martins em pauta

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Se Exército intervir, será para manter a democracia, diz general Eduardo Villas Bôas

Sexta, 06 de Julho de 2018

Foto: Divulgação/Twitter

Ao mesmo tempo em que negava a possibilidade de uma intervenção militar nos moldes da que ocorreu em 1964, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, disse, nesta quinta-feira(05), que “as Forças Armadas, e o Exército, pelo qual eu respondo, se, eventualmente, tiverem de intervir, será para fazer cumprir a Constituição, manter a democracia e proteger as instituições”.

A fala foi feita durante a homenagem que o Exército brasileiro prestou ao soldado Mário Kozel Filho, morto há 50 anos em um ataque da Vanguarda Popular Revolucionária, a mesma onde atuava a ex-presidente Dilma Rousseff. Também ficaram feridos outros seis militares. Ele tinha 18 anos.

O general tem sido ativo no Twitter e seus últimos posts têm despertado o entendimento de que os militares estariam incomodados com os rumos do país.

Em um dos tuítes, ele chamou atenção para um texto onde se destacava o seguinte trecho: “O período que atravessamos clama pela interrupção dos fracionamentos induzidos pelas políticas identitárias trazidas no bojo das ideologias contemporâneas, faz necessário que as instituições cumpram os papéis que lhes são destinados e impõe a submissão das querelas pessoais e institucionais aos interesses da nação, de forma a colocar o Brasil acima de tudo.

Este é o legado do soldado Kozel.”

Reprodução

Coluna do Fraga – R7 / Blog do BG

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055