martins em pauta

sexta-feira, 16 de março de 2018

'Quem defende a tortura está defendendo crime inafiançável', diz Dilma em tenda do FSM

Sexta, 16 de Março de 2018

por Bruno Luiz / Estela Marques
Foto: Lucio Távora / Ag. Tempo / Flickr CUT

A presidente Dilma Rousseff surpreendeu ao discursar para uma multidão em uma tenda do Fórum Social Mundial em Ondina, na manhã desta quinta-feira (15). Durante a tarde, a presidente participará de um ato com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no estádio de Pituaçu. Para o público, ela lamentou o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), na noite desta quarta (14), ao qual se referiu como "execução brutal". "O Brasil sempre que tem golpe, e nós sabemos disso, não há golpe sem barbárie e violência. O que aconteceu com a Marielle foi uma execução brutal. Isso contrata uma mulher negra, defensora dos direitos humanos. Uma mulher que sabia que sem as mulheres e os negros, os direitos não são humanos", disse. Segundo Dilma, o assassinato é parte do golpe que desencadearam no Brasil em 2016, ano em que foi alvo de impeachment. Dilma falou também sobre a ascensão da extrema-direita no Brasil, representada pelo deputado Jair Bolsonaro. "Quem defende a tortura está defendendo um crime inafiançável. E não tem nenhuma comissão de Ética contra ele", criticou Dilma, que lembrou da infinidade de violência, assassinatos, sumiço de corpos e barbaridades associados à extrema-direita. Dilma aproveitou o espaço para afirmar que a reforma da Previdência, parada na Câmara, é para privatizar os maiores recursos financeiros, que são dos trabalhadores, e implantar o neoliberalismo no país. "Esse processo não para enquanto ele não tiver o Brasil sem bancos públicos, empresas públicas, sem entregar todas as nossas terras férteis. Teremos de lutar para que isso não se complete. Porque isso começou", acrescentou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055