martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

sábado, 11 de junho de 2022

Parlamentar do PT suspeito de envolvimento com PCC... Por que não estou surpreso?

 Sábado, 11 de Junho de 2022

Existem duas áreas muito rentáveis e perigosas de se trabalhar na Grande São Paulo: a limpeza e transbordo de lixo urbano e o transporte de passageiros – vários empresários e sindicalistas dessas áreas já foram assassinados. O caso mais emblemático foi o do prefeito petista de Santo André, Celso Daniel que à época acumulava as funções de coordenador da campanha presidencial de Lula. Na raiz daquele crime estava a corrupção envolvendo empresas de ônibus de transporte urbano.

Dessa vez é o vereador Senival Moura (PT) que é investigado por suspeita de envolvimento na morte de um ex-diretor da empresa de ônibus Transunião, que possui contrato com a Prefeitura de São Paulo para operar 50 linhas na capital. O parlamentar nega a acusação.

Nesta quinta-feira (9), a Polícia Civil fez uma operação contra responsáveis da companhia. Eles são suspeitos de homicídio, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Treze ônibus da Transunião foram apreendidos e levados para  a sede do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

O ponto de partida da investigação foi o assassinato de Adauto Soares Jorge, ex-diretor financeiro da Transunião. O crime aconteceu no estacionamento de uma padaria no bairro do Lajeado, na Zona Leste, em março de 2020. A apuração dos policiais indica que Adauto seria "testa de ferro" do vereador Senival Moura na direção da empresa, que seria utilizada para a lavagem de dinheiro de membros do PCC (Primeiro Comando da Capital).

Nesta quinta, policiais prenderam o principal suspeito do assassinato. Jair Ramos de Freitas, conhecido como "Cachorrão", que foi apontado pela polícia como o autor dos disparos. No dia do crime, a vítima foi levada por Devanil Souza Nascimento, conhecido como "Sapo" - motorista do vereador - para a padaria. Denival Sousa Nascimento também foi preso.

E o PT não pode alegar que ‘não sabia’ das ligações de Senival com o PCC. Porque em 2014, um irmão de Senival – o então deputado estadual pelo PT, Luiz Moura, foi expulso do partido por participar de uma reunião com líderes do PCC. O detalhe é que na época Senival já era investigado pela Polícia Civil e o Ministério Público de SP. Questionado, em 2014, sobre a não expulsão de Senival do PT, o então presidente estadual do partido, Emídio de Souza, respondeu assim a reportagem do UOL:

– Não tem nada a ver uma coisa com outra. Senival é sócio de uma cooperativa. Não há elementos contra ele. O (deputado) Luiz Moura foi acusado de participar de uma reunião com o PCC. O tempo passou e ficou provado que tinha sim a ver uma coisa com outra.

O Brasil tem 33 partidos políticos, você já ouviu falar de outro partido que tivesse ligações tão recorrentes com uma facção criminosa? Nunca ficou tão claro o diálogo tido entre líderes do PCC presos, gravado pela Polícia Federal em agosto de 2019. Ouçam as palavras de Elias o Véio, um dos líderes da facção criminosa:

- Ele começou a atrasar quando foi para cima do PT. Pra você ver, o PT com nóis tinha diálogo. O PT tinha diálogo com nóis cabuloso, mano, porque… situação que nem dá para nóis ficarmos conversando a caminhada aqui pelo telefone. Mas o PT, ele tinha uma linha de diálogo      com nóis cabuloso, mano”. 

Realmente as relações do PT e do PCC são cabulosas.

Foto de Eduardo Negrão

Eduardo Negrão

Consultor político e autor de "Terrorismo Global" e "México pecado ao sul do Rio Grande" ambos pela Scortecci Editora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055