martins em pauta

sábado, 13 de abril de 2019

Morar na Lua? Projeto cria condições para que logo seja possível

Sábado, 13 de Abril de 2019


Projeção da visão da Terra a partir da aldeia a ser criada no polo sul da Lua Foto: (Divulgação)

Se a ideia de morar na Lua povoava os sonhos de nossos pais e avós, está cada vez mais próxima de se tornar realidade. A empresa de arquitetura Skidmore, Owings & Merrill (SOM) apresentou uma proposta para criar uma comunidade permanente: a Moon Village (Aldeia da Lua), “o primeiro assentamento humano permanente na superfície lunar”.

A iniciativa vem sendo desenvolvida junto à Agência Espacial Européia (ESA) e ao Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e pretende resolver uma série de problemas que atualmente impedem os humanos de se mudarem para lá.

“A Aldeia da Lua deve ser capaz de sustentar a vida humana em um cenário inabitável. Temos que considerar problemas sobre os quais ninguém pensaria na Terra, como proteção contra radiação, diferenciais de pressão e como fornecer ar respirável. O projeto apresenta um desafio completamente novo para o campo do design arquitetônico”, disse o parceiro de design da SOM, Colin Koop.


O plano é levar cápsulas infláveis pressurizadas – que abrigariam espaços de trabalho, residências, controle ambiental e sistemas de suporte à vida – e se instalar na borda da Cratera Shackleton, perto do Pólo Sul da Lua, que recebe luz do dia contínua durante todo o ano lunar.

Na parceria, eles utilizam seus conhecimentos para completar o projeto: a empresa supervisionou arquitetura, engenharia, planejamento urbano e design sustentável; a ESA forneceu a especialização do Centro Europeu de Astronautas e do Centro Europeu de Pesquisa e Tecnologia Espacial; e o MIT envolveu o departamento de engenharia aeroespacial da faculdade.

Os módulos infláveis têm proteção para torná-los resistentes a temperaturas extremas, projéteis, poeira e radiação solar e poderiam se expandir para três ou quatro andares, aumentando o espaço vital no futuro. A água, localizada em depressões perto do Pólo Sul e congelada, seria extraída para criar ar respirável, além de funcionar como propulsor de foguetes para o transporte e apoio de atividades industriais.

A proposta se encaixa no plano estratégico da NASA de “estender a presença humana mais profundamente ao espaço e à Lua para uma exploração e utilização sustentável a longo prazo”.

Globo, via Casa Vogue

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055