martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

sábado, 11 de junho de 2022

EDITORIAL ESTADÃO: Lula quer imprensa encabrestada. Petista defende que veículos de comunicação não sejam livres para publicar o que bem entendem



Foto: WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO

O PT é obcecado pela ideia de uma imprensa encabrestada. O partido jamais lidou bem com a liberdade – assegurada pela Constituição – que permitiu ao jornalismo profissional e independente revelar ao País os muitos erros administrativos e os crimes cometidos por seus próceres e apaniguados ao longo dos 14 anos em que esteve no poder. Se durante todo esse tempo o PT não conseguiu moldar a imprensa à sua maneira, que fique claro que não foi por convicção democrática, mas sim por falta de apoio na sociedade e no Congresso. Fosse a imprensa “regulada” àquela época, talvez os brasileiros não tivessem tomado conhecimento de esquemas como o mensalão e o petrolão, apenas para citar dois grandes marcos da passagem do PT pela administração federal. Ao menos não com a extensão e a riqueza de detalhes com que esses escândalos ganharam a luz do dia.

A campanha eleitoral de 2022 trouxe o tema novamente ao debate público. Em entrevista ao portal Metrópoles, no dia 8 passado, Lula da Silva, atual líder nas pesquisas de intenção de voto para a Presidência da República, tornou a ameaçar o País com um projeto de “regulação da mídia” caso vença a eleição em outubro. Todo mundo sabe muito bem do que se trata quando o ex-presidente fala em “regulação da mídia”: um eufemismo pouco sutil para a sujeição dos meios de comunicação ao tacão estatal.

“Ninguém quer censura”, disse Lula. “O que a gente quer”, prosseguiu o petista, “é que os meios de comunicação sejam efetivamente democratizados, que as pessoas possam ouvir a oposição, que tenha sempre o outro lado falando. Não pode ser um meio de comunicação que fala só um lado.”

É um tanto peculiar essa ideia que Lula faz de “democratização” dos meios de comunicação. Ora, nos regimes democráticos as empresas de comunicação são totalmente livres para decidir o que e como publicar, e há múltiplos veículos de comunicação, que, a depender de seus valores e interesses empresariais, abordam os fatos sob diferentes ângulos. A escolha do “lado”, como disse Lula, que essas empresas decidem focalizar, tanto em coberturas jornalísticas como em editoriais ou artigos de opinião, é uma decisão legítima que diz respeito única e exclusivamente ao veículo e à sua audiência, não ao governo de turno. Não é concebível, numa democracia, que um veículo de comunicação tenha que tomar suas decisões editoriais não conforme os padrões jornalísticos, e sim segundo um modelo estatal de “equilíbrio editorial”.

Ademais, já há limites, éticos e legais para o trabalho dos veículos de comunicação profissionais e independentes. Os jornalistas profissionais são responsáveis pelo que publicam, e as empresas jornalísticas podem ser contestadas na Justiça e ter de responder por eventuais erros ou crimes contra a honra cometidos por seus funcionários. Logo, se Lula, de fato, estivesse preocupado com uma “regulação da mídia que interesse à sociedade”, nem deveria pugnar pela proposta. Os interesses da sociedade já são resguardados pelas leis e pela Constituição. O que Lula quer é outra coisa. Quer subjugar veículos para que deixem de publicar o que ele não quer que seja publicado.

O petista ainda afirmou que as mídias sociais digitais não podem “permitir que mentiras, inverdades, grosserias e ofensas façam parte da cultura brasileira”. É legítima a cobrança por maior responsabilização das chamadas big techs, mas Lula não é o mais indicado para encampar essa agenda. Há quem não se lembre, mas foi o PT que alçou a destruição de reputações por meio das redes sociais à categoria de arma política. O 4.º Congresso do PT, em 2011, marcado por ataques à imprensa, decidiu criar um núcleo de treinamento para a militância nas redes sociais, o que ajudou a abrir esse bueiro do qual saíram extremistas que hoje atacam adversários e turvam o debate público por meio de mentiras e distorções da realidade.

No ideal de uma imprensa subserviente e aduladora e na hostilidade que estimulam contra os jornalistas que ousam publicar o que não lhes convém, Lula e o presidente Jair Bolsonaro são irmãos siameses.

Estadão Conteúdo

OPINIÃO DOS LEITORES

  1. Existe regulação da mídia nos EUA, na Inglaterra, no Canadá, etc. Não tem nada a ver com censura. O Estadão só quer mesmo desinformar e com os Bolsominions não dá para debater, pois têm o cognitivo limitado!

  2. Eu Muitos PATRIOTAS BRASILEIROS Conhecemos Essa Coja Que Só Sabem Falar Em Liberdade De Imprensa, Democracia, Fome, Pobres,Negros E Índios, Obs É Essa A Classe Social Que ELES Defende , Porque Essa Classe Social São Mais Fácil De Enganar, Obs São Esses Políticos Mitirosos Que Estão Sendo Protegidos Pela Uma Grande Parte Da Mídia Só Assim Fica Fácil De Escravizar A Pobreza

  3. Pois é. E ainda tem jornalistas, blogueiros, apresentadores de televisão que apoiam o 9 dedos, inclusive aqui, em Natal. Triste.

  4. Pelo amor de Deus! Regulação da mídia não tem nada a ver com censura! Isso existe em outros paises como EUA, Canadá, Reino Unido. Não é nenhuma novidade. Vou repetir : nenhum presidente vai implementar censura na imprensa, mesmo que queira. Isso é página virada no Brasil. Os últimos que fizeram isso foram a turma lá dá década de 60.
    Isso não passa de cortina de fumaça p desviar o foco dos problemas verdadeiros que nós temos.

    1. O seu ladrão de estimação vai estar em natal na quinta feira, organiza uma motociata e vê quantas pessoas irão participar

    2. Vixe Maurício pensei que você ia argumentar! Mas aí é pedir muito né?
      Tá enganado amigo! O seu é que vai estar aqui no dia seguinte! Já tá preparado p seguir o som do berrante gado véio ?

    3. O Lula quer implantar a Censura igual: China, Venezuela, Cuba, Nicaragua e por aí vai. Nem Lula nem Bolsonaro!

  5. Engraçado que as pessoas que comentam aqui são Marias vão com as outras, sempre do lado do Bolsonarista e antiPT responsável pelo blog.

    1. Mais quem falou em “regular midia” fou o marginal de nove dedos não foi nenhum bolsonarista. Comente apenas a fala do chefe da quadrilha que tu, pelo visto, defende.

  6. Não li uma linha sequer da imprensa marrom brasileira sobre essa matéria que esse ditador está divulgando aos berros que vai adotar caso seja eleito, ele quer que viremos uma Venezuela, uma Cuba, uma Nicarágua ou uma Argentina quebrada economicamente por um governo socialista. Se uma notícia dessa saísse da boca do presidente de todos os brasileiros Jair Bolsonaro, o país estava pegando fogo.

  7. Vamos botar um cabresto nesse jumento, colocar uma cangalha, uma rabichola, um par de esporas, um bom chicote de três pontas e botar ele pra correr

  8. Se preocupa Jr, esse ladrão vai querer decidir até o que será família caso ele ganhe, acorda pra vida e se liga no que LULA já fez com o país e as estatais, todas falidas. LULA JÁ ERA.

    1. Lula quer encabrestar a imprensa, Bolsonaro, o TSE, e o povo na miséria com Bolsonaro e luladrão despejando bilhões roubados nas mãos dos empresários desonestos, e da alta cúpula desses governos

  9. Kkkkkkkk
    Regulação existe em vários países. Nenhum presidente, seja quem for, irá implementar censura a imprensa.
    Não adianta o Estadão espernear com esse blá blá blá blá!

    1. Vai pra cuba! Lá você se é implementado ou não. Qual é o regime de governo de Cuba? O mesmo do maior ladrão da política brasileira, que muitos retardados acham que provou ser inocente.

    2. Deixa de ser burro Junin, primeiro ele cala os meios de comunicação, depois ele vai por um pano ou bridão na sua boca, isso é comum (verdade) em alguns países, e exemplo de China, Rússia, Cuba, Venezuela, Coreia do Norte e outros menos cotados.

    3. Toto asno ! Isso não existe. Regulação da mídia existe em países democráticos como os EUA, por exemplo. Essa ideia só mesmo na cabeça do gado véio sem noção, burro e ignorante!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055