martins em pauta

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Augusto Nunes devolve Celso de Mello a sua condição de reles mortal: “Pavão de Tatuí”

Sexta, 28 de Fevereiro de 2020


Fotomontagem: Augusto Nunes e Celso de Mello


Próximo de finalmente dar adeus a sua condição de ministro do Supremo Tribunal Federal, vez que será obrigado a aposentar-se compulsoriamente no dia 1º de novembro de 2020, quando completa 75 anos de idade, o decano Celso de Mello resolveu no “canto do cisne” confrontar o povo brasileiro e o próprio poder executivo, atribuindo ao presidente da República, legitimamente eleito por mais de 57 milhões de votos, a condição de quem “não está à altura do altíssimo cargo que exerce (...)”.

Na verdade o ministro, desde que chegou ao STF, guindado ao cargo pelo ex-presidente José Sarney, age de acordo com as suas conveniências.

Seu ex-chefe e “padrinho” de sua indicação para o STF, o jurista Saulo Ramos, já falecido, ainda em vida revelou em um livro a verdadeira face daquele que um dia considerou seu pupilo: “um juiz de merda”.

E nesta quinta-feira (27), em um texto primoroso e sarcástico, o inigualável Augusto Nunes colocou o decano em seu devido lugar:
“O doutor Celso de Mello não se considera gente como a gente. Primeiro, porque não é apenas um ministro do Supremo Tribunal Federal. É O DECANO, título conferido ao mais antigo integrante do time da toga. Soa bem. Sobretudo, rima com o subdialeto falado por Celso de Mello: juridiquês castiço. Trata-se de um filhote disforme do português que torna majestoso o mais mambembe botequim.
Em homenagem aos viventes comuns, o decano às vezes solta um “Supremo Tribunal Federal”. Em momentos especialmente generosos, até se permite um "STF". Mas o que Celso de Mello saboreia com prazer afrodisíaco são três expressões sinônimas: 'Pretório Excelso', 'Colenda Corte' e 'Egrégio Tribunal'. Pretório era a denominação de um tipo de fortificação romana. Excelso quer dizer 'sublime'. 'Colendo' significa 'respeitável, venerando'. E egrégio quer dizer 'insigne, nobre, eminente'.
Aliás, o afetivo 'eminente' precede os nomes dos colegas de STF ou juristas que menciona em seus votos de dimensões sempre amazônicas. Uma sumidade dessas não poderia deixar de emitir seu parecer no assombroso besteirol gerado pelo vídeo que Jair Bolsonaro soltou num grupo de WhatsApp.
A conclamação para o ato contra o STF e o Congresso, decidiu nosso Rui Barbosa em compota, 'revela a face sombria de um presidente (...) que demonstra uma visão indigna de quem não está à altura do cargo que exerce e cujo ato de inequívoca hostilidade aos demais Poderes da República traduz gesto de ominoso despreço e de inaceitável degradação do princípio democrático'.
No fim do ano, a aposentadoria compulsória devolverá Celso de Mello à cidade paulista onde nasceu. Mas não precisa dizer mais nada para justificar o cognome que conquistou com palavrórios desse calibre: cem anos depois do Águia de Haia, o Brasil tem de conformar-se com o Pavão de Tatuí."
Que ele sobreviva na condição de reles mortal.

Fonte: R7 / Jornal da Cidade Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055