martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Juiz afirma “não estar nem aí” para a Lei Maria da Penha: "Ninguém agride ninguém de graça” (veja o vídeo)

 Segunda, 21 de Dezembro de 2020

As autoridades brasileiras são mesmo dúbias. O juiz, Rodrigo de Azevedo Costa, da Vara de Família da Freguesia do Ó, em São Paulo, zombou da Lei Maria da Penha durante audiência para regular pensão alimentícia e guarda. Na ocasião, o magistrado minimizou a importância da regra e disse “não estar nem aí” pra isso.

“Qualquer coisinha vira Maria da Penha. É muito chato também”, reclamou o juiz.

E completou:

“Uma coisa eu aprendi na vida de juiz: ninguém agride ninguém de graça”.

O comentário descabido do juiz pegou os presentes de surpresa devido à gravidade do ato. Ao tomar conhecimento da notícia, o corregedor-geral da Justiça de São Paulo, desembargador Ricardo Anafe, determinou a instauração de uma apuração preliminar.

A corregedoria afirma que o juiz violou os deveres funcionais estabelecidos na Lei Orgânica da Magistratura (Lei Complementar 35/79) e do Código de Ética da Magistratura Nacional.

Mais de 20 comissões da OAB e o Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos das Mulheres (NUDEM), da Defensoria Pública do Estado de São Paulo, publicaram nota de repúdio, em conjunto, sobre o comportamento do magistrado e aproveitaram para lembrar três casos emblemáticos de violências de gênero cometidos contra mulheres nos últimos dias, entre eles: a postura do juiz ao dizer que "ninguém apanha de graça" e constranger as mulheres presentes na audiência.

"É lamentável que órgãos do sistema de justiça e do Poder Legislativo possam espelhar e, sobretudo, naturalizar as violências e opressões de gênero e, o que é pior: culpabilizar as mulheres por essas ações", diz o documento.

“Por meio de declarações descabidas, o magistrado busca, inclusive, inverter a culpa pela violência, colocando na conta da vítima a responsabilidade pela violência que sofreu".

A nota alerta para o fato de que o juiz não dá atenção às necessidades da vítima.

"Além dessas falas, ele alega que o autor da violência não o interessa. E, apesar do histórico de agressão, o juiz insiste que a vítima abra mão das medidas protetivas de urgência, sugerindo, inclusive, a reconciliação do casal.”

Maria da Penha, presidente do Instituto Maria da Penha, mulher cujo caso de violência inspirou a criação da Lei Federal nº 11.340 de 2006, publicou carta na qual se disse estarrecida com a postura do juiz.

“Após 37 anos do meu caso e dos 14 anos da Lei 11.340/06, observamos que ainda falta sensibilidade jurídica, consciência cidadã e respeito por parte de muitos magistrados no sistema de justiça no Brasil.”

Confira:

  • Fonte: Jornal da Cidade Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055