martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

segunda-feira, 17 de maio de 2021

Acusação de Aziz cai por terra ante o relato de Alexandre Garcia (veja o vídeo)

Segunda, 17 de Maio de 2021

O presidente da malfadada CPI da Covid, senador Omar Aziz, em entrevista a GloboNews, fez uma afirmação contra o Governo Federal sem nenhuma consistência, sem qualquer respaldo, latreada tão somente na sua vontade pessoal de atacar o presidente Jair Bolsonaro.

Aziz disse o seguinte:

“Vejo, pelo que nós já apuramos, pelo que eu estou vendo nos depoimentos, nunca houve o compromisso da compra da vacina. Sempre se tratou das questões da cloroquina, da ivermectina, e de protocolos. E aí é importante saber que o próprio ministro [Eduardo] Pazuello esteve em Manaus, no momento de maior dificuldade que nós passamos na história do Amazonas, ele esteve aqui. E aqui tem protocolo que até hoje é cumprido, em unidade básica de saúde, de Manaus, e do interior, daquele kit Covid.”

Não é verdade.

Aliás, contrariamente ao alegado pelo senador, o depoimento de Carlos Murillo, presidente da Pfizer na América Latina, na sexta-feira (14), esclareceu todas as dúvidas de forma clara e normalmente.

Tranquilo, Murillo rebateu os senadores da Comissão sem deixar brechas para que apontassem erros ao Governo do presidente Jair Bolsonaro; apesar de que os senadores procuravam impor nas perguntas as respostas que pretendiam ouvir. O presidente da Pfizer, calma e didaticamente, respondeu aos questionamentos sem se levar pela indução dos inquisidores.

A farmacêutica explicou que, embora tenha encaminhado cartas ao governo brasileiro oferecendo a vacina contra o novo coronavírus; a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) só concedeu registro ao imunizante no final de fevereiro de 2021. Portanto, a União não teria como assinar contrato de compra sem que a Anvisa aprovasse o fármaco. Além disso, o FDA americano, órgão regulatório dos Estados Unidos similar à Anvisa, só concedeu autorização para a Pfizer em 11 de dezembro de 2020.

“Então, se o governo brasileiro fizesse a loucura de fechar o negócio com uma vacina que não existia e que não tinha registro nem no Brasil e muito menos nos Estados Unidos; certamente, o governo brasileiro seria acusado de crime de responsabilidade”, afirma o jornalista e comentarista político, Alexandre Garcia.

Após aprovação nos órgãos reguladores, o Governo Bolsonaro fechou em março deste ano contrato para aquisição das vacinas com a Pfizer; acabando com as falsas narrativas da oposição e “mídia do ódio”.

Confira o vídeo:

  • Fonte: Jornal da Cidade Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055