martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

sábado, 21 de agosto de 2021

Presidente afastado da CBF é alvo de nova acusação de assédio sexual

 Sábado, 21 de Agosto de 2021

Foto: Lucas Figueiredo/CBF

A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) recebeu mais uma acusação de assédio sexual contra o presidente afastado da entidade, Rogério Caboclo. Uma ex-funcionária afirma ter sido agredida física e psicologicamente pelo dirigente. Ele nega as acusações.

Essa é a 2ª denúncia de assédio sexual contra o presidente afastado da CBF. Em 4 de junho, uma funcionária acusou Caboclo de assédio moral e sexual. Em julho, uma 2ª mulher disse ter sido vítima de assédio sexual e moral durante a investigação interna da denúncia, mas não há informações de que essa suposta vítima tenha feito uma denúncia.

Segundo a ex-funcionária, Caboclo tentou agarrá-la à força. Em jantares profissionais, ele também teria tentado abraçá-la e beijá-la. As informações são do Globo Esporte, que teve acesso ao documento com o relato dela.

A acusação foi encaminhada para a CBF na 4ª feira (18.ago.2021), anexada a uma notificação extrajudicial trabalhista. Os casos de assédio teriam ocorrido de 2017 a 2019, quando a funcionária deixou de trabalhar na entidade.

Foram muitas ocasiões. Ele tentou desde me pedir em casamento em sua sala enquanto Diretor Executivo de Gestão, à total insanidade com os assédios físicos os quais descrevo abaixo. Ele não aceitava não como resposta”, diz o relato da ex-funcionária.

Um dos episódios de assédio teria ocorrido em 18 de fevereiro, no apartamento de Caboclo, na Barra da Tijuca (RJ), durante uma reunião de trabalho. Segundo a ex-funcionária, o então presidente da CBF ofereceu vinho, o que ela negou. Ele então a deixou sozinha e voltou com o que parecia ser um shorts de banho.

Neste momento, Caboclo tentou beijar a então funcionária e puxou o cabelo dela para trás “com muita força”. Ela relata que pediu que ele parasse, mas ele continuou.

Ele então me pegou pelo pescoço contra [a] parede e forçou a sua mão entre as minhas pernas, tentando ao mesmo tempo enfiar a mão dentro da minha calcinha. Tentei revidar empurrando com o cotovelo e ele fez mais força no meu pescoço.

Ela conta também que logo depois chegou ao apartamento o secretário-geral da CBF, Walter Feldman, que também participaria da reunião. Ela teria contado a Feldman sobre a agressão, ao que ele teria respondido: “Entenda, todo gênio é um pouco louco”.

Feldman afirmou ao ge que sabia que Caboclo “constrangia” a funcionária, mas disse que nunca soube o que era esse constrangimento. “Este episódio no apartamento jamais me foi revelado. Soube lendo a matéria, o que me surpreendeu, pois nada testemunhei. A frase a mim atribuída está totalmente fora de contexto. Jamais responderia daquela maneira se este drama me fosse descrito”, afirma.

Em nota ao ge, a defesa de Caboclo negou “veementemente” a acusação. Segundo os advogados, a funcionária recebeu proposta de 2 diretores da CBF, Gilnei Botrel e Manoel Flores, para prejudicar Caboclo. Botrel e Flores negaram a acusação e afirmaram que essa é uma “estratégia diversionista” contra o grave novo relato. O advogado da ex-funcionária não respondeu.

Caboclo está impedido de exercer as suas funções desde 6 de junho, não somente no Brasil, mas em todos os países ligados à Fifa. Em 2 de julho o afastamento foi prorrogado por mais 60 dias.

Poder 360

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055