martins em pauta

domingo, 27 de janeiro de 2019

Desembargadora diz que ideia de executar Jean Wyllys era ‘piada’

Domingo, 27 de Janeiro de 2019 

Foto: Reprodução / Instagram

A desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, disse que tratavam-se de "brincadeiras" seus comentários a respeito do deputado Jean Wyllys (Psol-RJ). Segundo o parlamentar, a magistrada disse num grupo no Facebook que ele deveria ser executado, por ser a favor de uma "execução profilática". "O problema da esquerda é o mau humor", minimizou.

"Isso foi falado no meu Facebook particular com um amigo, que não era magistrado. E o nome dele [Jean Wyllys] surgiu aleatoriamente na conversa. Eu não sugeri nada de morte dele. Meu amigo é que sugeriu que se houvesse... porque naquela época, tem uns três anos, se discutia intervenção militar, começaram a falar de intervenção militar, se os militares voltassem, o que iriam fazer. E esse meu amigo, de brincadeira – porque era tudo brincadeira no Face, até porque eu só usava o Face naquela época para brincadeira mesmo –, falou ‘mas quem você acha que seria fuzilado?’. Aí eu falei, de brincadeira também: ‘Quem não escaparia de um fuzilamento profilático eu acho que seria o Jean Wyllys’. Mas só isso. Não sugeri que ele fosse morto”, garantiu ao ConJur.

Em recente entrevista à Folha na qual anunciou que não tomara posse como deputado federal, o baiano relatou: “A violência contra mim foi banalizada de tal maneira que Marília Castro Neves, desembargadora do Rio de Janeiro, sugeriu a minha execução num grupo de magistrados do Facebook. Ela disse que era a favor de uma execução profilática, mas que eu não valeria a bala que me mataria e o pano que limparia a lambança. Na sequência, um dos magistrados falou que eu gostaria de ser executado de costas. E ela respondeu: ‘Não, porque a bala é fina’. Veja a violência com homofobia dita por uma desembargadora do Rio de Janeiro. Como é que posso imaginar que vou estar seguro nesse estado que represento, pelo qual me elegi?”

De acordo com a magistrada, o deputado federal faz declarações irônicas, mas, quando é alvo delas, diz que foram feitas a sério. Ela nega que tenha contribuído para o clima de homofobia e violência relatados pelo deputado. E duvida que ele seja sincero quanto aos motivos alegados para deixar o país. “Não sei qual é a razão pela qual ele está saindo. Eu posso até ter uma opinião a respeito, eu posso imaginar a razão, mas acredito que não é essa que ele declarou. Espero que ele seja muito feliz nessa opção, de sair do país, e que em breve se descubra a razão real da saída dele”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055