martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

terça-feira, 3 de maio de 2022

Mentiras e ilações campeiam na imprensa militante brasileira (veja o vídeo)

 Terça, 03 de Maio de 2022

Todo dia, mas é todo dia mesmo, veicula-se na imprensa militante, notícias que tem um único propósito: desestabilizar a política nacional. Já não basta o Brasil ter em seus quadros políticos, parlamentares, em todas as esferas (municipais, estaduais e federal), que mentem, especialmente, àqueles que os elegeram. Trabalham para si e para partidos, e não para a sociedade, como deveria ser.

Enquanto isso, aqueles governantes e parlamentares que respeitam cada voto que recebem, dignificam a democracia e apresentam soluções para os problemas do cidadão, tem que se ocupar, o tempo todo, para desmentidos e enfrentamento político descabido para com a república.

Capas de jornais, outrora de respeito e credibilidade, trabalham diuturnamente para manter mentiras, ilações e falácias produzidas não só pelos políticos, mas também por seus editores e seus pseudo jornalistas.

Eles só se esquecem que essas atitudes refletem nos seus próprios objetivos. A queda da credibilidade vem forçando que a imprensa se suje cada vez mais para se manter. Conluios e parcerias das mais perversas são tratadas em busca dessa sobrevivência.

Temos exemplos no Brasil inteiro. Vejam o caso do Portal UAI de Minas Gerais, que faz parte dos Diários Associados, fundado por Assis Chateaubriand, em 1924. Tinha um grupo forte e coeso em nome do jornalismo e da informação. Já perdeu, nos últimos anos, muita representatividade em alguns estados, e hoje não passa de um arremedo do que já foi um dia. Ainda consegue manter algumas unidades, sendo a principal deles, fora do estado de MG, o Correio Braziliense. O Portal UAI se comporta como muitos outros veículos de comunicação, que atuam com um mesmo objetivo: desestabilizar politicamente o país.

Desnecessário citar o Grupo Globo, Veja, Folha de S.Paulo, entre outros, que vão mais além. Não só querem desestabilizar, como é intenção dominar a sociedade.

No Espírito Santo, a estratégia não é diferente. Apenas na última semana, o ex-senador Magno Malta e o ex-deputado federal Carlos Manato, respectivamente, pré-candidatos ao senado e ao governo do estado, foram alvos de jornalistas, digamos, no mínimo, tendenciosos, antiprofissionais. Em ambos os casos, nem Magno Malta, nem Carlos Manato, foram ouvidos, ou seja, a intenção não é informar, e sim, desestabilizar a pré-campanha dos dois. Coincidência ou não, os dois apoiam o governo do pré-candidato à reeleição, Jair Bolsonaro, bem como são opositores do atual governador do estado, Renato Casagrande.

Há nessa atividade nada republicana da imprensa, veículos e jornalistas que são remunerados para seu “trabalho”. 

Como citado, Magno Malta foi face da manchete do colunista Guilherme Amado no último dia 26 de abril. 

Diz o título: 

“A suspeita que ronda a candidatura de Magno Malta no Espírito Santo.”

No texto, o jornalista dá voz a deputados opositores, sem citar nomes, dando conta que Magno não levaria a cabo sua candidatura ao senado federal, indo, assim, concorrer a uma das vagas a deputado federal. O nobre jornalista é useiro e vezeiro para publicações maliciosas. Sua especialidade, no entanto, é jogar pessoas e instituições, umas contra as outras. 

Um breve passeio em sua página (basta ler suas chamadas de capa) no portal Metrópoles demonstra isso a cada coluna. Aliás, é este portal que abriga o péssimo e mau exemplo de jornalismo, Ricardo Noblat. 

E de mais a mais, onde está o equilíbrio jornalístico, que é ouvir a(s) parte(s), dever de todo profissional, que o Amado não fez uso? Esconder-se atrás de fontes, prerrogativa inegociável de todo jornalista, é pura covardia.

Para qualquer efeito, deixo espaço em aberto para qualquer manifestação do citado.

Em vídeo, Magno Malta tratou de desmentir o sujeito.

Já no caso do Carlos Manato, o buraco é mais embaixo, e claro, ainda mais grave! Envolve dois partidos, PL e PRB, e um, indiretamente, o PP, por motivos óbvios. O jornal eletrônico Agência Congresso estampa notícia que Carlos Manato (PL) será alijado da disputa ao governo do estado do ES pela direção nacional dos partidos, jogado a vice na chapa do deputado estadual Erick Musso (PRB), e, por conta de acordo firmado entre os partidos, envolvem também o nome de Damares Alves e Tarcísio de Freitas. 

A manchete: 

“PL nacional vai retirar candidatura de Manato ao governo.”

Alega a matéria, ainda, sob “vazamento de conversa”, que Manato teria reclamado junto a deputados federais do ES, que estariam “puxando seu tapete”.

Prefiro não fazer juízo sobre um print a respeito da matéria (ver abaixo), que denota, claramente, algum deboche ou malícia sobre veiculação dessa matéria da Agência Congresso, especialmente, sobre a quem foi destinado o link (Cláudio Dantas do Antagonista). O hoohoohoohoohoohoh pegou mal!

Por ética e obrigação profissional, conversei diretamente com o pré-candidato Carlos Manato, que desmentiu categoricamente a informação, especialmente, no que diz respeito a queixar-se da questão de "puxar seu tapete”. Disse que nunca houve isso. Confirma que é pré-candidato a governador do seu estado, e que tem o apoio incondicional do presidente estadual do seu partido, Magno Malta (PL).

Erick Musso, que poderia ser o nome “beneficiado” pelo eventual acordo, foi procurado, porém, até o fechamento desta coluna, não foi encontrado. Fica aberto o espaço pra ele.

  • Fonte: Jornal da Cidade Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055