martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

domingo, 29 de novembro de 2020

‘Não sou um criminoso, sou uma boa pessoa’, diz hacker preso pela PF por atacar sistemas do TSE

Domingo, 29 de Novembro de 2020

O hacker identificado como Zambrius, que atacou os dados da Justiça Eleitoral do Brasil e foi preso neste sábado, 28, pela Polícia Federal em Portugal, é um rapaz de 19 anos, que se diz “viciado” em programação de computador e portador da Síndrome de Asperger, que está dentro do espectro do autismo. Pessoas com Asperger têm certo grau de dificuldade na interação social e contato físico e podem desenvolver muita habilidade em temas de interesse específicos.

O Estadão apurou com fontes ligadas às investigações, tanto no Brasil como em Portugal, que o preso é Zambrius.

Em conversas com o Estadão feitas por e-mail, nos dias 17 e 18 deste mês, Zambrius, líder do grupo que assumiu a autoria do ataque ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no primeiro turno das disputas municipais, disse que não tinha a intenção de ajudar a impulsionar teorias conspiratórias contra a urna eletrônica. A troca de mensagens ocorreu num momento em que ele ainda era apenas suspeito de envolvimento nas invasões do site do tribunal.

O hacker é conhecido pelas autoridades de Portugal. A primeira detenção do português foi em 2017, quando ainda tinha 17 anos. A última foi em abril deste ano, sempre por envolvimento com ataques cibernéticos. Até então, as ações haviam lhe rendido medidas cautelares. Zambrius estava sob prisão domiciliar e obrigado a usar uma tornozeleira eletrônica, que aparece nas fotos enviadas à reportagem. O hacker conta que agiu por “diversão” e por ser contra governos.

O objetivo principal era demonstrar que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) continuava vulnerável mesmo depois de ter sido anunciado que tinham reforçado a segurança. Eu também incluí um pequeno “protesto” exigindo investigações nos estabelecimentos prisionais do Brasil, Portugal, e ao redor do mundo.

O ataque fez com que inúmeros apoiadores do presidente Jair Bolsonaro inundassem as redes sociais com acusações de fraude no sistema eleitoral do Brasil. O ataque não atingiu em nada a contagem de votos. Dar combustível para essa narrativa falsa era um objetivo?

A nossa intenção não era propulsionar essa “desinformação” de fraudes.

Você já esteve preso e é monitorado por autoridades portuguesas. O ataque fez com que fosse aberta uma investigação pela Polícia Federal, que possivelmente terá repercussões para você. Valeu a pena?

Sou apaixonado por “hacking” e sou considerado por muitos um ‘hacker vicioso’, um indivíduo que fica 24 horas estudando sistemas e procurando por novos conhecimentos. Tenho também a Síndrome de Asperger, que faz ser a pessoa que eu sou, um pouco diferente das outras. Mas eu não temo a diferença, eu gosto de ser diferente. Eu não sou um criminoso, sou uma boa pessoa que se preocupa com todas as outras, principalmente com o bem estar do mundo. Enfim, eu não temo ir preso.

Não, não recebemos nenhum pedido para realizar o ataque ao TSE.

Eu realizei tudo sozinho, apenas pedi ajuda a um elemento para que me enviasse uma imagem do doxbin [site usado para compartilhamento de informações privadas hackeadas] e dos arquivos para que eu pudesse ter uma noção como ficaria em uma tela de um computador.

Bem, a minha invasão ao TSE não afeta ou causa fraudes nas eleições, mas possivelmente exista algum documento que comprometa o TSE, é uma questão de explorar o banco de dados.

Eu não tenho envolvimento em atos políticos, tenho apenas em protestos antigoverno, nunca apoiei partidos, governos ou o quer que seja relacionado ao governo. #antigov

Você diz que usou uma “botnet” (controle de uma rede de dispositivos com internet) para o ataque DDoS (que gerou instabilidade no site) contra o TSE. Essas coisas precisam ser pagas, não? Usou bitcoin?

Eu nunca paguei ou fui financiado para obter ferramentas. A máquina de ataque (botnet) que o CyberTeam possui é pertencente ao Lizard Squad (grupo hacker que já prejudicou serviços de Microsoft e SOny).

Sim, mas se eu não posso sair de casa, como é que eu vou trabalhar para receber dinheiro? Roubar pela internet? Eu pratico hacking por gosto, não o levo por dinheiro, mas acesso a bancos não me faltam. Eu nunca paguei ou fui financiado para obter ferramentas, a máquina de ataque (botnet) que o CyberTeam possui é pertencente ao Lizard Squad.

Eu não tenho autorização de sair de casa.

Eu não ganho dinheiro.

Estadão Conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055