martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

quinta-feira, 13 de maio de 2021

Turismo brasileiro perde R$ 341 bilhões com pandemia

 


Foto: Reprodução

Diretamente afetado pelo isolamento social, o turismo brasileiro já acumula prejuízo de R$ 341,1 bilhões na pandemia. A estimativa, da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), considera o período de março de 2020 a abril de 2021 e é feita a partir de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) e de fluxos de passageiros e aeronaves nos 16 principais aeroportos do país.

O setor de turismo se encontra 44% abaixo do patamar de fevereiro de 2020, antes do início da pandemia no país, quadro pior que outros setores da economia, como serviços em geral (-2,8%), varejo (-0,3%) e indústria (0%).

“De longe o turismo é o setor mais afetado pela pandemia. Ele envolve naturalmente aglomerações, como aeroportos, rodoviárias, hotéis, bares, restaurantes… A situação é muito pior que os serviços como um todo, o comércio ou a indústria”, afirma o economista sênior da CNC Fabio Bentes.

Mais da metade do prejuízo de R$ 341,1 bilhões (52,6%) está concentrado em São Paulo (R$ 137,7 bilhões) e no Rio de Janeiro (R$ 41,7 bilhões). Pelas contas da CNC, os serviços turísticos operavam, em março de 2021, com 61,4% do potencial mensal de geração de receitas, nível inferior ao de dezembro (63,8%). O número está acima da primeira onda da pandemia – 29,8% em abril e 32% em maio de 2020 -, mas distante do que é o potencial do setor.

A expectativa da CNC é de melhora da atividade turística nos próximos meses, com a flexibilização mais recente e o avanço da vacinação, ainda que lento e com interrupção em diversas regiões do país. O cenário, no entanto, é de uma recuperação total muito distante, apenas no fim de 2022.

“O setor de turismo ainda está muito distante da geração plena de receita frente ao período pré-pandemia e acredito que essa recuperação só vai ocorrer no fim de 2022. A situação ainda é muito preocupante para o turismo”, diz.

Parte da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o índice de atividades turísticas caiu 36,6% em 2020. A projeção da CNC é de alta de 18,2% em 2021, ou seja, apesar de ganho expressivo, não compensa a perda do ano passado.

O indicador avançou entre maio de 2020 e fevereiro de 2021, com expansão acumulada de 127,2%. Só que em março caiu 22%, frente fevereiro, com o aumento das restrições por causa da segunda onda da pandemia. Foi o pior desempenho desde abril de 2020 (-54,5%). Para recuperar o patamar pré-pandemia, é necessária alta de 78,7%.

Gerente da PMS, Rodrigo Lobo destaca que o comportamento do índice de atividades turísticas é um exemplo do impacto da piora da pandemia nos serviços de caráter presencial em março. “O índice é um bom termômetro de como anda a parte de serviços de caráter presencial. Há quedas importantes vindas de restaurantes, de hotéis, de transporte aéreo, de transporte rodoviário coletivo, de serviço de buffet”, diz.

Valor

OPINIÃO DOS LEITORES

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055