martins em pauta

terça-feira, 22 de janeiro de 2019

Facções continuam ordenando ataques criminosos no Ceará

Terça, 22 de Janeiro de 2019


Apesar do forte reforço policial e transferência de líderes das organizações criminosas para presídios federais, investigação da Polícia mostra que 'soldados do crime' ainda recebem ordens para realizar ataques.

As organizações criminosas continuam ordenando ataques contra o Poder Público e a propriedade privada no Ceará, apesar da "dura" resposta dada pelo Estado nas ruas, no sistema penitenciário e nas leis. O afastamento dos principais líderes das facções, até o momento, não impediu que 'soldados do crime' colocassem a própria vida em risco para executar tiroteios, incêndios e explosões.

No 19º dia da série de ataques, ontem, três criminosos incendiaram um caminhão, dentro do galpão de uma empresa de coleta de lixo, no Eusébio; e outros dois homens armados atearam fogo em uma topic, no bairro Jangurussu, em Fortaleza, mas as chamas logo foram debeladas por populares. Com estas ocorrências, o número de ações criminosas chegou a 219.

Em contrapartida, as Forças de Segurança já capturaram 400 suspeitos de envolvimento nos crimes. Prisões recentes mostram que as facções Comando Vermelho (CV) e Guardiões do Estado (GDE) insistem em confrontar o Estado e criminosos com papel de liderança ordenam os 'soldados do crime' a executarem as ações, conforme apurado pela reportagem.

Antônio Walison Martins Rocha, o 'Gugu', de 24 anos, preso na última quinta-feira (17) por suspeita de participação na explosão de uma ponte no bairro Bela Vista, na Capital, na noite anterior, reconheceu que é simpatizante do CV, apesar de negar a autoria do crime. No aparelho celular apreendido com ele, a Polícia localizou uma conversa, em uma rede social, entre o suspeito e outro homem sobre o uso de uma granada na ação criminosa.

Francisco Gervaldo Oliveira Celestino, o 'Valdo', 20, e Renan André de Oliveira, 19, presos também no dia 17, são suspeitos de participar de ao menos dois ataques em Fortaleza: contra uma estação de máquinas do Metrofor e contra um caminhão de coleta de lixo. As apurações policiais apontam que a dupla é simpatizante da GDE no bairro Parque Santa Rosa e as ordens para o grupo criminoso deste bairro partem de um detento apelidado de 'Zé Galinha'.

Respostas

O Estado reage às investidas criminosas em três frentes (legislação, ruas e presídios) e conseguiu uma acentuada redução de crimes, durante a última semana. Com novas leis, o Governo promoveu o retorno de militares da Reserva Remunerada à Ativa e criou um sistema de recompensas em dinheiro para denunciantes de ações criminosas.

Nas ruas, mais de 800 homens de tropas federais e de outros estados estão no Ceará para enfrentar a onda violenta, e outros podem chegar. "A vinda de reforços da Força Nacional ou de outros estados vai depender do desenvolvimento, para os próximos dias, relacionado com a presença do crime organizado no território cearense e os ataques que podem cometer. A cada 12 horas, há uma avaliação do Governo e de todas as Forças de Segurança do Estado e é produzido um relatório interno, onde é feita uma análise do que aconteceu e do planejamento das próximas 12 horas. As decisões são tomadas em cima dessas informações", revelou o secretário da Casa Civil, Élcio Batista, em entrevista ao Sistema Verdes Mares na última sexta-feira (18).

No sistema penitenciário, além de endurecer as regras, o Estado adotou a transferência de lideranças criminosas para presídios federais de segurança máxima. 39 chefes do Comando Vermelho e da GDE já foram recambiados. Conforme Élcio, se as autoridades julgarem necessário, mais detentos podem tomar o mesmo rumo. O Governo Federal disponibilizou 60 vagas no sistema penitenciário federal.


(Diário do Nordeste)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055