martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

quinta-feira, 29 de julho de 2021

Bolsonaro fala em “indícios fortíssimos” e que “não tem como se comprovar se as eleições não foram ou foram fraudadas”

Quinta, 29 de Julho de 2021

Foto: reprodução

O presidente Jair Bolsonaro utilizou mais de 30 minutos fez um resumo de seu período à frente da Presidência da República e das bandeiras que defende durante a live transmitida em sua página oficial nas redes sociais nesta quinta-feira (29).

O chefe do Executivo mudou o tom e não falou em “provas” que prometeu para indicar fraudes nas eleições anteriores. Disse que há “indícios fortíssimos ainda em fase de aprofundamento que nos levam a crer que temos que mudar esse processo eleitoral”. Ele havia prometido apresentar o que chama de “prova bomba” que houve fraudes em eleições anteriores.

Nos primeiros 40 minutos de transmissão, Bolsonaro não apresentou nenhum elemento relacionado a supostas irregularidades nos processos eleitorais. “Não tem como se comprovar se as eleições não foram ou foram fraudadas”, disse. Ele está acompanhado de uma pessoa identificada apenas como “Eduardo, analista de inteligência”, que deverá apresentar supostas provas de fraudes nas eleições.

A transmissão está sendo acompanhada por jornalistas de veículos de imprensa, que não foram autorizados a fazer perguntas. A fala inicial de Bolsonaro serviu para que o mandatário repetisse temas que tradicionalmente aborda em suas declarações, como a defesa do voto impresso, chamado por ele de “voto democrático”.

“Nós queremos transparência, queremos a verdade, queremos eleições democráticas, o voto democrático. Quem pode ser contra isso? Quem quer a desestabilização de uma nação poderosa como a nossa? Outros países estão de olho aqui. O nosso fracasso é a vitória deles”, afirmou. Disse também que ganhe quem ganhar a eleição de 2022, “vamos respeitar a vontade popular”.

Bolsonaro também atacou o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Roberto Barroso. “Por que a ferocidade do presidente do TSE em não querer discutir e não querer falar sobre uma contagem pública de votos, ou sobre uma forma de auditá-los?”, questionou.

“Por que o presidente do TSE, na iminência de ver a PEC (proposta de emenda constitucional) da deputada Bia Kicis (PSL-DF) ser aprovada na comissão especial, ele vai para dentro do parlamento, se reúne com várias lideranças partidárias e, no dia seguinte, muitos desses líderes trocam a posição da comissão por parlamentares que se comprometeram a votar contra o voto impresso. Qual foi o poder de persuasão do Barroso? Que poder ele tem?”.

Bolsonaro também falou sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e demonstrou preocupação de o petista ganhar a eleição. “O que nós não podemos admitir é que alguém que não tenha voto, chegue. É justo quem tirou o Lula da cadeia, quem o tornou elegível, ser o mesmo que vai contar o voto numa sala secreta do TSE? Cadê a contagem pública dos votos? Que eu quero eleições no ano que vem, vamos realizar eleições no ano que vem, mas eleições limpas, democráticas, sinceras”.

O mandatário tocou em temas que reverberam em sua base de apoio popular, como a defesa do armamento da população. Ele também reclamou do tratamento que veículos de imprensa adotam em relação ao seu governo e criticou o STF (Supremo Tribunal Federal) pela decisão de reconhecer as responsabilidade de prefeitos e governadores na gestão da pandemia de covid-19.

O presidente ainda afirmou que seu governo está há 2 anos e meio sem nenhum caso de corrupção.

Demonstração de programador

No meio da live presidencial, apareceu em vídeo uma pessoa que se apresentou como Jeferson e “programador”. Disse ser possível alterar o código fonte de uma urna eletrônica. Dessa forma, o eleitor votaria em um determinado candidato, e a foto correta apareceria na tela da urna. Mas no banco de dados seria registrado o voto para outro candidato. O programador não explicou como seria possível invadir todas as urnas eletrônicas, ou mesmo uma delas individualmente.

As urnas são carregadas com os programas que têm os nomes, números e fotos dos candidatos. Esse carregamento é realizado em cerimônia pública, dentro do edifício da Justiça Eleitoral, e fiscalizada por representantes de todos os partidos. Depois, as urnas são lacradas e só são abertas no dia da eleição, quando são ligadas na tomada –mas não na internet. Ou seja, é muito difícil que alguém consiga ter acesso às urnas para fazer a alteração no programa.

Durante a live, Bolsonaro deu um exemplo que alguém pode “desviar 12 milhões de votos”. Para fazer isso a partir de fraudes em urnas, seria necessário ter acesso a milhares de equipamentos.

Também foram apresentados vídeos de eleitores em 2018 dizendo que votaram em Bolsonaro, cujo número era 17, e na tela da urna aparecia “nulo”. Não fica claro como isso pode ter acontecido. Para o presidente, esse tipo de adulteração “aconteceu largamente”. Mas sempre com o cuidado de dizer: “Não temos provas”.

live também utilizou largamente imagens da emissora de TV a cabo GloboNews, de 2018, no início da apuração apontando a vantagem de Bolsonaro e dizendo sobre a possibilidade de vitória no 1º turno. Mas nas próprias imagens fica muito claro que poucas urnas estavam apuradas.

Imagem: reprodução

Essa imagem da apuração de 2018 foi mostrada para tentar demonstrar que Bolsonaro poderia ganhar no 1º turno. Mas, como se observa, ainda faltavam muitos votos para serem apurados (só 57% dos votos estavam escrutinados naquele momento)

Imagem: reprodução

Essa imagem também foi usada por Bolsonaro para tentar demonstrar que houve fraude em 2018. O presidente diz que estava muito à frente e depois não venceu no 1º turno. Mas a apuração é assimétrica e não há como projetar resultados quando ainda faltam muitos votos para serem escrutinados, como demonstra a imagem.

Poder 360

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055