martins em pauta

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Projeto com unidade móvel de combate à hanseníase estará no Rio Grande do Norte

Quinta, 30 de Novembro de 2017


O Instituto de Medicina Tropical (IMT) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) coordena entre os dias 29 de novembro e 11 de dezembro ações de atendimento à Hanseníase nas três maiores cidades do Rio Grande do Norte. O Projeto Carreta da Saúde Final na Hanseníase, caminhão itinerante que atua como um centro de saúde móvel, estará em Natal (29/11 a 05/12), Mossoró (07 e 8/12) e Parnamirim (11/12), em um esforço conjunto com o Ministério da Saúde, as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde e a empresa Novartis, parceira na iniciativa.

O atendimento será a pessoas que apresentem sintomas e àqueles cujos familiares já tiveram Hanseníase. Portanto, não será uma avaliação dermatológica geral, mas direcionada. “Havendo a suspeita da doença, o paciente será encaminhado para o teste confirmatório dentro da Carreta. Uma vez confirmado, será iniciado o tratamento e o encaminhamento do paciente ao Serviço de Saúde para o seguimento do tratamento. As pessoas que têm os sinais e sintomas da Hanseníase podem nos procurar, independente de terem passado por algum posto de saúde ou não”, explica Débora Gurgel Costa, que integra o Programa de Tuberculose e Hanseníase do Departamento de Atenção Básica da Secretaria Municipal de Saúde de Natal.

Os principais sintomas são dormências, dor nos nervos dos braços, mãos, pernas e pés; lesões de pele (caroços e placas pelo corpo) com alteração da sensibilidade ao calor, ao frio e ao toque e áreas da pele com alteração da sensibilidade mesmo sem lesão aparente; e diminuição da força muscular. Essas manchas são esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas.

Devem procurar os serviços da Carreta as pessoas com manchas na pele, geralmente dormentes, e que não vem melhorando com os tratamentos prescritos. Muitas vezes, a Hanseníase aparece com lesões localizadas, semelhantes às “impinges”, dormentes e que não melhoram com o uso de cremes para micose. Outras vezes aparece como uma ou várias manchas avermelhadas pelo corpo, semelhantes às lesões de alergia, mas que não coçam e não melhoram com os remédios prescritos. É comum a queixa de dormências nas mãos e nos pés e de caroços no rosto e nas orelhas, que às vezes parecem inflamadas.

É importante que as pessoas que já conviveram com portadores de Hanseníase, na família ou na vizinhança, e que apresentem sintomas da doença, aproveitem essa oportunidade para serem examinadas”, afirma Maurício Nobre, médico da SESAP e colaborador no IMT, cuja tese de doutorado abordou a Hanseníase e foi premiada nacionalmente pelo Instituto Osvaldo Cruz.

Segundo país do mundo com o maior número de casos de hanseníase, o Brasil registra 30 mil casos novos de Hanseníase, enfermidade já controlada em grande parte do mundo. Perde apenas para a Índia, com 126 mil registros por ano. Doença infecciosa, contagiosa e associada a desigualdades sociais, ela afeta principalmente as regiões mais carentes do mundo e é transmitida pelas vias aéreas, como secreções nasais, gotículas da fala, tosse, espirro, por pacientes considerados bacilíferos, ou seja, sem tratamento — aqueles que estão sendo tratados deixam de transmitir a doença.

“A ação da carreta reforça a importância do diagnóstico precoce da doença como forma de prevenir as incapacidades físicas decorrentes do diagnóstico tardio, e lembra que a Hanseníase tem cura e o tratamento é oferecido gratuitamente pelo SUS”, acrescenta Maurício Nobre. O Instituto de Medicina Tropical (IMT) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), inclusive, é uma unidade destinada ao estudo e pesquisa de doenças infecciosas e infectocontagiosas presentes no Nordeste, e à formulação e produção de vacinas para certas doenças, entre elas a Leishmaniose e a Hanseníase.


Fonte: O Natalense

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055
Ocorreu um erro neste gadget