martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

sábado, 20 de novembro de 2021

Mulher em coma por Covid desperta no dia em que aparelhos seriam desligados nos EUA; Família já havia providenciado caixão e funeral

 Sábado, 20 de Novembro de 2021

Foto: reprodução

Bettina Lerman passou semanas em um respirador após adoecer com Covid-19 e não respondeu aos esforços dos médicos para acordá-la do coma, quando sua família tomou a difícil decisão de retirar o suporte vital.

A família fez os preparativos para o funeral, escolheu seu caixão e lápide, enquanto se preparava para se despedir, disse seu filho Andrew Lerman.

No dia em que planejaram retirá-la do suporte de vida, Lerman disse, ele recebeu um telefonema de um de seus médicos no Maine Medical Center, em Portland.

“Ele disse ‘bem, preciso que você venha aqui imediatamente’. Eu disse, ‘Ok, o que foi?’”, Disse Lerman. “Ele disse: ‘Bem, está tudo bem. Sua mãe acordou.’” Lerman disse que deixou cair o telefone quando recebeu a notícia.

Mais de 768 mil pessoas morreram de Covid-19 nos Estados Unidos desde o início da pandemia, de acordo com a Universidade Johns Hopkins. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) afirmam que 58,9% da população do país está totalmente vacinada.

Lerman disse que sua mãe, que fará 70 anos em fevereiro, teve vários problemas de saúde, incluindo diabetes, e teve um ataque cardíaco e uma cirurgia quádrupla de ponte de safena alguns anos atrás.

Ela não havia se vacinado

Ela começou a apresentar sintomas de Covid-19 no início de setembro, foi diagnosticada quando ela foi internada no hospital em 12 de setembro e foi ligada ao ventilador em 21 de setembro, disse ela. Ela não foi vacinada, mas planejava se vacinar quando adoeceu, disse ela. Sua condição piorou e os médicos disseram à família que não esperavam que ela se recuperasse.

“Tivemos uma reunião de família com o hospital porque minha mãe não estava acordando. Não importa o que eles fizessem, eles não podiam fazê-la acordar”, disse Lerman. “Disseram que os pulmões dela foram completamente destruídos. Há danos irreversíveis, mas isso não vai acontecer.”

Já se passaram cerca de três semanas desde que Bettina acordou, em 29 de outubro, e uma porta-voz do hospital disse que ela está em estado grave. O hospital não conseguiu divulgar informações adicionais devido às leis de privacidade.

Lerman disse que sua mãe não sofreu falência de órgãos e ninguém realmente entende como ela está bem.

“Minha mãe é muito religiosa e também muitos de seus amigos, a igreja e tudo mais, e todos eles têm orado por ela”, disse ela. “Então eles não podem explicar do ponto de vista médico. Talvez seja do ponto de vista religioso. Não sou tão religioso, mas estou começando a acreditar que há algo que a ajudou.”

Lerman disse que conversou por horas com a mãe na quarta-feira (18) e que pode mover as mãos e os braços e respirar sozinha por algumas horas com um pouco de oxigênio, em vez do respirador.

“Ela sabe onde está, quem ela é, ela é tão perspicaz”, disse Lerman. “Normalmente, quando alguém sai de um coma assim, eles dizem que os pacientes têm delírios e ficam muito confusos. Desde o primeiro dia, ela não experimentou nada disso.”

Ele disse que a mãe ainda não está fora de perigo, e ainda pode haver contratempos, mas a equipe médica está tentando colocá-la em uma lista de reabilitação para ajudá-la a recuperar sua amplitude de movimento.

Ela já está recebendo fisioterapia para ajudar a reconstruir a força muscular que perdeu durante a internação.

Lerman e sua mãe moram na Flórida, mas ambos iam muito para o estado do Maine para cuidar de seu pai, que tem câncer em estágio 4. O pai de Lerman adoeceu com Covid-19 na mesma época que sua mãe, mas ele se recuperou.

CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055