martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

quarta-feira, 25 de janeiro de 2023

Glenn dobra a aposta contra Moraes

Quarta, 25 de Janeiro de 2023



Glenn compartilhou outra matéria do New York Times, neste domingo (22), que analisa com lupa as medidas tomadas, unilateralmente, pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes.

Embora venha despertando a ira da esquerda, Greenwald explicou que a situação em que o Brasil se encontra é escandalosa e preocupante; porque, segundo alega, na tentativa de manter a frágil democracia do país intacta, o Supremo extrapola os próprios poderes e censura autoridades, jornais, políticos, redes sociais e até prende pessoas sem foro privilegiado.

"Muitos países repressivos, como a Jordânia, Singapura e outros têm adotado leis para criminalizar 'Fake News' ou posts que incitam 'terrorismo'. Como o NYT diz: o novo governo quer uma nova lei como essa e alguns na esquerda querem a suspensão 'temporária' de todos os direitos individuais", destacou.
"Os 2 primeiros artigos publicados pelo NYT - um em setembro e outro em outubro - citavam muitos especialistas em direito e constituição brasileira e executivos de empresas de internet, alertando para o quão perigoso isso é. Muitos ficaram com medo de falar usando seu nome. Hoje", acrescentou.

Leia a íntegra da reportagem do NYT:

Ele é o defensor da democracia no Brasil. Mas será que ele é realmente bom para a democracia?

Alexandre de Moraes, Ministro do Supremo Tribunal Federal, foi crucial para a transição de poder no Brasil. Mas, suas táticas agressivas estão provocando um debate: É possível ir longe demais para combater a extrema-direita?

Quando a Polícia Rodoviária Federal começou a impedir a passagem de ônibus cheios de eleitores no dia da eleição, ele ordenou que parassem.

Quando vozes da direita espalharam a alegação infundada de que a eleição no Brasil foi roubada, ele ordenou que fossem banidas das redes sociais.

E quando milhares de manifestantes da direita invadiram as sedes dos três poderes neste mês, ele ordenou que autoridades responsáveis pela segurança fossem presas.

Alexandre de Moraes, Ministro do Supremo Tribunal Federal, assumiu o papel de principal defensor da democracia brasileira. Usando uma interpretação ampla dos poderes do Tribunal, Moraes impulsionou investigações e processos, bem como o silenciamento nas redes sociais, de qualquer pessoa considerada por ele uma ameaça às instituições brasileiras.

Como resultado, diante dos ataques antidemocráticos do ex-presidente de extrema direita do Brasil, Jair Bolsonaro, e de seus apoiadores, Moraes abriu caminho para a transição de poder. Para muitos da esquerda brasileira, isso fez dele o homem que salvou a jovem democracia brasileira.

No entanto, para muitos outros no Brasil, ele a ameaça. A abordagem agressiva e a expansão da autoridade de Moraes fizeram dele uma das pessoas mais poderosas do país, e também o colocaram no centro de um debate complicado no Brasil sobre até que ponto se pode ir para lutar contra a extrema-direita.

Alexandre de Moraes já ordenou prisões sem julgamento por ameaças postadas em redes sociais; liderou o voto que sentenciou um deputado federal a quase nove anos de prisão por ameaçar o Tribunal; ordenou busca e apreensão contra empresários com poucas evidências de irregularidades; suspendeu um governador eleito de seu cargo; e bloqueou monocraticamente dezenas de contas e milhares de publicações nas redes sociais, praticamente sem transparência ou espaço para recurso.

Na sua caça em nome da justiça após o tumulto deste mês, Moraes se tornou mais audacioso. Suas ordens para banir vozes influentes online se proliferaram, e, agora, ele colocou o homem acusado de atiçar as chamas extremistas do Brasil, Bolsonaro, sob sua mira. Na semana passada, Moraes incluiu o ex-presidente na investigação federal do tumulto, da qual é o relator, sugerindo que o ex-presidente tenha inspirado a violência.

Suas ações se encaixam em uma tendência mais ampla da Suprema Corte brasileira de aumentar o próprio poder — tomando o que os críticos chamam de um rumo mais repressivo no processo.

Vários juristas e analistas políticos agora discutem que impacto Moraes terá a longo prazo. Alguns argumentam que as suas ações são medidas extraordinárias, mas necessárias diante de uma ameaça extraordinária. Outros dizem que, agindo sob a bandeira da salvaguarda da democracia, Moraes está, em vez disso, prejudicando o equilíbrio de poder no país.

“Não podemos desrespeitar a democracia para protegê-la”, disse Irapuã Santana, advogado e colunista jurídico do jornal O Globo, um dos maiores do Brasil.

Santana votou em Luiz Inácio Lula da Silva, o novo presidente da esquerda, em outubro, mas disse temer que muitos no Brasil estejam apoiando Moraes sem considerar as possíveis consequências. “Hoje ele está fazendo isso contra o nosso ‘inimigo’. Amanhã ele está fazendo isso contra o nosso amigo — ou contra nós”, disse. “É um precedente perigoso.”

Milly Lacombe, uma comentarista da esquerda, disse que tais preocupações ignoram um perigo maior, evidenciado pelos tumultos e um complô frustrado de atentado à bomba para perturbar a posse de Lula. Ela argumentou, em sua coluna no site de notícias UOL, que a extrema direita apresenta graves perigos para a democracia brasileira, o que deve ofuscar as preocupações com liberdade de expressão ou excesso judicial.

“Sob ameaça de uma insurreição de inspiração nazi-fascista vale suprimir temporariamente liberdades individuais em nome da liberdade coletiva?” escreveu. “Eu diria que sim.”

A disputa ilustra um debate global mais amplo, não apenas sobre o poder do Judiciário, mas também sobre como lidar com a desinformação nas redes sem silenciar vozes dissidentes.

O proprietário do Twitter, Elon Musk, ponderou que os movimentos de Moraes foram “extremamente preocupantes.” Glenn Greenwald, um jornalista americano que vive no Brasil há anos e crítico de certas regras das redes sociais, participou de um debate nesta semana com um sociólogo brasileiro sobre as ações de Moraes. E as autoridades brasileiras sugeriram que poderiam considerar novas leis para determinar o que pode ser dito nas redes.

Alexandre de Moraes tem recusado pedidos de entrevista há mais de um ano. O Supremo Tribunal Federal, em nota, disse que as investigações de Moraes e muitas de suas ordens foram endossadas por toda a Corte e “são absolutamente constitucionais.”

Nas horas seguintes ao tumulto em Brasília, Moraes afastou o governador do Distrito Federal, responsável pela segurança do protesto que se tornou violento, e depois ordenou a prisão de dois agentes de segurança do Distrito Federal.

Ainda assim, há pouco apoio no Supremo Tribunal Federal para prender Bolsonaro, devido à insuficiência das provas e temores de que uma prisão provocaria novos conflitos. De acordo com um alto funcionário do Supremo Tribunal Federal que falou sob condição de anonimato para discutir conversas privadas, diversos ministros da corte preferem tentar condenar Bolsonaro por abuso de poder no Tribunal Superior Eleitoral, o que o tornaria inelegível por oito anos.

Bolsonaro, que está na Flórida desde 30 de dezembro, há muito tempo acusa Moraes de exceder sua autoridade e tentou um impeachment contra o Ministro. O advogado de Bolsonaro disse que ele sempre respeitou a democracia e repudiou os tumultos.

Moraes, de 54 anos, tem décadas de atuação como promotor público, advogado e professor de Direito Constitucional.

O Ministro foi nomeado para o Supremo Tribunal Federal em 2017, uma medida condenada pela esquerda porque ele estava alinhado com partidos da centro-direita.

Em 2019, o então presidente do Supremo Tribunal Federal emitiu uma portaria de uma página autorizando a Corte a instaurar seus próprios inquéritos ao invés de aguardar outras autoridades. Para o Tribunal — que, ao contrário da Suprema Corte dos Estados Unidos, processa dezenas de milhares de casos por ano, incluindo certos casos criminais — essa foi uma expansão drástica de sua jurisdição.

O presidente da Corte designou Moraes para iniciar o primeiro inquérito: uma investigação sobre “fake news”. O primeiro passo de Moraes foi ordenar a uma revista que retirasse do ar uma reportagem que ligava o presidente da Corte a uma investigação sobre corrupção. (Ordem que revogou quando a revista mostrou provas.)

Moraes então mudou o foco das investigações para a desinformação nas redes, principalmente vinda dos apoiadores de Jair Bolsonaro, o que deu a ele um enorme papel na política brasileira. Papel que cresceu ainda mais este ano, quando, por acaso, seu revezamento como presidente do Tribunal Superior Eleitoral coincidiu com a eleição.

Nessa função, Alexandre de Moraes se tornou o maior guardião — e cão de guarda — da democracia brasileira. Antes da eleição, Moraes fez um acordo com os militares para realizar testes adicionais em urnas eletrônicas. No dia da eleição, ordenou que a Polícia Rodoviária Federal explicasse por que os policiais estavam parando ônibus cheios de eleitores. E, na noite da eleição, Moraes convidou os líderes da República para que anunciassem o vencedor em conjunto, uma demonstração de unidade contra qualquer tentativa de perpetuação no poder.

No meio desse grupo de líderes, estava o próprio Alexandre de Moraes. O Ministro fez um discurso contundente sobre o valor da democracia, provocando cantos de “Xandão”.

“Espero que, a partir dessa eleição, finalmente, cessem as agressões ao sistema eleitoral”.

Elas não cessaram. Manifestantes da direita protestaram em frente aos quartéis, pedindo aos militares que revogassem a eleição. Em resposta, Moraes ordenou que empresas de tecnologia suspendessem mais contas, de acordo com um advogado sênior de uma grande empresa de tecnologia, que falou sob condição de anonimato por medo de irritar o Ministro.

Entre as contas que Moraes ordenou que fossem retiradas estão as de pelo menos cinco parlamentares federais, um empresário bilionário e mais de uma dezena de influenciadores da direita, incluindo um dos apresentadores de podcast mais populares do país.

As ordens de Moraes para remover contas não especificam o motivo, de acordo com o advogado e uma cópia de uma ordem obtida pelo New York Times. Acessos a contas proibidas no Twitter levam a uma página em branco e uma mensagem contundente: “a conta foi retida no Brasil em resposta a uma exigência legal.” Os donos das contas são simplesmente informados de que estão suspensas devido a uma ordem judicial e que devem considerar entrar em contato com um advogado.

O advogado disse que sua empresa de tecnologia entrou com recursos contra ordens que considera excessivamente amplas, mas eles foram negados por Moraes. Os recursos ao Plenário do STF também foram negados ou ignorados, disse.

Procuradas pela reportagem, várias redes sociais se recusaram a comentar o assunto publicamente. Moraes é uma potencial ameaça para os seus negócios no Brasil. No ano passado, Moraes baniu brevemente o Telegram no país após a empresa não cumprir suas ordens.

Recentemente houve conversas entre alguns ministros do STF sobre a necessidade de pôr fim aos inquéritos de Moraes, de acordo com a fonte do tribunal, mas após o tumulto de 8 de janeiro, esses comentários cessaram. O tumulto aumentou o apoio a Moraes entre seus pares, de acordo com o alto funcionário da Corte.

Beatriz Rey, cientista política da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, disse que a abordagem de Moraes, embora não ideal, se faz necessária porque outros poderes do governo, especialmente o Legislativo, não cumpriram seu dever.

“Você não deveria ter um Ministro combatendo ameaças à democracia repetidas vezes. Mas, o problema é que o próprio sistema está funcionando mal neste momento", disse.


Fonte: Jornal da Cidade Online 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9 9151-0643

Contato : (84) 9 9151-0643