martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

domingo, 12 de setembro de 2021

Decisão sobre data de fim da CPI da Covid no Senado racha grupo de oposição ao governo federal

 Domingo, 12 de Setembro de 2021

Foto: Pedro França/Agência Senado

A data para encerramento da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia causou um racha no grupo de senadores de oposição ao governo. Dos sete parlamentares, menos da metade segue com a ideia de continuar com os trabalhos. O restante, apoiado pelo presidente do colegiado, Omar Aziz (PSD-AM), defende que o momento da comissão já passou.

Na avaliação de Aziz, segundo pessoas próximas ao senador, a redução no número de mortes por covid-19 e o andamento da vacinação, somado à crise entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o Judiciário, além da alta do desemprego e da gasolina, inviabilizaram a CPI. Reflexo disso foi a perda de alcance nas redes sociais.

Em uma reunião na semana passada, de acordo com relato de participantes, apenas o relator Renan Calheiros (MDB-AL), o vice-presidente Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e o senador Humberto Costa (PT-PE) trabalharam com a ideia de talvez postergar o fim da comissão.

Inicialmente, o emedebista alagoano queria entregar o relatório em 21 de setembro. No entanto, já é cogitada a ideia de estender o prazo, devido às ações judiciais e aos atestados médicos de pessoas consideradas “chave” na investigação de supostas irregularidades nos contratos fechados pelo Ministério da Saúde.

Como Marcos Tolentino, apontado pela comissão como sócio oculto da FIB Bank, empresa que se apresentou como fiadora no contrato da Precisa Medicamentos e que, apesar do nome, não é uma instituição financeira; e Marconny Albernaz, que teria atuado como lobista para viabilizar o contrato da Precisa, empresa que intermediou a compra pelo governo de doses da Covaxin, vacina indiana. A cúpula da CPI espera ouvi-los na semana que vem, junto com a advogada de Bolsonaro, Karina Kufa.

A prévia da parte técnica do relatório já está com Renan. Um dos capítulos do documento é sobre fake news e cita ao menos quatro deputados bolsonaristas — Bia Kicis (PSL-DF), Carlos Jordy (PSL-RJ), Carla Zambelli (PSL-SP) e Osmar Terra (MDB-RS) –, acusados de serem propagadores de fake news. Este trecho já foi encaminhado à consultoria jurídica do senador, para analisar e imputar crimes a cada um deles.

O conteúdo ainda pode ser alterado, porque o relatório final ainda será apresentado. O documento precisa ser aprovado pela maioria dos membros do colegiado. Então a CPI enviará o parecer aprovado à Mesa do Senado, para conhecimento e providências do plenário.

As conclusões da comissão e o texto serão encaminhados ao Ministério Público, para dar andamento à investigação e à responsabilização civil e criminal podendo pedir o indiciamento de pessoas citadas no relatório.

SBT News

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055