martins em pauta

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Mais Informações: Policial militar é executado com espingarda 12 na RN-117

Violência

Cabo Ildone: barbaridade (Foto: Web)

O policial militar de origem mossoroense, cabo Ildônio José da Silva, 43, morreu no início da noite desta desta quinta-feira (16). Ele foi executado durante arrastão promovido por vários bandidos.

Cerca de cinco elementos (ou mais) pararam ônibus que transportava estudantes na RN 117, entre Caraúbas e Governador Dix-sept Rosado. A abordagem foi em área da comunidade rural do Livramento.

Relatos em áudios que percorrem as redes sociais descrevem uma morte bárbara. Ele teve a cabeça estourada à bala de espingarda 12 já fora do veículo.

Armado com pistola, Ildônio tentou enfrentar os marginais, mas foi aconselhado a não resistir.

O cabo foi morto fora do veículo, depois de ser insultado e agredido fisicamente. Ficou com corpo baleado e partes de sua cabeça espalhadas ao chão, por onde demais passageiros foram obrigados a passar.

“Foi Horrível, horrível!”

Segundo um dos depoimentos em áudio, o policial estava sentado num dos últimos assentos do veículo. Ouviu tiros e percebeu o ônibus parando com o cerco dos bandidos. Levantou-se com pistola à mão e caminhou armado pelo corredor até a parte mais frontal, orientando que todos se baixassem. Mas percebeu que eram vários elementos.

Pressionado por passageiros, que alertaram da impossibilidade de confronto por ele estar em desvantagem, o policial retornou ao assento em que estava e pediu para uma estudante jogar sua arma no fundo do piso.

- Mas eles (os bandidos) entraram e foram armados diretos para ele. Sabiam que era um policial – conta uma estudante.

- Você não gosta de bater em vagabundo, em bater em ladrão – teria berrado um dos bandidos antes da execução fora do ônibus.

Após realizarem o roubo de todos os passageiros, um dos indivíduos ainda disparou espingarda calibre 12 na cabeça do policial, antes de fugir ao lado dos demais quadrilheiros.

- Foi horrível, horrível. A gente ainda teve que passar por cima de tudo (corpo, massa encefálica), de volta ao ônibus – conta outra passageira.

A vítima era lotada na lotado na 3ª Companhia de Polícia Militar de Caraúbas. Estudava Direito numa faculdade de Mossoró, para onde o ônibus era conduzido.

Nota do Blog – Até quando?

Fonte: Carlos Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055