martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

sexta-feira, 16 de julho de 2021

O risco de um levante popular: As tradicionais elites políticas, em sua “bolha brasiliense”, ignoram e desdenham...

Sexta, 16 de Julho de 2021






Acostumadas à passividade das massas e à sua ordeira submissão, as tradicionais elites políticas, em sua “bolha brasiliense”, ignoram e desdenham da possibilidade de uma contundente reação popular às suas ardilosas intrujices, ainda acreditando em seu incontestável e habitual mandonismo ou, no limite, na suposta ingenuidade e ignorância dos costumeiros súditos.

Vaidades e empáfias, com condimentos de egolatria psicopática, impedem Suas Excelências de perceber a gravidade do quadro que se desenha sob o seu próprio nariz e o movimento agitado das insondáveis correntes submarinas, que se deslocam, desapercebidas, no oceano turbulento da já convulsionada sociedade civil.

Por muito menos o estamento no poder da França do final do século XVIII foi guilhotinado em praça pública pelas multidões, cansadas de tanto descaso, injustiça e tirania, numa demonstração tácita de que ninguém está imune a repentinas “surpresas históricas”.

O que “Suas Majestades” ainda não compreenderam é que, em tempos de internet e de redes sociais, o tradicional “coronelismo analógico”, ancorado nos ordinários “currais eleitorais”, definhou de vez, juntamente com o antigo monopólio da informação, outrora reservado, com exclusividade, aos grandes e seletos grupos de comunicação – dos quais sempre foram sócias ou afiliadas.

Hoje, o terreno da política é outro. Como a extensão de sua arena e o alcance e pluralidade das alternativas da informação. Não há mais espaço para pensamento único, para mentiras veladas, para farsas impenitentes – sempre sujeitas a impetuosos e nivelados ricochetes e reações. Tampouco há ambientação para “esquecimentos seletivos” de reveladores fatos do passado – sempre passíveis de ressuscitação pelo resgate de imagens arquivadas na globosfera. O rei, o estamento corporativo-cleptocrático, portanto, está nu, em sua sanha delitosa – e toda a corte palaciana do entorno, acostumada à privacidade impune de suas privilegiadas e secretas regalias, ao custo da extorsão indecorosa de seus eternos e submissos acólitos e vassalos.

Sim, os tempos não estão para brincadeiras! O agravamento da crise política e moral empurra o país para o pântano de uma guerra civil, mesmo que oficialmente ainda não declarada. Os sinais e sintomas do esfacelamento de todo lastro de ordem social, com a falência do desempenho estatal e da legitimidade representativa (sobretudo no Congresso Nacional e na Suprema Corte), projetam o pessimismo e o descontentamento crescente da população, ameaçando a sua crença no futuro – a perdurarem os contornos da presente paisagem.

Eis que, depois de tanta bandidagem e humilhação, parecem emergir em cena os primeiros sinais de que o gigante acordou! A situação está por um fio! A corda, a qualquer momento, pode arrebentar – com chances de que a “revolução”, desta vez, não se dê pelo “alto”, mas pela base, pela ação direta do povo, finalmente despertado de seu sono secular.

Setores mais bem informados da sociedade já estão cientes da armação do golpe de Estado em andamento, previamente orquestrado nos bastidores mais recônditos dos escaninhos do poder, em concertação interinstitucional, suprapartidária e transnacional – tal-qualmente em outras paragens.

Grupos armados e organizados, à esquerda e à direita, já ensaiam, em surdina, suas táticas e meneamentos para o instante ainda indeterminado do presumível confronto, numa projeção antecipada dos territórios e trincheiras a serem ocupados quando chegar a hora “H”. Até lá, continuará a ser testada, de várias maneiras, entre as partes, a correlação de forças presente no cenário, a exemplo de um tabuleiro de xadrez, por meio de jogadas inesperadas de ataque e defesa, ação e reação, em lances sequenciais e surpreendentes, aos moldes de “gambitos da rainha”.

Tudo, por ora, são planos. Mas os planos são concretos e efetivos – e não fictícios –, em plena cinesia e execução, constituindo, por isso mesmo, parte significativa (e sinalizadora) da nebulosa realidade.

Quem sabe já não se vive o limiar de uma ensolarada “primavera tupiniquim” (de instauração de uma verdadeira república), até bem pouco tempo impensável nos quadros de nossas fleumáticas tradições? Ou, ao inverso, o advento de um rigoroso e prolongado “inverno brasílico” (de explícita ditadura cleptocrática), a congelar em grau máximo os vestígios mais lancinantes dos choros e rangeres de dentes sobejados? Quem sabe?!

Talvez tenha chegada a hora da inevitável encruzilhada; de ter-se que escolher, de uma vez por todas, entre a república democrática (da liberdade, da transparência e da justiça) e a cleptocracia oligárquica (da criminalidade legalizada, do engodo e do arbítrio) – por bem ou por mal.

Decerto, só o tempo dirá! Porém, pelo andar da carruagem, fica patente que tudo pode acontecer nesse contexto tão sombrio e gelatinoso, de difícil e laborioso prognóstico.

Enquanto isso, malgrado o perigo à vista, os protagonistas do caos continuam a brincar, desajuizadamente, de CPIs (caricatas e patéticas) e de reescrever, ao seu “estilo”, à sinistra – sem legitimidade para tal –, a Constituição, segundo seus devaneios e ambições, alheios e moucos ao clamor ensurdecedor das ruas, sem se aperceberem do rumor ameaçador que se avizinha e do timbre agudo de aviso prévio unissonamente entoado pelos inúmeros intérpretes, em vigília – já com exalação de hálito de pólvora nas notas sofregamente solfejadas.

Alex Fiuza de Mello. Professor Titular (aposentado) de Ciência Política da Universidade Federal do Pará (UFPA). Mestre em Ciência Política (UFMG) e Doutor em Ciências Sociais (UNICAMP), com Pós-doutorado em Paris (EHESS) e em Madrid (Cátedra UNESCO/Universidade Politécnica). Reitor da UFPA (2001-2009), membro do Conselho Nacional de Educação (2004-2008) e Secretário de Ciência e Tecnologia do Estado do Pará (2011-2018).

Fonte: Jornal da Cidade Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055