martins em pauta

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Será possível regenerar corações humanos, diz novo estudo

Sexta, 30 de junho de 2017



Um dia, poderemos desenvolver um processo para regenerar o tecido no coração humano, de acordo com uma nova pesquisa. A nova técnica será possível por meio de uma fonte improvável – uma anêmona marinha sem músculo e sem coração.

A criatura Nematostella vectensis tem a capacidade de se regenerar como vários organismos diferentes se cortada em pedaços, por isso, os cientistas acham que esse superpoder biológico pode nos ensinar a estimular a cura regenerativa nos corações humanos.

Pesquisadores da Universidade da Flórida encontraram a anêmona quando olhavam a origem evolutiva das células musculares, como as encontradas em nosso coração – e a criatura do mar tem genes conhecidos por ajudar a formar células cardíacas em seres humanos e outros animais.

“Nosso estudo mostra que se nós aprendermos mais sobre a lógica de como os genes que dão origem a células cardíacas conversam entre si, a regeneração muscular em seres humanos pode ser possível”, diz o pesquisador principal, Mark Martindale.

Em outras palavras, se entendemos mais sobre como esses genes funcionam juntos para programar células cardíacas, poderemos fazer nossa própria programação no futuro. Ao analisar os “genes do coração” na anêmona do mar, os cientistas descobriram a diferença na forma como eles interagem em comparação com os genes em outros animais.

Especificamente, não há “loop de bloqueio” – nenhuma instrução para os genes permanecerem ligados durante todo o tempo do animal, instruções que impedem que as células se tornem outros tipos de células ou sejam usadas para outras funções.

No coração humano, a regeneração natural é limitada a uma substituição muito lenta das células do músculo cardíaco, o que não é suficiente para combater o dano e a doença. No entanto, sem esse loop de bloqueio, as células da anêmona do mar são livres para se transformarem em outros tipos de células e regenerar as partes do corpo, se necessário.

A pesquisa também apoia uma hipótese existente de que as primeiras células musculares animais eram muito parecidas com as o coração, evoluindo do tecido intestinal de uma criatura como Nematostella vectensis.

Enquanto a anêmona não tem um coração, seu corpo se move de forma pulsante e ondulada, semelhante a batimentos cardíacos. “A ideia é que esses genes foram há muito tempo e precederam os músculos distorcidos que cobrem nosso esqueleto”, diz Martindale.

Então, se pudermos ajustar nossas próprias células musculares para seguir a liderança das células da anêmona do mar da estrela, a cura regenerativa no coração e outras partes do corpo podem ser possíveis. Ainda está muito distante, mas agora temos algumas pistas extras sobre como isso pode ser alcançado.

Em uma tentativa de vencer as doenças cardíacas e os danos causados ​​por ataques cardíacos, os cientistas estão explorando uma ampla gama de opções para reparar os órgãos mais importantes, incluindo o crescimento do tecido cardíaco dos espinafres.

Se pudéssemos desenvolver uma maneira de provocar células do coração para se regenerar, estima-se que milhões de pessoas possam ser ajudadas a cada ano, e qualquer progresso em direção a esse objetivo deve ser algo para se entusiasmar.

A pesquisa foi publicada no PNAS.

Jornal Ciência via Science Alert

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055
Ocorreu um erro neste gadget