martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

terça-feira, 24 de novembro de 2020

“Pessoal tem reclamado dos preços dos alimentos, tem subido, sim, além do normal. Também é uma consequência do ‘fique em casa’, que quase quebrou a economia”, diz Bolsonaro

Segunda, 23 de Novembro de 2020


Foto: Reprodução/Youtube

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta segunda-feira (23), que uma das consequências do isolamento social, por conta da pandemia do novo coronavírus, foi a alta no preço dos alimentos.

Cercado de apoiadores e seguranças, o presidente reconheceu o aumento de preços, mas disse que a responsabilidade não é dele. “Pessoal tem reclamado dos preços dos alimentos, tem subido, sim, além do normal. Também é uma consequência do ‘fique em casa’, que quase quebrou a economia”, destacou.

“Então tem muita coisa errada, sabemos disso, mas a responsabilidade tem que ser apontada para quem é de direito. Todo mundo aponta para mim essa questão dos alimentos, estou fazendo o possível para voltar à normalidade”, explicou o presidente.

“Se não tivesse feito aquelas medidas lá atrás, para ajudar pequenas e micro empresas, auxílio emergencial, estaria terrível aqui no Brasil”. (Jair Bolsonaro).

Bolsonaro disse que a população, às vezes, se “esquece” do período da pandemia, e destacou que o governo se endividou em quase R$ 700 bilhões para tomar medidas. Além disso, o presidente respondeu às críticas sobre o agronegócio ter que priorizar o mercado interno.

“Passam a criticar o tempo todo o agronegócio, falando que tem que vender aqui para dentro e não para fora do país. E olha a soja, ela tem que ser toda exportada, não tem como ser consumido tudo aqui dentro. E outra coisa, eu sou da lei da livre iniciativa, oferta e procura, e o mercado é quem diz se vai ser vendido aqui ou lá fora”, defendeu.

Bolsonaro disse que sofre “o tempo todo com mentiras, tentando desgastar o governo” e críticou a oposição. “Ao invés da esquerdalha mostrar o que fizeram no passado, não vão mostrar, porque só roubaram, não adianta mostrar. Então tem que caluniar os outros”, afirmou.

“E mais, o governo federal, com as medidas que tomou, evitou algo muito pior do que o aumento de alguns alimentos. Que foi o que? Desabastecimento. Se o campo tivesse ficado em casa, não teríamos comida aqui, o Brasil estaria pegando fogo. É isso que a esquerda quer, que o Brasil pegue fogo para dizer que eles são os salvadores da pátria”, emendou.

Desmatamento e queimadas

Bolsonaro ressaltou aos seus apoiadores um vídeo, postado em suas redes sociais nesta manhã, que mostra como é tratado o agronegócio no Brasil. “Para mostrar que não é da forma que dizem que nós tratamos, de forma mentirosa falam que nós tacamos fogo em tudo. Nós não plantamos na Amazônia e criticam a derrubada (de árvores). Então, são críticas infundadas e tem objetivo comercial”, defendeu.

O Chefe do Executivo ainda voltou a criticar a hipocrisia dos países que exigem maior compromisso no combate aos crimes ambientais. “Pergunta na Europa o que é mata ciliar. Não tem um palmo de mata na margem dos rios. Ninguém tem um código rural como o nosso. Aqui o produtor rural é obrigado a preservar, na região da Amazônia, 80% da floresta”, explicou Bolsonaro.

“O que o mundo vê na Amazônia? A floresta? Se for a floresta, nós estamos prontos para fornecer mudas para eles reflorestarem seus países. E por que tanta crítica ao Brasil? É por causa do comércio, do agronegócio. Somos uma potência em exportação de commodities e eles querem que cada vez mais nós produzamos menos, para não prejudicar seus mercados lá fora”, afirmou.

Ele ainda voltou a defender a técnica não comprovada de combate as queimadas, de usar o gado como forma de evitar a propagação de incêndios. “Você vê o fogo no Pantanal. No passado, podia deixar o boi comer o capim na área preservada, hoje não. Então acumula uma massa vegetal morta muito grande, quando vem o fogo ele incendeia e o negócio vira uma barbaridade”, disse.

Para Bolsonaro, o que falta é compreensão da população, que não tem o conhecimento das coisas. “Passaram aí 30 anos com Paulo Freire, só aprendendo abobrinha, sabem nada, nem uma tabuada sabem, e querem dar palpite sobre economia”, diagnosticou.

Sobre as notícias de que o agronegócio vendeu para fora do País por preços mais baratos do que os comercializados dentro do Brasil, Bolsonaro disse que isso é “tão absurdo que dá nem para comentar”.

Demarcação de terras indígenas

Bolsonaro voltou a defender o uso de terras demarcadas para exploração e ressaltou que o assuntos, que antes era um pesadelo para o produtor rural, agora é algo que “tem que estar muito bem explicado” para acontecer em seu governo.

“Dá para imaginar a pressão que eu sofro fora do Brasil? No passado, quando um governo, o presidente viajava, ao voltar, no Diário Oficial, tinha lá tudo quanto é demarcação de terra indígena, ampliação de parque e reserva, o que cada vez mais inviabilizava nossa agricultura, agora inverteu completamente isso”, disse.

“Qual era o grande temor do agricultor, falando aí em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás? Era acordar e saber que a sua terra estava sendo demarcada. No meu governo, você ouviu alguma coisa sobre isso?” (Jair Bolsonaro)

Bolsonaro continuou a defender as mudanças impostas pelo governo e deu também como exemplo a educação. “Não é fácil mudar. Você não vê mais coisa errada em sala de aula, você não vê livro editado por nós ensinando a criancinha o que você não quer que ela aprenda. Temos na educação um ministro que é competente e é pastor, alguém poderia imaginar?”, ressaltou.

“Eu não quero que falem bem do Brasil, eu quero que falem a verdade”, encerrou.

R7

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055