martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

quarta-feira, 7 de dezembro de 2022

Elon Musk está "exorcizando" a censura da web e revelando o lado sombrio escondido pelo Twitter

 Quarta, 07 de Dezembro de 2022


E parece que isso vai muito mais longe do que se poderia imaginar.

As desconfianças que os comportamentos anormais do aplicativo no tocante à limitação do alcance das postagens de certas pessoas com alinhamento político mais à direita, finalmente se comprovou como verdade. 

Na última sexta-feira, uma série de tuítes chamada de “The Twitter Files” (Os Arquivos do Twitter), postados pelo jornalista e escritor Matt Taibbi, trouxe à luz um apanhado de mensagens trocadas entre funcionários da empresa, incluindo seus mais altos executivos. Pelo teor das mensagens, fica claro que essas pessoas decidiram se utilizar do poder da plataforma para censurar visões políticas diferentes das suas, para influenciar eleições e para prejudicar e calar influenciadores conservadores. E isso impactou fortemente as eleições presidenciais americanas em 2020. E, talvez, até a  brasileira.

Taibbi só soltou a primeira leva de mensagens. De acordo com ele, são milhares de documentos internos do Twitter que lhe foram entregues por múltiplas fontes, e que contam “a história de um mecanismo criado por humanos e que cresceu para fora do controle de seu criador”. A referência, conforme se lê nas trocas de mensagens, é ao fundador e antigo CEO do Twitter, Jack Dorsey, que não sabia de muito do que estava acontecendo na empresa que comandava. Fica também claro que a pessoa que teve um papel chave em todas as iniciativas de censura e supressão de conteúdo foi a chefe do Departamento de Políticas e Assuntos Legais da plataforma, Vijaya Gadde, uma das primeiras pessoas a serem demitidas por Elon Musk.

Vijaya Gadde é uma advogada nascida na Índia mas criada no Texas que (segundo seu perfil) teria sofrido muita discriminação na infância – uma mágoa que obviamente ela parece não ter superado, mesmo tendo atingido o sucesso absoluto em sua carreira.

Os censores do Twitter brincaram de deuses e agiram como demônios. Mas, como diz a própria Bíblia, não há nada oculto que não venha a ser desvendado.

Nos próximos dias, Taibbi promete publicar as sequências dos Arquivos do Twitter, conforme conseguir processar a quantidade enorme de informações que obteve. Mas o que foi tuitado por ele na sexta-feira, 2 de dezembro, já dá a ideia do nível de interferência e da falta de vergonha na cara de Gadde e sua turma. Os documentos mencionam comunicações constantes entre as equipes dos presidenciáveis Joe Biden e Donald Trump e os censores do Twitter, durante a campanha de 2020. Sem nenhum pudor, funcionários da plataforma atendiam a pedidos das campanhas para moderar, censurar e banir conteúdo que consideravam prejudicial. Mais ou menos como vimos acontecer neste ano no Brasil, mas com uma empresa privada no lugar do TSE. E, assim como no Brasil, as solicitações do candidato à esquerda, Joe Biden, foram atendidas em muito mais ocasiões e com muito mais rigor que as solicitações do candidato à direita, Donald Trump.

A primeira leva de documentos também traz à tona a história do laptop de Hunter Biden (filho de Joe Biden), com detalhes impressionantes. As ações proativas do Twitter incluíram a suspensão da conta da então porta-voz da presidência, Kaleigh McEnany; a supressão de milhares de postagens que traziam conteúdo proveniente da reportagem do NY Post sobre o filho de Biden; e até mesmo a supressão de mensagens diretas, uma medida até então reservada apenas a casos extremos como a troca de mensagens criminosas entre pedófilos. 

Em princípio, a desculpa escolhida pelo “departamento de censura” do Twitter foi uma certa política de materiais hackeados, supostamente em vigor na plataforma. A desculpa foi usada pela primeira vez pela executiva de Políticas na ocasião, Caroline Strom. Mas, internamente, a história não colou. Um ex-funcionário do Twitter disse a Taibbi que “a política contra hacking era a desculpa, mas bastaram poucas horas para que todo mundo percebesse que isso não colaria. Acontece que ninguém teve a coragem de revertê-la”.

Este trecho, entretanto, é apenas a ponta de um iceberg que pode atingir fortemente o presidente americano, Joe Biden. Conforme Taibbi disponibilizar mais conteúdo, teremos dimensão exata do ‘golpe’ que as Big Techs aplicaram nos eleitores americanos. Aliás muitos desses eleitores já afirmaram categoricamente que teriam mudado seu voto de Joe Biden para Donald Trump se tivessem tido acesso à história de Hunter Biden. Os censores do Twitter brincaram de deuses e agiram como demônios. Mas, como diz a própria Bíblia, não há nada oculto que não venha a ser desvendado. Aguardemos os próximos capítulos.

Foto de Eduardo Negrão

Eduardo Negrão

Consultor político e autor de "Terrorismo Global" e "México pecado ao sul do Rio Grande" ambos pela Scortecci Editora.


Fonte: Jornal da Cidade Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9 9151-0643

Contato : (84) 9 9151-0643