martins em pauta

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

COLOSTOMIA: saiba como funciona a bolsa intestinal para retirada de fezes e gases que Bolsonaro está usando e só irá retirar nos próximos meses

Reprodução Facebook
Para prevenir risco de infecções, uma colostomia provisória foi realizada em Jair Bolsonaro. Isso significa que o trajeto do intestino foi redirecionado do ânus para a área externa da barriga, mais precisamente para uma bolsa coletora de fezes. Segundo os médicos, ele deve permanecer com a bolsa por até 90 dias.
A colostomia foi o procedimento escolhido porque a perfuração da faca na barriga provocou derramamento de fezes dentro da cavidade abdominal. “A fim de evitar o risco de a lesão abrir dentro da cavidade, que está contaminada, levou-se a lesão para fora até a melhora da infecção e do estado geral do paciente”, explica o gastrocirurgião Marcos Belotto, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.
A colostomia é uma exteriorização do cólon intestinal. Ou seja, há um redirecionamento do intestino, que chega até a pele da barriga. Ali é acoplada uma bolsa plástica de 500 ml para onde irão as fezes.
“A bolsa fica acoplada muito perto da pele e se você coloca carvão ativado dentro dela não fica odor. Há muita gente que tem colostomia e ninguém percebe”, explica.
Com o uso da bolsa intestinal, não há como controlar a vontade de ir ao banheiro. As fezes saem naturalmente do intestino para a bolsa, geralmente entre meia hora e uma hora após as refeições. “Não há cólica. O paciente só sabe porque a bolsinha fica mais pesada”, diz. A consistência das fezes costuma ser pastosa.
O esvaziamento da bolsa pode ser feito conforme ela vai enchendo, de uma a três vezes ao dia – ela deve ser esvaziada diretamente no vaso sanitário. “Existem dois tipos de bolsa: a transparente e a bege; esta não permite ver as fezes”, afirma o médico.
A bolsa é trocada a cada 5 dias pela própria pessoa e pode ser feita em casa. Belotto explica que existe um tampão que pode substituir a bolsa em ocasiões esporádicas, para permitir o uso de roupas mais justas, biquíni ou sunga. “Já para dormir, a bolsa não atrapalha, pois o intestino fica mais em repouso”.
A dificuldade mais comum ao usar bolsa intestinal é não saber acoplá-la direito, segundo o cirurgião. “Ela fica meio frouxa e acaba de deslocando do corpo”, diz. Nesse caso, pode haver vazamento.
Ele explica que algumas pessoas precisam usar a bolsa a vida toda e estão muito bem adaptadas. “Existe um mito entorno da bolsa de estomia, um trauma muito maior do que ela é de fato. Ela é bem adaptável à vida diária”, afirma.
Em caso de colostomias provisórias, como está previsto para Bolsonaro, a reversão do procedimento é feita por meio de cirurgia e consiste em unir o pedaço do intestino que está dentro com o que está fora do corpo.
R7

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055