martins em pauta

domingo, 13 de janeiro de 2019

Justiça italiana recebe pedido de coleta de DNA de CR7, acusado de estupro

Domingo, 13 de Janeiro de 2019 

por Folhapress
Foto: Reprodução / Instagram

O Ministério da Justiça italiano anunciou, nesta sexta-feira (11), que recebeu o pedido de coleta de DNA de Cristiano Ronaldo feito pela polícia de Las Vegas (EUA) como parte das investigações da acusação de estupro feita por Kathryn Mayorga. A informação é do jogador Corriere della Sera.

O governo italiano está analisando o pedido para ver se há compatibilidade entre o processo criminal na Itália e nos EUA. Se existir concordância, será requisitado o exame do atacante da Juventus.

Na última quinta-feira (10), Ronaldo prometeu realizar o exame de DNA para ajudar a polícia americana.

Kathryn Mayorga alega que o astro do futebol mundial abusou sexualmente dela em um hotel de Las Vegas, em 2009, após ambos se conhecerem em uma festa; o português, a princípio, tratou o caso como um "espetáculo midiático".

A defesa de Ronaldo, em comunicado divulgado no início da noite de quinta, manteve a posição sobre a "natureza consensual" da relação e declarou ver a convocação como uma "parte padrão da investigação" e corroborou com a informação de que o astro colaborará com o pedido da polícia.

O processo mostra que o português supostamente pagou cerca de R$ 1,5 milhões na cotação atual em troca do silêncio da americana. A história se tornou pública somente no ano passado, e Kathryn Mayorga alega que a suposta agressão sexual de Ronaldo trouxe traumas psicológicos, acumulados pelo período em que se calou.

A acusação de estupro desencadeou outra crítica pública por parte de uma mulher. Ex-participante do Big Brother de Celebridades na Inglaterra, a modelo Jasmine Lennard afirmou que manteve um relacionamento secreto de uma década com o craque da Juventus, no qual acabou submetida a abusos psicológicos e sofreu, supostamente, até ameaças de morte.

A defesa de Cristiano Ronaldo, ao TMZ, negou qualquer relação amorosa com a britânica.

"O senhor Ronaldo não tem qualquer lembrança específica de conhecer a Srta. Lennard há dez anos ou em qualquer ponto da vida. Ele não teve relacionamento com ela e qualquer contato nos últimos 18 meses, como a Srta. Lennard sugere", disse, em comunicado, a defesa de Cristiano Ronaldo.

O português vai entrar com um processo contra Lennard, que usou as redes sociais para realizar as acusações contra o camisa 7 da Juve.

DETALHES DO PROCESSO
O processo diz que Ronaldo encontrou a mulher no Palms Hotel and Casino em 13 de junho de 2009. O jogador a convidou, junto com uma amiga e outras pessoas, para sua suíte e chamou Mayorga para a jacuzzi, oferecendo uma camiseta e bermuda para ela.

A mulher se trocou, e o português pediu que ela fizesse sexo oral. Mayorga se recusou, e Ronaldo a levou para a cama e a estuprou enquanto ela gritava "não, não, não". O processo ainda diz que a vítima reportou o ocorrido à polícia e foi examinada em um hospital.

Segundo o processo, inicialmente, ela se recusou a identificar Ronaldo para a polícia, com medo de ser humilhada publicamente. Semanas depois, Mayorga falou o nome do jogador à polícia, e um detetive disse que ela seria submetida a retaliação e suas ações retratadas como tentativas de extorsão, de acordo com o processo. O mesmo foi dito por uma enfermeira.

"O trauma psicológico da agressão sexual, o medo de humilhação pública e a retaliação da polícia e dos médicos a deixaram apavorada e incapaz de agir ou se defender", diz o processo.

O documento também fala que Ronaldo contratou uma equipe para monitorar Mayorga, seus amigos e sua família para prevenir a divulgação pública das alegações. O processo também acusa Ronaldo de causar sofrimento emocional e abuso de pessoa vulnerável.

De acordo com o processo, a vítima se manteve em silêncio, sua saúde emocional foi prejudicada pelo estresse, e ela diz que lutou para manter relacionamentos e empregos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055