martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

segunda-feira, 20 de julho de 2020

Pesquisa da UFRN desenvolve reator para tratamento de maiores volumes de águas residuárias em menor tempo

Segunda, 20 de Julho de 2020

O desenvolvimento físico do produto foi realizado nas dependências do Laboratório de Eletroquímica Ambiental e Aplicada (LEAA) – Foto: Anastácia Vaz

Um reator eletroquímico com efetiva função para tratamento de rejeitos domésticos, hospitalares, das indústrias têxteis e das indústrias do petróleo, que não utiliza de agentes químicos tóxicos para realizar o tratamento – nem agentes biológicos, é o resultado do mais novo depósito de pedido de patente da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

As discussões sobre tratamento de águas residuais vêm sendo desenvolvidas há muito tempo, visto que há preocupação sobre como a sociedade descarta o que produz. Segundo Djalma Ribeiro da Silva, um dos cientistas autores do pedido, o tratamento dos efluentes é relevante pois estas ‘águas descartadas’ contêm altas concentrações de matéria orgânica, capazes de poluir o meio ambiente quando são despejadas diretamente em rios, oceanos ou mananciais. Ele pontuou que, sem o tratamento, os processos de regeneração dos biomas ficam prejudicados, o que pode comprometer o acesso das futuras gerações aos recursos naturais.

Por sua vez, Júlio César Oliveira da Silva, doutorando, autor da tese que deu início ao desenvolvimento da nova tecnologia, explicou que procurou, em sua pesquisa, gerar novas técnicas ou aprimorar algumas, de forma a ter uma utilidade para a sociedade. “Devido à sua estrutura inovadora, o reator permite ao processo de tratamento em fluxo, em que o efluente passa pela primeira câmara interna do reator e, logo em seguida, pela segunda câmara interna do reator antes de retornar ao reservatório, uma otimização ao processo de oxidação anódica, permitindo o tratamento de maiores volumes de águas residuárias em menor tempo, consequentemente diminuindo os custos operacionais”, colocou o estudante do Programa de Pós-graduação em Química e professor de Ensino médio da Secretaria de Estado da Educação, da Cultura, do Esporte e do Lazer do RN.

O terceiro autor do pedido de patente, o docente Carlos Alberto Martínez Huitle, listou vantagens da invenção. “Destaca-se, por exemplo, a sua facilidade de transporte e montagem para fins de tratamento de efluentes contendo uma larga faixa de contaminantes orgânicos e inorgânicos, das mais variadas concentrações, o que favorece seu emprego nos processos de tratamento e na pesquisa em planta piloto e sua posterior aplicação nas próprias indústrias que produzem as águas residuárias ou nas estações especiais de tratamento”, afirmou Carlos Alberto.

Há um crescente aumento dos índices de contaminantes em países em desenvolvimento e industrializados, principalmente os caracterizados como Poluentes Orgânicos Persistentes, os POPs, e os Hidrocarbonetos Aromáticos derivados de petróleo, os HPAs, que não são facilmente degradados em processos de tratamentos convencionais de efluentes, dos esgotos domésticos e hospitalares, do descarte das indústrias têxteis e das indústrias do petróleo.

O depósito de pedido de patente foi denominado Reator eletroquímico de dupla câmara interna e ânodo biativado para tratamento de efluentes. O dispositivo utiliza da energia elétrica, seja ela solar ou convencional, e foi projetado para tratar maiores volumes de efluentes do que os que são pesquisados no laboratório, de forma a ser empregado em estações de tratamento. A característica é possível pois o reator utiliza duas faces de trabalho do ânodo otimizando o tratamento, ou seja, diminui o tempo de tratamento consequentemente reduz o gasto energético. “É um equipamento versátil que pode utilizar tanto ânodos de oxidação direta como também de oxidação indireta, sendo de fácil montagem e locomoção. Nos testes aos quais foi submetido apresentou ótimos resultados” citou Júlio César.


Júlio César Oliveira da Silva, autor da tese que deu início ao desenvolvimento da nova tecnologia, procurou gerar novas técnicas com utilidade para a sociedade – Foto: Anastácia Vaz

Agir/UFRN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gibira
    É só parar de investir em balbúrdia e investir em pesquisas , ciências e tecnologia que o resultado é positivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055