martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

segunda-feira, 19 de julho de 2021

Cuba, o Foro de São Paulo e o futuro do Brasil: Onde há esquerda, há mentira – e o engodo é a regra

Segunda, 19 de Julho de 2021

Os últimos dias proporcionaram um acontecimento indescritível: o povo cubano foi às ruas protestar contra a ditadura comunista que comanda o país com mão de ferro desde 1959. Sem o menor temor da repressão consequente de tal ato, milhares de cubanos demonstraram a total desesperança provocada pela escravidão imposta pelo regime vigente em Cuba.

Mal as notícias ganharam o mundo e tomaram às atenções, a esquerda brasileira tratou de minimizá-las. Lançou questionamentos quanto aos motivos da insatisfação, lançou mão de estatísticas falsas do país e reverberou a narrativa igualmente fantasiosa da pobreza cubana ser consequência do embargo americano. Onde há esquerda, há mentira – e o engodo é a regra.

Além da libertação do povo cubano após décadas de escravidão, crueldades e perseguições – motivo que basta para tomar partido pelos manifestantes –, há fatores que ligam a situação em Cuba ao nosso amado Brasil. Não apenas o futuro dos cubanos está em jogo em uma possível derrocada da ditadura comunista, mas o dos brasileiros e dos latino-americanos em geral.

O regime comunista cubano não está a par do que acontece no continente. Fidel Castro fundou junto com Lula e outros líderes esquerdistas o Foro de São Paulo, entidade com objetivo declarado de recuperar na América Latina o que foi perdido no Leste Europeu.

Longe de ser apenas um mero clube de debates para os devaneios de militantes de DCE e jovens de 68, o Foro de São Paulo estabelece estratégias e articulações conjuntas que servem de guia para toda a esquerda latino-americana. As atas e documentos assinados por partidos e chefes de Estado sepultam qualquer dúvida ainda restante sobre isso. Dali surgiu a quase totalidade dos presidentes da América do Sul na década de 2000, a época dourada da hegemonia esquerdista.

Que o Foro de São Paulo tenha passado despercebido por tanto tempo entre jornalistas e líderes políticos não é surpresa alguma. As articulações que ali aconteceram não viraram matérias do Jornal Nacional, e como no Brasil há a crença de que os fatos não noticiados pela grande mídia não existem, o Foro se tornou um segredo quase exotérico. Algum político do antigo PFL – o ápice do direitismo tolerado – tinha o menor conhecimento do assunto? Nenhum. Essa foi a nossa ‘’direita’’ por 30 anos – fato mais do que suficiente para explicar o triunfalismo petista nesse período.

Antes mesmo do Foro de São Paulo o regime cubano já interveio no Brasil. Quando a família Castro tomou o poder e instaurou a ditadura comunista naquele país, uma chama de esperança entre as forças antiamericanas havia sido acesa no continente. Para alimentá-la, o bloco soviético decidiu empreender operações de desinformação com o objetivo de propagar uma imagem sacrossanta de Cuba, colocando-a como farol da liberdade socialista.

A StB – serviço secreto tcheco – comandou os trabalhos com tal objetivo. Detalhe: a StB era o serviço de inteligência do bloco soviético responsável pelas atividades comunistas no Brasil – a KGB não atuava diretamente na maior parte dos países, designando tal atribuição aos seus pares de outras nações do bloco. Como tal, ela atuou no sentido de apresentar positivamente o regime cubano no país através da imprensa e de líderes políticos da época.

Não somente isso: a StB era o elo de ligação entre o regime comunista cubano e os guerrilheiros brasileiros. O desastre do voo VARIG 810 comprova isso. Nos destroços do avião que caiu no Peru foram encontrados documentos que ligavam as Ligas Camponesas – braço armado do PCB nas zonas rurais – ao governo cubano, além de manuais para a formação de guerrilhas e inúmeras bandeiras cubanas. Claramente se tinha uma intervenção estrangeira no Brasil advinda de outra nação. O presidente João Goulart nada fez, tampouco comunicou as nossas instituições do ocorrido. Os detalhes desse episódio só vieram ao conhecimento geral com o livro 1964: o elo perdido – o mesmo que serviu de base para o conhecido e caluniado documentário da Brasil Paralelo.

Este pequeno retrospecto que ofereço aos meus leitores prova que a situação em Cuba gera repercussões no Brasil e em todo continente, sendo de extrema importância que tenhamos um olhar atento aos rumos daquele país. O próprio serviço secreto cubano já interferiu em eleições de nossos países vizinhos, e nada garante que o Brasil esteja imune. A luta pela liberdade dos opositores contra o regime comunista merece nosso total apreço.

Alguns imbecis ridicularizam a preocupação com o Foro de São Paulo e tacham o anticomunismo como ‘’paranoia’’. O argumento é o mesmo: se em 13 anos no poder o PT não transformou o Brasil em uma ditadura comunista, não seria agora que isso aconteceria. Citam até a coexistência do governo petista com o livre mercado como prova inequívoca da ausência de tal perigo. Esquecem que a estatização total dos meios de produção é, segundo ninguém menos que Karl Marx, tarefa a ser realizada por séculos, sendo adiada indefinidamente. Controlar as massas, definir os termos da disputa política e fincar raízes no poder são mais importantes que jogar a burguesia na miséria, já que ela pode ser útil ao plano. Esperar pela sociedade comunista enquanto o movimento já controla o resto é a maior das tolices típicas do liberal médio.

A queda do regime comunista em Cuba daria a tão sonhada liberdade aos nossos irmãos cubanos, além de paz ao continente latino-americano. Cabe a nós brasileiros apoiarmos essa luta correta, e evitarmos a volta do petismo em 2022. Afinal, o PT não se importará em escravizar o Brasil em nome da causa.

  • Fonte: Jornal da Cidade Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055