martins em pauta

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

JUSTIÇA AUTORIZA VINDA DE MARCELO PILOTO PARA O PRESÍDIO FEDERAL DE MOSSORÓ-RN

Quarta, 30 de Janeiro de 2019


Marcelo Piloto foi expulso do Paraguai dia 18 de dezembro, após assassinar uma mulher dentro da prisão. Foto: Divulgação/Polícia do Paraguai

A Vara de execuções Penais do Rio de Janeiro autorizou a transferência de um dos maiores líderes da facção criminosa Comando Vermelho (CV). Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, 43 anos, o Marcelo Piloto, está atualmente na penitenciária federal de Catanduvas, no Paraná. A concretização da transferência para Mossoró só depende agora de autorização da Justiça Federal do RN.
No presídio potiguar, localizado na região Oeste do Rio Grande do Norte, encontra-se presa a única pessoa que segundo informações da polícia tem mais poder que Marcelo Piloto dentro do CV: Luiz Fernando da Costa, 51 anos, o “Fernandinho Beira-Mar”.

A decisão que autoriza a transferência foi dada pelo juiz Rafael Estrela. O entendimento dele é que se o traficante retornar para o Rio de Janeiro isso pode impactar na sensação de insegurança que já existe naquele estado.
“A permanência do apenado fora dos limites do estado do Rio de Janeiro é um importante obstáculo ao fluxo de comunicações entre tais líderes e seus comandados, no que tange a transmissão de ordens ilícitas, o que viabiliza a continuidade da austera política de segurança pública implementada pelas autoridades fluminenses”, disse, na decisão.

Marcelo Piloto foi expulso do Paraguai em novembro

Marcelo Piloto passou 10 anos foragido. Foto: Divulgação/Polícia do Rio de Janeiro

Marcelo Piloto foi preso no Paraguai em dezembro de 2017, após dez anos foragido. Ele se mudou para o país vizinho em 2012. Lá usava uma identidade falsa e se mudava a cada seis meses. A mudança aconteceu após ele ser promovido e se tornar “matuto”, como são chamados os fornecedores de armas e drogas. De acordo com a polícia, ele seria o maior “matuto” do CV fora do Brasil.

No Paraguai, ganhou notoriedade após um plano de fuga que envolveu a explosão de um carro bomba para libertá-lo. O episódio, em outubro de 2018, resultou na morte de três supostos integrantes do CV. Em novembro, pouco antes de ser expulso, ele concedeu uma entrevista coletiva dentro do prédio onde funciona o grupamento especializado da Polícia Nacional, que seria um quartel para onde eram levados presos que requerem algum cuidado especial.

Por fim, em 17 de novembro, ele usou uma faca de sobremesa para matar, com pelo menos 16 facadas, Lidia Meza Burgos, de 18 anos, que foi visitá-lo. Após isso, o presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, anunciou sua expulsão. O assassinato teria sido uma ação desesperada para evitar a extradição para o Brasil. Marcelo Piloto é condenado pela Justiça do Rio de Janeiro a uma pena de 26 anos de prisão. No Paraguai, o narcotraficante estava preso por homicídio e falsificação de documentos.


OP9

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055