martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

segunda-feira, 29 de março de 2021

Abracadabra! Por que Doria mentiu e envolveu a ciência brasileira nessa mentira?

 

Segunda, 29 de Março de 2021

Então, maravilhados, os brasileiros ouviram as palavras mágicas pronunciadas por João Dória. Palavras mágicas que iriam livrar todo país da pandemia:

“Este é um anúncio histórico para o Brasil e para o mundo. A ButanVac é a primeira vacina 100% nacional, integralmente desenvolvida e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, que é um orgulho do Brasil. São 120 anos de existência, o maior produtor de vacinas do Hemisfério Sul, do Brasil e da América Latina e agora se colocando internacionalmente como um produtor de vacina contra a COVID-19”, disse Doria.

Uai! Hocus Pocus! Orgulho nacional. Todos com o peito estufado. Os cientistas brasileiros finalmente mostraram ao mundo como a educação de Paulo Freire é eficiente. Mostramos ao mundo nosso valor!

Entusiasmado, Ricardo Palacios, diretor médico de pesquisa clínica do Instituto Butantan, disse:

- “Nós sabemos produzir a ButanVac, temos tecnologia para isso, e sabemos também que vacinas inativadas são eficazes contra a Covid-19. Poder entregar mais vacinas é o que precisamos em um momento tão crítico”.

Palmas! Abracadabra! Em segredo os cientistas brasileiros pesquisaram e em tempo recorde desenvolveram nova vacina. Que máximo! Somos um mistério para o mundo!

Todo pimpão, o Diretor-presidente do Butantan, Dimas Covas, afirmou:

- “Entendemos a necessidade de ampliar a capacidade de produção de vacinas contra o coronavírus e da urgência do Brasil e de outros países em desenvolvimento de receberem o produto de uma instituição com a credibilidade do Butantan...” 
Que beleza!

Só que era tudo mentira, embuste, ardil, aboiz, alicantina, arapuca, armadilha, arteirice, artifício, artimanha, astúcia, batota, blefe, burla, cambalacho, cilada, conluio, dolo, embromação, embrulho, endrômina, engano, engenho, engodo, enredo, esparrela, falcatrua, farsa, fraude, golpe, impostura, insídia. Intriga, lábia, logro, manha, manobra, maquinação, mutreta, obra, pabulagem, patifaria, perfídia, raposice, ratoeira, sagacidade, trama, tramoia, trapaça, trapalhada, tratantada, treta, truque, velhacaria, subterfúgio...

A jornalista Ana Bottallo, da Folha, fez o trabalho que todo jornalista deveria fazer: investigar notícias espetaculares de políticos.

Eis a manchete da Folha:

Hospital Mount Sinai, de NY, diz que desenvolveu vacina anunciada como 100% brasileira pelo Butantan.

A jornalista desmontou toda mentira de Dória e sua equipe de cientistas, que de forma vergonhosa aceitaram participar do embuste:

“Palese e outro diretor de pesquisa do Mount Sinai, Adolfo Garcia Sastre, têm a patente do modelo de vacina a partir do vírus da doença de Newcastle no registro europeu de patentes desde 2018”.
- "Realizamos com sucesso experimentos com nossa vacina baseada no vírus da doença de Newcastle [NVD, um tipo de gripe aviária]. Enquanto isso, iniciamos testes de fase 1 no Vietnã e na Tailândia com a nossa nova geração (melhorada) de vacina de Covid. Estamos conduzindo um teste de fase 1 aqui no Mount Sinai".

E continuou:

"Sim, também temos um acordo com o Instituto Butantan para entrar em testes clínicos no Brasil usando nosso vetor de vacina NVD. Também estamos desenvolvendo vacinas para variantes da Covid-19 baseadas nas versões sul-africana e brasileira para o Instituto Butantan."
“Além de deter o conhecimento da patente tecnológica, o hospital Mount Sinai, segundo afirmou Palese, foi responsável por conduzir os ensaios pré-clínicos, feitos em animais em laboratório, que antecedem os testes em humanos”.
“A tecnologia, portanto, é americana, e foi divulgada em duas publicações em revistas científicas em 2020, uma na revista EBioMedicine, em novembro, e outra no periódico Vaccines, em dezembro”.
“Palese, em seu e-mail corporativo, disse que, além de ser o detentor da patente do vetor é o responsável pelo desenvolvimento da vacina no hospital”.

E o Butantan confessou a mentira:

“Após publicação de reportagem da Folha, o Butantan admitiu parceria com o hospital e disse que tem a licença de uso e exploração de parte da tecnologia que foi desenvolvida nos EUA”.

E ficamos com cara de paspalhos perante o mundo! A verdade é essa:

a) A vacina não foi desenvolvida pelos cientistas brasileiros;

b) A patente é americana e somente parte dela foi cedida ao Butatan;

Por que João Dória mentiu e envolveu a ciência brasileira nessa mentira?

Por que cientistas, médicos e o Butantan aceitaram participar desse engodo?

São ingênuos?

Não sabiam?

Foram manipulados?

Essa é a maior Fake News do ano!

Finalizo com o discurso de Rui Barbosa, O Reino da Mentira:

“Mentira toda ela. Mentira de tudo, em tudo e por tudo. Mentira na terra, no ar, até no céu, onde, segundo o padre Vieira (que não chegou a conhecer o sr. Urbano Santos), o próprio sol mentia ao Maranhão, e direis que hoje mente ao Brasil inteiro.
Mentira nos protestos. Mentira nas promessas. Mentira nos programas. Mentira nos projetos. Mentira nos progressos. Mentira nas reformas. Mentira nas convicções. Mentira nas transmutações. Mentira nas soluções. Mentira nos homens, nos atos e nas coisas. Mentira no rosto, na voz, na postura, no gesto, na palavra, na escrita. Mentira nos partidos, nas coligações e nos blocos. Mentira dos caudilhos aos seus apaniguados, mentira dos seus apaniguados à nação.
Mentira nas instituições. Mentira nas eleições. Mentira nas apurações. Mentira nas mensagens. Mentira nos relatórios. Mentira nos inquéritos. Mentira nos concursos. Mentira nas embaixadas. Mentira nas candidaturas. Mentira nas garantias. Mentira nas responsabilidades. Mentira nos desmentidos. A mentira geral. O monopólio da mentira.
Uma impregnação tal das consciências pela mentira, que se acaba por se não discernir a mentira da verdade, que os contaminados acabam por mentir a si mesmos, e os indenes, ao cabo, muitas vezes não sabem se estão, ou não estão mentindo.
Um ambiente, em suma, de mentiraria, que, depois de ter iludido ou desesperado os contemporâneos, corre o risco de lograr ou desesperar os vindouros, a posteridade, a história, no exame de uma época, em que à força de se intrujarem uns aos outros, os políticos, afinal, se encontram burlados pelas suas próprias burlas, e colhidos nas malhas da sua própria intrujice, como é precisamente agora o caso”. (Rui - Campanha Presidencial, Bahia, 1921, págs. 77-78).


Fonte: Jornal da Cidade Online 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055