martins em pauta

domingo, 6 de janeiro de 2019

MAIS DE 2 MIL FRANGOS SÃO QUEIMADOS VIVOS EM ATAQUE A CAMINHÃO, EM CAUCAIA

Domingo, 06 de Janeiro de 2018


Crime faz parte de uma série de 75 ataques ocorridos no Ceará desde quarta-feira. Força Nacional de Segurança chegou ao Ceará para reforçar a segurança no estado.

Um grupo de criminosos incendiou um caminhão carregado com galinhas vivas na madrugada deste sábado (5) na cidade de Caucaia, Região Metropolitana de Fortaleza. A proprietária do veículo informou que cerca de dois mil frangos morreram queimados. Segundo a polícia, o crime faz parte de uma série de ataques criminosos que atinge o ceará desde a noite de quarta-feira (2) e atingiu ônibus e prédios públicos, como prefeituras, delegacia e fóruns do estado.

O número de ataques criminosos chegou a 75, desde o início da onda de violência até este sábado. Ao todo, 50 pessoas foram presas , conforme a Secretaria da Segurança Pública do Ceará. Agentes da Força Nacional chegaram ao estado para reforçar a segurança após a onda de violência.

Durante o ataque ao caminhão de frangos, os criminosos ordenaram que o motorista e o ajudante deixassem o veículo. Os bandidos jogaram combustível e queimaram o veículo e toda a carga.

A proprietária do caminhão, Rosângela Freitas, disse que os frangos estavam em 300 caixas. A carga seria entregue em um estabelecimento para comercialização. Rosângela informou que ainda está contabilizando o prejuízo.

A polícia e o Corpo de Bombeiros foram acionados, mas já encontraram o caminhão totalmente em chamas. Os suspeitos fugiram.

Onda de violência

Criminosos queimaram ônibus e atacaram prédios públicos no Ceará desde a noite de quarta-feira. Uma bomba foi explodida na coluna de um viaduto na BR-020, em Caucaia, mas o equipamento passou por obras e não corre o risco de desabar. Dois idosos e um motorista de ônibus ficaram feridos em um dos ataques. Os crimes ocorreram em 24 cidades.

A Secretaria da Segurança e Defesa Social do Ceará ainda não se pronunciou sobre o motivo dos ataques no estado.

O presidente do Conselho Penitenciário do Estado do Ceará, Cláudio Justa, afirma que os atentados são represália à fala do secretário de Administração Penitenciária (SAP), Luís Mauro Albuquerque, sobre maior rigor na fiscalização dos presídios. O secretário afirmou também que "o Estado não deve reconhecer facção" em presídios.

Atualmente, os membros de facção presos no Ceará são organizados nas unidades prisionais conforme o grupo criminoso a que pertencem. O secretário afirmou que pretende acabar com essa divisão.


Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055