martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

segunda-feira, 29 de março de 2021

Satélite espacial da Nasa detecta 2.200 possíveis planetas

Segunda, 29 de Março de 2021

Foto: Stocktrek Images/Getty Images

A NASA divulgou recentemente os resultados de seu satélite TESS, enviado ao espaço com o objetivo de descobrir exoplanetas (planetas que orbitam estrelas brilhantes, como é o caso da Terra em relação ao Sol). De acordo a agência norte-americana, mais de 2.200 possíveis planetas foram encontrados desde o início da sua missão, em 2018. O resultado supera as estimativas iniciais do projeto: a previsão era de que o satélite encontrasse 1.600 planetas em seus dois primeiros anos no espaço.

Agora, será necessário confirmar a existência de todos esses planetas — checando se atendem a padrões de medidas gravitacionais, olhando o aspecto deles com imagens de alta resolução e fazendo um processo chamado classificação estelar. Até o momento 120 planetas já foram confirmados. Entre eles, estão centenas de planetas “menores” e rochosos, que, de certo modo, se assemelham a alguns aspectos da Terra.

Entre as descobertas marcantes da missão, estão: a descoberta do TOI 849b, um planeta a 700 anos-luz de distância, que tem cerca de 40 vezes a massa da Terra, sendo apenas três vezes maior. Com uma órbita extremamente estreita, um “ano” nele dura menos de um dia.

Mais “perto” da Terra, a 50 anos-luz de distância, está o LHS 3844b, um planeta super quente, em que a temperatura da superfície é estimada em 531 graus celsius. Ele também está super perto de sua estrela, o que gera — além da alta temperatura — um ano bastante curto: de apenas 11 horas.

E, por fim, está o TOI 1338b, o primeiro planeta encontrado pelo TESS que é capaz de orbitar duas estrelas (circumbinário, no jargão da agência). Esse sistema está a 1300 anos-luz de distância.

“O empolgante é olhar para o mapa dos exoplanetas TESS como uma espécie de lista de tarefas – com 2.000 coisas nele”, disse Natalia Guerrero, pesquisadora do Instituto de Tecnologia de Massachusetts e autora de um estudo a respeito do tema. Daqui pra frente, há a expectativa de que os telescópios sucessores do TESS procurem a atmosfera de alguns desses planetas em busca de água, oxigênio e outras moléculas que possam torná-los habitáveis.

Isso não significa que seja uma tarefa fácil. O pesquisador Jean-Philippe Berger, da Universidade Grenobles-Alpes, na França, realizar a distinção de detalhes na escala das órbitas rochosas planetárias “é equivalente a ser capaz de ver um humano na Lua ou conseguir distinguir um fio de cabelo a uma distância de 10 quilômetros.”

Além da NASA, outras agências espaciais também fizeram conquistas importantes quando o assunto é o dos exoplanetas. Em 2020, o Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês) apturou a primeira imagem de uma estrela semelhante ao Sol que é acompanhada de dois exoplanetas. O caso chama a atenção porque um conjunto de exoplanetas que orbitam sob uma estrela deste tipo é algo extremamente raro na astronomia.

Recentemente, um exoplaneta ficou bastante famoso: o Omuamua, que significa “batedor” ou “mensageiro” em havaiano. Depois de muito estudá-lo, dois astrofísicos da Universidade do Estado do Arizona, Steven Desch e Alan Jackson, chegaram à conclusão de que se tratava de um pedaço de um exo-Plutão, um planeta semelhante a Plutão em outro sistema solar.

O Omuamua ganhou fama depois que muitos pesquisadores passaram a se perguntar o que seria esse objeto em formato de “panqueca” vagando pelo espaço — houve até quem especulasse que se tratava de um pedaço de terra alienígena.

Exame

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055