martins em pauta

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020

RELEMBRADO O PASSADO: VEJA VÍDEO DO PRIMEIRO ASSALTO COM REFÉNS EM MOSSORÓ-RN NOS ANOS 80

Segunda, 03 de Fevereiro de 2020

Durante o assalto ao Banorte "Falconi" foi atingido com um balaço no meio do peito, dando um assustador urro, como se fosse um touro, quando é morto no abatedor.O assunto ganhou repercussão nacional e até hoje é lembrado pelos mossoroenses que acompanharam o desenrolar do crime.


A primeira tentativa de assalto com reféns em Mossoró, aconteceu em 1988, quando um jovem conhecido apenas por "Falconi", que há poucos dias havia chegado do Estado de São Paulo, e aqui, planejou o assalto ao antigo Banorte, localizado à Rua Idalino de Oliveira, no centro da cidade de Mossoró.O jovem "Falconi" era mossoroense, mas há anos que vivia na região Sul, e que já tinha sido preso por lá, acusado de envolvimento com coisas ilícitas. Tendo ganhado a liberdade, "Falconi" resolveu voltar à sua terra natal, Mossoró, no Rio Grande do Norte, talvez nesse sentido de continuar as suas desordens, já que por onde andou, os assaltos não seriam tão fáceis como aqui no Nordeste.Já com o plano feito e guardado em sua mente, isto é, de tentar arrancar uma boa quantia de dinheiro do Banorte, assim que o banco abriu as suas portas para atender os seus clientes, "Falconi" foi um dos primeiros que lá entrou, e com um revólver em uma das mãos, e na outra, uma seringa, segundo ele, era sangue contaminado com o vírus "HIV", o assaltante fez logo de refém um dos administradores do banco, o senhor Hamilton César Dantas, que ficou durante horas sobre a mira do revólver do delinquente, e a todo o momento, ele dizia que, se os diretores do banco não atendessem as suas exigências, iria aplicar o sangue contaminado do vírus "HIV" nas veias do refém.  Os clientes que estavam dentro da agência bancária, no momento do anúncio feito pelo assaltante, todos passaram a ser reféns, além do revezamento que o delinquente fez, trocando o Hamilton César Dantas, por outro administrador, chamado de Francisco Canindé Morais. A cidade estava em pânico, muita gente ocupou toda a Rua Dionísio Filgueira. A polícia já estava presente, mas nada podia fazer, e não iria arriscar o resgate do homem, antes que acontecessem as negociações com o jovem "Falconi". As emissoras de rádio mossoroenses transmitiam o andamento das negociações feitas pelas autoridades e policiais com o assaltante. Ali, ninguém entrava e nem ninguém saía. Um dos clientes que estava dentro do banorte, reconheceu o delinquente, e ligou para o seu tio, (Tota), que reside na Romualdo Galvão, comunicando-lhe que o seu sobrinho, o "Falconi" enrascara-se com a polícia, fazendo de refém um dos administradores do banorte. Foi solicitado a sua presença para tentar convencer o "Falconi" para uma possível entrega. Mas ao chegar, o marginal não obedeceu o que o seu tio lhe pedira, e continuava com as mãos ocupadas com o revólver e a seringa, com sangue contaminado com vírus "HIV". O Falconi estava nervoso, e de vez em quando, solicitava alimentos, e inclusive cerveja para ingerir e tentar acalmar os seus nervos. Vendo que o "Falconi" não se entregaria à polícia, as autoridades resolveram resgatar o refém, e sem uma outra alternativa, infelizmente o "Falconi" estava marcado para morrer. E logo os atiradores de elite posicionaram-se. Um fez gesto para o refém que se abaixasse. Foi neste momento, que o tiro saiu pelo cano. "Falconi" foi atingido com um balaço no meio do peito, dando um assustador urro, como se fosse um touro, quando é morto no abatedor. Como não aceitou a proposta do seu tio Tota a rendição aos policiais, finalmente "Falconi" estava sem vida, e o sangue vivo e escarlate, banhava todo o ambiente em que ele antes se encontrava com o refém.  Assim que recolheram o corpo do marginal "Falconi", que se encontrava estirado dentro da agência bancária, rodeado por um lençol de sangue, tangeram-no para o ITEP de Mossoró, para as devidas providências, as quais seriam feitas por peritos capacitados do próprio órgão. O revólver que o delinquente usava como arma, apesar da excelente perfeição, foi constatado que se tratava de uma arma de plástico (brinquedo). E a seringa com o suposto sangue contaminado com o vírus do "HIV", que a todo o momento ele ameaçava o refém, afirmando-lhe que o líquido seria injetado E a seringa com o suposto sangue contaminado com o vírus do "HIV", que a todo o momento ele ameaçava o refém, afirmando-lhe que o líquido seria injetado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055