martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2021

O inusitado esquema de “rachadinha” do PSOL e os “desvios” da cota parlamentar (veja o vídeo)

Quinta, 04 de Fevereiro de 2021

Os parlamentares têm acesso à infame cota parlamentar, que eles utilizam para, basicamente, fazer propaganda das próprias atividades políticas em Brasília.

Acontece que, no caso da deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP), muitos profissionais relacionados à comunicação da parlamentar, também são integrantes do partido dela e recebem “fortunas” para isso.

O questionamento que se faz é: os valores pagos a essas empresas e "comunicadores" ficam, de fato, com eles ou voltam em parte ou totalidade para o partido? Se comprovado, caracterizaria um esquema de fachada para financiar a legenda com dinheiro público.

David Miranda, deputado do PSOL pelo Rio de Janeiro, também fez repasses à Evag Comunicação e Tecnologia Ltda, mesma empresa que Sâmia pagou em 2020.

Um detalhe chama atenção nas transações bancárias efetuadas por Miranda. Ele paga, da própria cota, o equivalente a R$ 4.120,00, para Giovanny André Gonçalves Ferreira, secretário parlamentar do gabinete de Sâmia Bomfim.

Em seguida, mais uma “esquisitice” psolista, Marcelo Freixo (PSOL-RJ) pagou, em janeiro de 2020, a Pedro Aquino Paiva, filiado da sigla, R$ 4 mil. E Eduardo Alves de Carvalho, ex-integrante do PSOL, levou a quantia de R$ 10 mil, em novembro de 2020.

A lista é grande e a deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ) também faz parte dela. Realizou depósito “estranho”, de R$ 6 mil, a Grasielle dos Santos Ferreira, outra integrante da sigla.

Esses são apenas alguns exemplos. O PSOL tem onze deputados federais que podem ter as contas investigadas pelos órgãos competentes para explicar o motivo das transações bancárias a filiados do partido.

Sâmia, inclusive, é recorrente na prática. Em 2019, ela foi denunciada em episódio que ficou conhecido como “Farra dos Gastos”, na qual não soube explicar, detalhadamente, o que pagou com R$ 200 mil. Sabe-se que R$ 88 mil foram para uma empresa “fantasma” operada por Tiago Madeira e Adria Akemi Osato Meira. Ambos do PSOL.

Confira o vídeo:   Fonte: Jornal da Cidade Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055