabeleceu a sentença de 9 anos e seis meses de cadeia. Entretanto, com decisão da segunda instância, teve a pena aumentada para 12 anos e um mês.

Lula foi condenado em processo envolvendo um tríplex em Guarujá.

Com a decisão de Moro em assumir futuro ministério, os processos envolvendo Lula estão nas mãos da juíza Gabriela Hardt, da 13° Vara Federal de Curitiba. Recentemente o petista prestou depoimento em novo processo do qual é réu, sobre reformas em um sítio em Atibaia, no interior de São Paulo.

Embate com Moro

Lula tenta provar inocência na Justiça. Com isso, enfatizou, no último dia 30, em carta enviada para a Direção Nacional do PT, que o ex-juiz Moro “saiu do armário”.

Agora, o petista acredita que continuará, segundo ele, sendo “perseguido” pela Justiça.

Com Moro no futuro ministério, Lula disse o seguinte: “eu não tenho dúvida de que a máquina do Ministério da Justiça vai aprofundar a perseguição ao PT e aos movimentos sociais”.

Além do mais, disse que o foco do presidente eleito é “atacar o PT”.

Lula está preso na carceragem da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, Paraná.

Via: Blastingnews / News Atual

ANAMAGES entrevista João Rebouças, presidente eleito do TJRN

Sexta, 08 de dezembro de 2018 


Desembargador João Rebouças, presidente eleito do TJRN (Foto: Reprodução/ANAMAGES)

No dia 31 de outubro, o desembargador João Rebouças foi eleito para comandar o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte (TJRN) no biênio 2019-2020. Conforme afirmou em entrevista à ANAMAGES, terá como meta principal de sua gestão a melhoria na prestação jurisdicional.

Reconhecido pela eficiência – ganhou destaque recentemente em relatório de correição realizada pela Corregedoria Nacional de Justiça (CNJ) pela eficiência de seu gabinete e receptividade apontada pelos advogados –, o novo presidente eleito assegura que vai buscar ampliar a prestação jurisdicional em todas as unidades do Judiciário potiguar.

Recentemente, o desembargador João Rebouças foi homenageado pela Câmara Municipal de Natal. Ele e os colegas desembargadores Expedito Ferreira, Virgílio Macêdo Júnior, Dilermando Mota, Amaury Moura, Cornélio Alves e Cláudio Santos da Câmara foram agraciados com a comenda do Mérito Legislativo pelos relevantes serviços prestados à cidade de Natal.


Desembargador João Rebouças entre os vereadores Raniere Barbosa e Luiz Almir, da Câmara Municipal de Natal (Foto: Juri News)

Ao parabenizar o desembargador João Rebouças pelo feito, o presidente da ANAMAGES, Juiz de Direito Magid Nauef Láuar, estimou uma gestão bem-sucedida à nova composição do Poder Judiciário do Rio Grande do Norte, e externou apoio em nome da Magistratura Estadual ao novo presidente da corte.

A posse dos novos dirigentes acontecerá no dia 7 de janeiro de 2019, no Centro de Convenções de Natal.

Confira a entrevista do desembargador João Rebouças, novo presidente eleito do TJ-RN, à ANAMAGES:

Como o senhor recebeu a indicação como novo presidente do TJ-RN pelos colegas desembargadores?

JR: Recebi com imensa alegria e gratidão a minha eleição por aclamação dos meus pares, o que aumenta ainda mais a responsabilidade na condução do Tribunal de Justiça potiguar. Farei o possível para corresponder à expectativa da magistratura, dos servidores e dos jurisdicionados do Estado do Rio Grande do Norte.

Quais são os planos para o mandato, que diretrizes pretende continuar seguindo?

JR: A principal meta administrativa será a constante busca pela melhoria da prestação jurisdicional. Não mediremos esforços para, junto aos Magistrados e servidores, além da OAB/RN, da Defensoria Pública, das Procuradorias do Estado e dos Municípios e do Ministério Público Estadual, estimular o julgamento mais célere de processos, como forma de darmos uma resposta à sociedade, que efetivamente é quem nos paga para julgar.

Sem dúvida e da mesma forma, vamos dar continuidade aos projetos bem-sucedidos e iniciados pelas administrações que me antecederam.

Quais são os principais desafios que o senhor vai enfrentar para construir um Judiciário mais forte, produtivo e eficiente?

JR: Na quadra atual em que vive o Brasil, e o Rio Grande do Norte não é diferente, quando pensamos no déficit público, devemos ter em mente que é preciso fazer muito, com menos. Ter transparência e eficiência na condução da coisa pública, fazendo o possível para que os julgamentos dos processos sejam úteis, isto é, quando ainda de interesse das partes, pois não tem sentido uma decisão após o falecimento da parte interessada ou após a destruição do bem que se pretende reaver pela via judicial.

Qual a avaliação do senhor em relação ao papel da Justiça no cenário atual brasileiro, o clamor de parte da sociedade por punições tem influenciado o modo como o juiz julga?

JR: A intromissão do Poder Judiciário, principalmente nos serviços públicos, decorre da ineficiência dos respectivos gestores. Sabemos que o Poder Judiciário constantemente vem sendo instigado para se manifestar sobre temas que no passado não costumava tratar. A sociedade organizada e com acesso às redes sociais tem se manifestado algumas vezes positivamente outras negativamente sobre determinados julgamentos.

Imagino que o julgador deve decidir interpretando a Carta Magna e as leis, em harmonia com o sentimento social e os princípios gerais de Direito.

Qual a sua opinião em relação às manifestações dos Magistrados nas redes sociais e nas entrevistas concedidas para a imprensa?

JR: O Magistrado sempre deve ser cauteloso em suas manifestações nas redes sociais, principalmente após a Recomendação expedida pela CNJ. Sabemos que o Magistrado normalmente não é uma pessoa anônima e quase sempre é uma das referências na Comarca em que atua, principalmente nas localizadas no interior dos estados.

Como o senhor avalia a atuação das entidades representativas da magistratura, como a ANAMAGES, no cenário nacional?

JR: Vislumbro como algo imensamente positivo, pois se dedicam a fortalecer a independência do Poder Judiciário, sempre tendo como norte o diálogo e o bom-senso amparados pela Constituição Federal, além de colaborarem para o aprimoramento da prestação jurisdicional. A ANAMAGES, com muita proficiência, tem sempre defendido as prerrogativas e independência da magistratura estadual.

Fonte: Portal da Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (ANAMAGES)

Fonte: Costa Branca News

O dissimulado espanto de Gleisi com as declarações de Palocci

Sábado, 08 de Dezembro de 2018


Gleisi Hoffmann é mais uma vez exemplo do quanto o PT é infame e incorrigível.

A qualificação e o valor probante de um depoimento como o de Antonio Palocci deve no mínimo ser respeitado.

Ora, Palocci foi o todo poderoso ministro da Fazenda de Lula, durante três anos consecutivos. Só saiu em função de um escândalo político, mas sabidamente continuou prestigiado. Depois retornou, igualmente forte, como ministro-chefe da Casa Civil de Dilma.

Sempre foi poderosíssimo nos governos petistas. Isto é público e notório.

Assim, tentar desqualificar o que diz Palocci, com frases de efeito no Twitter, é menosprezar a inteligência do povo brasileiro, das pessoas de bem.

Gleisi, em mais uma flagrante pilantragem, postou o seguinte:

“Inacreditável esse depoimento do Palocci. Acusa Lula porque prorrogou um programa do Fernando Henrique Cardoso que dava incentivos fiscais à indústria automobilística para se instalar nas regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste, tudo devidamente aprovado pelo Congresso. É muito falso.”


Não Gleisi. A acusação não é esta.

Palocci não acusa Lula de ter prorrogado um programa de FHC. Palocci afirma que Lula recebeu PROPINA para prorrogar o tal programa.

Quer que desenhe?

da Redação

Fonte: Jornal da Cidade Online

A linguagem dos generais de Jair Bolsonaro

Sábado, 08 de Dezembro de 2018


Para se fazer uma análise isenta e equilibrada do que vem por aí faz-se necessário entender a linguagem dos generais que integram o grupo de confiança do presidente eleito, Jair Bolsonaro. A princípio, não teremos um governo militar: tudo vai depender da classe politica, cujos líderes –p elo menos os mais importantes -, ou estão presos ou respondem a processos por corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Se a classe política (leia-se o Congresso), tentar inviabilizar o novo governo, ninguém poderá garantir o que virá.Daí não ser sem razão a aproximação do presidente eleito com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o único que pode garantir ou contestar qualquer medida extraordinária capaz de alterar o processo democrático brasileiro até agora existente.

A coordenação dos trabalhos do novo governo está a cargo do general Augusto Heleno, primeiro comandante da Força de Paz no Haiti. Ex-professor do presidente eleito na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), a relação entre os dois, segundo um general da ativa, “é de pai para filho”. Comedido e estudioso, Heleno sempre defendeu o movimento militar de 1964. Questionado sobre o que tinha a dizer sobre direitos humanos, respondeu que “direitos humanos é para humanos direitos”.

Outro que não fica atrás é o general Mourão, eleito vice-presidente. Durante a campanha, sem medo de parecer politicamente incorreto, afirmou que o Brasil “herdou a cultura de privilégios dos ibéricos, a indolência dos indígenas e a malandragem dos africanos”. Não contente, avisou: “Não serei um vice-presidente figurativo”.

O grupo é integrado por outros generais, como Oswaldo Ferreira, Aléssio Ribeiro Souto e Carlos Alberto Santos Cruz, que comandou a Força de Paz no Haiti e no Congo. Este último será o futuro chefe da Secretaria de Governo, um dos dois cargos mais importantes na estrutura da Presidência da República. Caberá a ele gerenciar os ministérios e fazer a interlocução do futuro governo com os grupos da sociedade civil.

A Marinha também estará presente com o seu atual diretor-geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico, almirante Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior, que vai para a pasta de Minas e Energia. Todos estão imbuídos do propósito de erradicar de vez a herança maldita deixada pelo PT, notadamente quanto ao viés ideológico que sustenta as ditaduras de Cuba e Venezuela.

O que talvez seja necessário esclarecer, até para acabar com a imagem de que militar no governo é sinônimo de ditadura, é que a maioria deles defende a democracia, mas não aceita, em hipótese nenhuma, a anarquia nem a corrupção como um dos princípios fundamentais da nossa administração pública.Os militares brasileiros estudam, têm escolas próprias e aprendem a planejar suas ações visando a defesa de nossa soberania. Além disso, desenvolvem projetos sociais para o atendimento de nossa população carente e prestam relevantes serviços aos índios e às populações ribeirinhas, nos mais longínquos rincões do país. Isso significa que dos quartéis não saem apenas fuzis ou canhões; saem também idéias, que, no dizer de Leonardo Trevisan, têm inegável importância na vida dos brasileiros.



Nosso povo não deve se preocupar com a presença dos militares no governo. Quem deve se preocupar é a classe política, principalmente os que têm como único propósito o enriquecimento pessoal às custas da nação.

Essa gente precisa compreender a linguagem dos generais, pois eles sempre costumam avisar com antecedência o que pode acontecer quando alguém não consegue entender a mensagem.

Luiz Holanda

Advogado e professor universitário

Zanin, em audiência, desesperadamente tenta impedir Palocci de falar (Veja o Vídeo)

Sábado, 08 de Dezembro de 2018


O depoimento prestado nesta quinta-feira (6) pelo ex-ministro Antonio Palocci Filho, como já exaustivamente divulgado pela imprensa, foi devastador no sentido de incriminar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o seu filho Luís Cláudio Lula da Silva, o Luleco.

De todo modo, mais uma vez o abobalhado advogado Cristiano Zanin, pateticamente, tentou impedir a testemunha de contar a verdade.

Exatamente no momento em que Antonio Palocci fazia a narrativa de seu encontro com Luleco, Zanin tentou interrompê-lo e assim impedir que contasse os detalhes dos fatos.

O advogado, além de desagradável e impertinente, é tremendamente inábil em suas intervenções.

Efetivamente, não sabe advogar, não entende do metiê e é pouco inteligente.

Mais uma vez se deu mal, na sequência o magistrado assegurou a palavra da testemunha.

Veja o vídeo:
da Redação

Dória põe FHC pra fora do ninho tucano

Sábado, 08 de Dezembro de 2018


O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso praticamente foi convidado a deixar o PSDB.

Há poucos dias, FHC declarou que deixaria o partido caso houvesse algum tipo de inclinação de apoio ao governo de Jair Bolsonaro.

Pois bem, João Dória Júnior, governador eleito de São Paulo, a maior liderança do partido na atualidade, anunciou nesta sexta-feira (7) que o “novo PSDB” deverá apoiar as propostas apresentadas por Jair Bolsonaro.

Por outro lado, durante a semana, o presidente eleito Jair Bolsonaro teve uma reunião com a nova bancada tucana. O resultado foi extremamente produtivo. Todos saíram satisfeitíssimos.

O recado foi dado.

FHC já pode afivelar as malas e partir...

da Redação

Fonte: Jornal da cidade Online

Jurista Modesto Carvalhosa propõe o impeachment de Lewandowski (Veja o Vídeo)

Sábado, 08 de Dezembro de 2018


Um pedido de impeachment de peso está sendo proposto nesta sexta-feira (7) pelo renomado jurista Modesto Carvalhosa.

A nova formação do Senado Federal deverá analisar a questão.

Assim, para o próximo ano teremos 9 pedidos de impeachment contra Gilmar Mendes, que foram engavetados pelo atual presidente da casa, e mais este contra o temperamental Ricardo Lewandowski.

Carvalhosa explicou que a motivação para tal medida tem como fundamento o abuso de autoridade, pelo fato do ministro ter mandado um técnico judiciário, que não é uma autoridade policial, prender o advogado Cristiano Caiado de Acioli, sem qualquer motivação.

Para o jurista o STF perdeu a sua boa reputação e efetivamente a população brasileira considera o tribunal “uma vergonha”.

Veja o Vídeo:
da RedaçãoFonte: Jornal da Cidade Online

Decisão da Petrobras de vender 34 campos terrestres no RN é suspensa por liminar

Sábado, 08 de Dezembro de 2018

A decisão do Conselho de Administração da estatal Petrobras de aprovar a venda de 34 campos de petróleo terrestres no Rio Grande do Norte foi suspensa por uma liminar da Justiça do Trabalho nesta sexta-feira, segundo decisão vista pela Reuters.

Os campos haviam sido negociados com a brasileira 3R Petroleum por 453,1 milhões de dólares, e a assinatura do contrato era prevista para esta sexta-feira, quando deveria ser pago à petroleira 7,5 por cento do valor total, com o restante programado para a data de fechamento da operação.

O movimento ocorre após ação movida por sindicatos de trabalhadores, que alegam que a reunião do Conselho que aprovou o negócio não contou com a participação do representante dos empregados no colegiado.

O juiz do trabalho Carlito Antônio da Cruz determinou ainda a suspensão provisória da assinatura do contrato de cessão dos campos pelo prazo mínimo de 90 dias.

Ele decidiu também que a Petrobras deverá se abster de convocar nova reunião do conselho sobre o negócio, “salvo se garantir a participação efetiva do representante dos trabalhadores”.

“A decisão judicial devolve aos trabalhadores a importância de sua participação nos espaços de deliberação e tomadas de decisões da empresa”, disseram à Reuters em nota os advogados Ramon Koelle, Felipe Vasconcellos e Rodrigo Salgado, da Advocacia Garcez, que representou os sindicatos no processo.

Procurada, a Petrobras não comentou de imediato.

Reuters

‘Nunca ninguém vai me ver envolvido com corrupção’, diz futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que diz não temer ‘canetada’

Sábado, 08 de dezembro de 2018


O futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, participa de evento com empresários, em São Paulo — Foto: Aloisio Mauricio/ FotoArena/Estadão Conteúdo

Investigado por suposto recebimento de caixa 2, o futuro ministro da Casa Civil, deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), afirmou nesta sexta-feira (7), em São Paulo, que nunca teve “nada a ver com corrupção” e que ninguém nunca vai vê-lo “envolvido com corrupção”.

Em uma entrevista coletiva concedida após encontro com empresários na capital paulista, o futuro ministro disse que não teme nada em relação às suspeitas de caixa 2.

“Eu sempre fui um combatente da corrupção. Nunca ninguém vai me ver envolvido com corrupção”, enfatizou aos repórteres. Em seu discurso com os empresário, ele pediu uma “trégua” à imprensa.

Onyx foi citado em depoimentos de acordo de delação premiado de executivos do grupo J&F. Delatores da holding dos irmãos Batista entregaram à Procuradoria-Geral da República (PGR) uma planilha que, segundo os colaboradores, comprova que o futuro ministro recebeu repasse de R$ 100 mil por meio de caixa 2 em 2012.

Em apuração prévia, a partir de delação premiada do grupo J&F, a PGR analisa se houve repasse de caixa dois a Onyx e a outros políticos. Ao final da apuração prévia é que o Ministério Público decidirá se abre inquérito ou arquiva o caso.

Na última terça (4), o ministro Luiz Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o fatiamento da delação de executivos do grupo J&F e mandou instaurar procedimentos individuais de apuração de citações a dez parlamentares nos depoimentos dos delatores, entre os quais Onyx.

“Agora, com a investigação autônoma, eu vou poder esclarecer isso tranquilamente [denúncia de caixa 2], porque eu nunca tive nada a ver com corrupção”, disse o parlamentar gaúcho, responsável pela transição do novo governo.

“A gente não pode querer ser hipócrita de querer misturar um financiamento e o não registro do recebimento de um amigo. Esse erro eu cometi e sou o único que teve coragem de reconhecer”, complementou o futuro ministro.

Caneta ‘Bic’

Onyx Lorenzoni também disse aos jornalistas nesta sexta que não tem medo de ser “canetado” pelo presidente eleito Jair Bolsonaro em razão de denúncias de caixa 2.

Na quarta-feira (5), ao ser questionado por repórteres sobre a autorização do STF para investigar o futuro ministro da Casa Civil, o presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou que vai “usar caneta” se houver “denúncia robusta” contra Onyx.

“Eu gosto tanto da caneta Bic dele que eu subscrevo a declaração dele [Jair Bolsonaro]”, ironizou o futuro chefe da Casa Civil.

No mesmo dia em que Bolsonaro deu o alerta para Onyx, o vice-presidente da República eleito, general Hamilton Mourão (PRTB), havia dito que é “óbvio” que Onyx “terá que se retirar do governo” caso seja comprovado o envolvimento do deputado em irregularidades.

“Uma vez que seja comprovado que houve a ilicitude é óbvio que o ministro Onyx, ele terá que se retirar do governo, mas por enquanto é uma investigação e ele prossegue aí com as tarefas dele. Nada mais do que isso”, disse Mourão em um evento em Belo Horizonte.

Motorista de Flávio Bolsonaro

Em meio à entrevista, Onyx Lorenzoni foi indagado pelos jornalistas sobre o relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que identificou operações suspeitas por um ex-motorista do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho de Jair Bolsonaro. Ao responder, o futuro ministro afirmou que o caso “seguramente será sepultado com a verdade”.

“A gente precisa saber separar o joio do trigo. Neste governo é trigo, não dá para achar que esse governo vai ser igual ao do PT. Não é e nunca vai ser. A turma do mal está do lado de lá. O problema é que a aliança ideológica que se construiu no Brasil faz com que vocês queiram misturar um governo decente, que está apenas no seu alvorecer, com a lambança que o PT fez por 14 anos”, declarou.

“O presidente [Bolsonaro] é um homem que não teme a verdade assim como eu não temo a verdade. A pergunta é onde que estava o cofre do mensalão”, acrescentou.

Quando questionado sobre a origem do dinheiro do motorista, Onyx disse que não é um investigador e devolveu a pergunta ao repórter: “Quanto o senhor recebeu esse mês? Essa pergunta não tem a menor relevância”, disse o futuro ministro, antes de se retirar da entrevista.

Reformas

Mais cedo, na conversa com empresários, Onyx Lorenzoni afirmou que o governo eleito deverá ter muita cautela na condução das reformas dentro do Congresso Nacional a partir do próximo ano. Ele destacou ainda que o esforço que o governo terá que fazer para alcançar o equilíbrio fiscal será “gigantesco” e que reformas, como a da Previdência, serão feitas pela próxima gestão.

“Temos que saber que teremos uma maratona de quatro anos pela frente, e não uma corrida de 100 metros”, observou o futuro ministro da Casa Civil ao comentar dúvidas dos convidados em torno da governabilidade do governo Bolsonaro.

Onyx acrescentou que maiores detalhes sobre reformas, como a tributária, ficam por conta de seu “guru”, o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, que não compareceu ao evento por conta de uma gripe.

O futuro chefe da Casa Civil também destacou que o governo eleito precisa da oposição. “Ela é o contrapeso da vida democrática. A oposição vai nos mostrar quando a gente erra e a gente corrige, porque humildade o governo de Bolsonaro tem.”

G1

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055