martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

sábado, 13 de março de 2021

Família de George Floyd será indenizada em US$ 27 milhões

Sábado, 13 de Março de 2021


Foto: reprodução/Instagram

A cidade de Minneapolis concordou nesta sexta-feira (12) em pagar US$ 27 milhões (cerca de R$ 150 milhões) de indenização para a família de George Floyd, morto em 25 de maio depois que o então policial Derek Chauvin apertou o joelho contra seu pescoço por cerca de nove minutos.

O Conselho Municipal de Minneapolis deixou o julgamento para anunciar que aprovaram por unanimidade o acordo recorde, que inclui US $ 500.000 (cerca de R$ 2,7 milhões) para melhoria da comunidade em torno do local que ficou conhecido como George Floyd Square, próxima ao local de morte do ex-segurança, na 38th St. com a Chicago Avenue.

O advogado da família Floyd, Ben Crump, convocou uma entrevista coletiva que incluiria membros da família. “A morte horrível de George Floyd, testemunhada por milhões de pessoas ao redor do mundo, desencadeou um anseio profundo e uma demanda inegável por justiça e mudança”, disse Crump em um comunicado, acrescentando que o acordo “envia uma mensagem poderosa de que a vida dos negros importa e a brutalidade da polícia contra pessoas de cor deve acabar.”

A morte de Floyd gerou protestos nos Estados Unidos e resultou em um movimento internacional contra a violência direcionada às pessoas negras, com apoio do “Black Lives Matter“.

“Espero que hoje centralize as vozes da família e qualquer coisa que eles gostariam de compartilhar”, disse a Presidente do Conselho, Lisa Bender. “Mas eu quero, em nome de toda a Câmara Municipal, oferecer minhas mais profundas condolências à família de George Floyd, seus amigos e toda a nossa comunidade que está de luto por sua perda.”

A família de Floyd entrou com o processo federal de direitos civis em julho contra a cidade, Chauvin e três outros policiais demitidos acusados ​​de sua morte. A alegação dizia que os policiais violaram os direitos de Floyd ao contê-lo e que a cidade permitiu que uma cultura de força excessiva, racismo e impunidade florescessem em sua força policial.

O julgamento do ex-policial branco Derek Chauvin, acusado de assassinar o afro-americano George Floyd, começou no dia 9 de março com a seleção dos primeiros jurados, nove meses após os fatos. Chauvin, que foi expulso da polícia, enfrenta duas acusações, uma por homicídio em segundo grau e outra por homicídio culposo.

Advogados de ambas as partes têm a difícil tarefa de encontrar jurados que não tenham uma postura definida sobre o caso ou não o conheçam.

Um possível júri foi descartado na sexta-feira, admitindo que tinha opinião negativa do réu. A mulher, recém-formada na faculdade, disse ter visto um vídeo da prisão de Floy feito por um transeunte e lido reportagens sobre o caso. Em resposta a um questionário, ela disse que tinha uma opinião “um tanto negativa” sobre Chauvin que manteve o joelho no pescoço de Floyd por muito tempo.

“Só vi uma parte do vídeo e, como ser humano, não me impressionou muito”, disse. Ela acrescentou que não podia ver o vídeo inteiro “porque não suportava ver mais”. Ela repetidamente alegou que poderia deixar de lado suas opiniões e tomar uma decisão com base nos fatos, mas o advogado de Chauvin, Eric Nelson, optou por rejeitá-la.

Com a escolha do júri em seu quarto dia (12.03), seis pessoas foram ouvidas – cinco homens e uma mulher. Três são brancos, um é multirracial, um é latino e um é negro, de acordo com o juiz do condado de Hennepin, Peter Cahill.

Vogue – Globo.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055