martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

domingo, 2 de outubro de 2022

Bandido nº 1 do Brasil, Marcola declara apoio a Lula, mesmo achando o petista "pilantra"

Domingo, 02 de Outubro de 2022

Considerado o bandido mais perigoso do Brasil, recolhido em uma penitenciária de segurança máxima em Porto Velho (RO), Marcos Camacho, o “Marcola”, recomendou voto em Lula (PT) na eleição presidencial deste domingo (2), durante conversa interceptada pela Polícia Federal, sob ordem judicial, com seu comparsa Cláudio Barbará Silva.

Nessa conversa, transcrita em relatório da PF, Marcola recomenda que “é melhor o Lula no poder, mesmo ele sendo um pilantra e um zero à esquerda, que o Bolsonaro, porque ele é muito ligado com as polícias e a milícia”.

A informação foi publicada no site O Antagonista, na noite deste sábado (1º), e faz lembrar denúncia recente do ex-tesoureiro do mensalão do governo Lula, Marcos Valério, apontando ligações de Lula com o “PCC”. O ministro Alexandre de Moraes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), proibiu referências a essas revelações nas redes sociais.

O bandido já havia manifestado preferência por Lula em outras ocasiões, também gravadas pelos policiais federais, como na conversa com outro criminoso, Esdras Augusto do Nascimento Júnior.

Nessa conversa, o bandido que que fundou o “PCC”, considerada a maior organização criminosa das américas, afirma que “se colocar um do lado do outro, o Lula é melhor que ele para nós”, comparou.

“Se for analisar mesmo, jogar os dois numa sacolinha e balançar, se abrir ela, você não sabe qual que é a merda que tá ali”, opina Esdras. Nesse ponto, Marcola pondera:

“Ah, mas… para nós o Bolsonaro é pior (…) O Lula é ladrão mesmo, pilantra, entendeu? Só que é o seguinte, irmão. Essa fita do Covid mesmo, o Bolsonaro deu uma mancada. Bolsonaro é parceiro da política, da milícia. Cara é sem futuro. O Lula também é sem futuro, só que entre os dois, não dá nem para comparar um com o outro", afirma o criminoso.

“Todo mundo sabe que o Lula é ladrão. Tem que sair fora mesmo desse arrombado aí (Bolsonaro). Ele e os filhos dele”, afirma Marcola

O interlocutor de Marcola, Esdras, diz ainda que, se Lula ganhar, “vai dar uma embaçada nesses filhos dele”. “Vai mudar a (Polícia) Federal, mudar o jeito dele, fazer o tabuleiro dele. Vai embaçar mesmo na vida do Bolsonaro e da família dele.”

As interceptações da Polícia Federal foram autorizadas no curso das investigações sobre um plano de fuga dos líderes do “PCC”, incluindo Marcola, que estava preso no Complexo Penitenciário da Papuda, perto de Brasília. As investigações resultaram na Operação Anjos da Guarda, que transferiu o bandido nº 1 do Brasil para outra penitenciária federal de segurança máxima, localizada em Porto Velho (RO).

(Diário do Poder)

Em show nos EUA, Gusttavo Lima abre o coração, declara voto em Bolsonaro e leva público ao delírio (veja o vídeo)

Domingo, 02 de Outubro de 2022

Exibindo uma bandeira no palco, Gusttavo Lima exaltou o Brasil e perguntou quem estava com saudade daqui.

O público, compreendendo o recado, respondeu em uníssono com os gritos de 'mito, mito, mito'.

O artista então foi mais direto e abriu seu voto, ao fazer o número 22 com as mãos.

Gusttavo Lima ainda exaltou o país, pegou uma taça e ofereceu um brinde:

"Saúde pra todos nós aqui, saúde para os brasileiros."

Mais um apoio declarado ao capitão, de uma das figuras mais importantes do meio artístico e de grande influência, com milhões de seguidores.

Aqui ou nos Estados Unidos, o povão já decidiu o que quer… e o resultado será confirmado no domingo.

Assista:

  • Fonte: Jornal da Cidade Online

Ex-PSL revela história macabra e exemplo de integridade ao não aceitar ser "laranja" em 2018 (veja o vídeo)

 Domingo, 02 de Outubro de 2022


Adriana Borges, candidata a deputada pelo partido naquele ano, não aceitou a prática e recusou que o seu nome fosse usado como laranja.

O episódio avivou a sua vontade de participar da política.

Agora, em 2022, candidata a deputada federal pelo PTB, ela vem como um nome forte conservador, com reais chances de ser eleita.

Manter-se íntegra em 2018 foi um preço alto, mas que deve ser recompensado nas urnas, quatro anos depois.

Confira:

  • Fonte: Jornal da Cidade Online

Tensão máxima: A vigília do dia 2 de outubro

Domingo, 02 de Outubro de 2022

 


 

a) grandes grupos de comunicação, em derradeiro e orquestrado esforço coletivo, escracham de vez, sem qualquer pudor ou ética jornalística, a sua preferência militante por uma única candidatura, arremessando, ilimitadamente, dia e noite, narrativas mendazes e enraivecidas contra o “inimigo comum”, com o toque e a cadência de um avassalador massacre, ao estilo tipicamente fascista, inédito na história da “república” tupiniquim;
b) institutos de pesquisa, em assumida (e indecorosa) tendenciosidade, ignorando as próprias credenciais de respeitabilidade junto ao mercado, exorbitam em suas falsificações das intenções de voto, na expectativa de dar a sua (bem paga) “contribuição” na atração desesperada dos eleitores indecisos de última hora, além (quiçá?) de “lastro” e pretexto antecipado para uma possível (e dissimulada) fraude programada;
c) velhos e célebres quinhoeiros do tradicional “consórcio”, de todas as classes e naipes (ex-políticos, ex-juízes, acadêmicos, artistas, religiosos, etc.), emprestam sua controversa e enlaçada biografia para se somarem, publicamente, sem constrangimento ou remorso, à cinésica artilharia raivosa, auto iludindo-se ainda conservar o suposto (e nem sempre palpável) fascínio popular de outrora, como se “divos” eternos e irresistíveis fossem – apesar do visível caimento de suas pérfidas e escorregadiças silhuetas (inclusive sob o ângulo moral);
d) o inimputável e sátrapa ministro Alexandre de Moraes, atual presidente do TSE, amparado pela conivência e mancomunação de seus pares, amplia desmesuradamente sua coletânea de atos seletivamente despóticos e abusivos contra seu proferido e marcado adversário – agora envolvendo, inclusive (e propositalmente), a sua esposa –,  sem qualquer imputação de suspeição quanto ao cargo que exerce, na única intenção de gerar controvérsias e instabilidade no meio, com sinalização antecipada de ameaças  afrontosas à ordem democrática e ao Estado de Direito.

Já faz tempo que os “donos do poder” – que nunca foram democráticos – vêm sinalizando que não irão aceitar ser derrotados, mais uma vez, pelo povo, mediante os preceitos e regras habituais e constitucionais do sufrágio livre e universal. Afinal, como externou certa vez, em ato  falho, o então presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso: “eleição não se ganha, se  toma!”.

São os mesmos e poderosos atores que derrubaram, no STF, em 2015 (por ocasião da reforma política), por mero e insustentável casuísmo, a introdução do voto impresso auditável nas urnas eletrônicas, aprovado por ampla maioria do Congresso Nacional, naquela ocasião.

Os mesmos que, sob o protagonismo do então presidente do TSE, ministro L. R. Barroso, interferiram, inescrupulosamente, na Comissão Especial da Câmara dos Deputados para impedir a aprovação da emenda constitucional (PEC 135/19) que retornaria, em 2021, a introdução do  voto impresso nas urnas eletrônicas, a vigorar já no pleito do corrente ano.

Os mesmos que conspiraram diuturnamente para “impichar” o atual presidente da república por meio de CPIs (Fake News, Covid 19), ou caçar-lhe o mandato mediante inquéritos abusivos de “fim do mundo” (como cunhado pelo ex-ministro do STF, Marco Aurélio Melo), estrategicamente ainda em trâmite.

Os mesmos que pressionam o STF a censurar, perseguir e condenar, seletivamente, parlamentares, políticos, religiosos e influencers das redes sociais partidários e/ou simpatizantes do presidente da república, atribuindo-lhes delitos inexistentes e imaginários, à revelia da Lei e dos pétreos preceitos constitucionais.

Os mesmos que usam o poder dos supremos magistrados para compensar a fraqueza dos partidos de oposição, incentivando o ilegítimo (e ilegal) ativismo judicial e político, com interferências autoritárias em outros Poderes; propagandas facciosas e iníquas contra o Governo em lives e eventos internacionais; ilícita atitude (de vez que prerrogativa exclusiva do Chefe do Executivo) em convocar embaixadas estrangeiras para solicitar, com estranha antecedência, a adesão “imediata” de seus países aos resultados “oficiais” das eleições vindouras (como foi a iniciativa do ministro Fachin, quando presidente do TSE) – etc., etc., etc.

Diante de tal suspeitoso quadro, depois de tanto “investimento” e acumulado desgaste, como imaginar que o “sistema”, em sua imorredoura sanha, fracassado em suas tentativas preliminares de golpe contra a ordem democrática, agora abriria mão, justo na “prorrogação” do match, de garantir-se a retomada do poder presidencial (que comanda o cofre e as nomeações) por mero e fortuito prurido moral (que não detém), abrindo mão de investir, como último recurso, sem qualquer hesitação ou escrúpulo?

Não tem lógica!

Jamais o establishment aceitaria “morrer na beira”, condenando-se, em nome de princípios que não comunga, a mais quatro anos (ou mais) de secura pecuniária.

Esta, aliás, é a razão para tanta aflição, que pode se transformar, em pleno dia “D” (conforme o andar da carruagem), em incontrolável convulsão – como já assinalam, desde já, com enorme translucidez, os mais perceptíveis sinais.

Sim, o TSE (em combinação com o STF), até aqui o maior responsável por todo esse clima de desconfiança e revolta que assola o país, por sua postura reconhecidamente parcial e sectária, poderá vir a ser, também, o causador principal de uma repentina e imponderável (além de indesejada) insurreição popular, cujo desfecho, dado o momentoso e aflitivo cenário, é imprevisível e, deveras, assustador.

Tudo dependerá da condução do processo de votação e do comportamento oficial dos agentes do Tribunal quanto aos procedimentos finais de apuração, cujo gerenciamento e proclamação de resultados não podem dar margem a qualquer tipo de desconfiança ou suspeição de cilada perante o eleitorado. 

O “sistema” precisa entender, de uma vez por todas, fora dos limites míopes de sua “bolha”, que o “gigante”, finalmente, acordou! Que a correlação de forças na arena política hoje é outra – e não mais a mesma (e “confortável”) do passado! Que as massas estão nas ruas, nos quatro cantos do país, em irrestrita e atenta mobilização (cidadania ativa), dispostas a defender os seus direitos de único e legítimo soberano com a própria vida, caso necessário – diante do que não  se deve brincar.

O grito de “independência ou morte” já foi ecoado! “Libertas quae sera tamen”, também! Só não ouviu quem é (politicamente) surdo.

Que não se menospreze, por conseguinte, a força do povo (dos sans-culottes tupiniquins), sob pena desta se transformar, quando menos se espera, em disruptivo (e homônimo) substantivo sem cedilha – para espanto do patronato patrimonialista do “Antigo Regime”.

E a história está farta de ilustrações!

Alea jact est!

Alex Fiúza de Mello. Professor Titular (aposentado) de Ciência Política da Universidade Federal do Pará (UFPA). Mestre em Ciência Política (UFMG) e Doutor em Ciências Sociais (UNICAMP), com Pós-doutorado em Paris (EHESS) e em Madrid (Cátedra UNESCO/Universidade Politécnica). Reitor da UFPA (2001-2009), membro do Conselho Nacional de Educação (2004-2008) e Secretário de Ciência e Tecnologia do Estado do Pará (2011-2018).


Fonte: Jornal da Cidade Online

Na reta final, só informações positivas e Forças Armadas desmentem “fake news” da velha mídia

Domingo, 02 de Outubro de 2022




Sabendo disso, a oposição tentou uma manobra arriscada. Pegar a imagem de Zema em bandeiras e associar a Lula, para resgatar parte dos votos que são claros nas internas. Porém, a nota do Governador saiu rápido negando o apoio, e sinalizações que estavam por todo o estado foram retiradas. Zema está com Bolsonaro. A ponto de cogitar sair do Novo após as eleições, porém, deve esperar o primeiro turno passar, em função de Felipe, que ainda concorre.

O MDB está deixando parte dos regionais apoiarem os candidatos bolsonaristas, ainda mais com a saia justa de Simone sobre Celso Daniel no debate. Ciro não vai apoiar o Molusco. Os votos de Zema irão para Bolsonaro. Tarcísio bate na porta de Haddad, que sabe que em um segundo turno seria atropelado pela soma dos votos de seus oponentes. O Rio é Claudio Castro.

Tudo corre muito bem, então só restou ao Estadão publicar uma matéria dizendo que o Exército teria abandonado o compromisso da auditoria. Um último tiro antes do primeiro turno. Mas a nota foi desmentida pelas Forças Armadas no mesmo dia, e isso foi positivo. A imprensa, no intuito de abalar a campanha de Jair, mostrou no fim da corrida uma informação importante que passava despercebida de alguns. Se e existia dúvida sobre o apoio dos militares, essa dúvida acabou.

Ainda não vou cravar um primeiro turno. Porém digo com alegria, que nunca estivemos tão perto. Com tantos resultados positivos fica difícil não acreditar.

Lutem pelos indecisos até o fim. A questão não é só ganhar a eleição, mas mostrar ao PT, que ele nunca mais estará a frente do Brasil.

Temos de afirmar isso.

Nem que seja vinte e duas vezes.

Foto de Victor Vonn Serran

Victor Vonn Serran

Articulista


Fonte: Jornal da Cidade Online

Cena impressionante nos bastidores da Globo mostra porque este domingo ‘a luta é do bem contra o mal' (veja o vídeo)

 Domingo, 02 de Setembro de 2022




Eles formam uma roda, baixam suas cabeças e buscam forças e orientação, olhem só, na oração.

Respeitosos, rezam o “Pai Nosso” antes de seguir para mais uma batalha.

A cena não deixa qualquer dúvida de que, como já disse Bolsonaro inúmeras vezes, o Brasil vive ‘a luta do bem contra o mal’.

De que lado você está?

Vale a pena assistir:

  • Fonte: Jornal da Cidade Online

Deputado Eric Lins sobe o tom contra Moraes em defesa da irmã, juíza Ludmila, o mais novo "alvo" da censura (veja o vídeo)

Domingo, 02 de Setembro de 2022



A juíza vem sendo perseguida pelo CNJ por causa de sua amizade com o jornalista exilado Allan dos Santos e agora é impedida de manter críticas e ensino jurídico aos abusos do sistema institucional.

Deputado Eric Lins sobe o tom contra Moraes em defesa da irmã, juíza Ludmila, o mais novo "alvo" da censura (veja o vídeo)

LER NA ÁREA DO ASSINANTE

Eric Lins, deputado estadual e candidato a deputado federal pelo PL/RS, subiu o tom em relação ao Ministro Alexandre de Moraes, após decisão que excluiu a conta de Instagram e determinou o bloqueio de dois sites de sua irmã, a magistrada Ludmila Lins Grilo.

A juíza vem sendo perseguida pelo CNJ por causa de sua amizade com o jornalista exilado Allan dos Santos e agora é impedida de manter críticas e ensino jurídico aos abusos do sistema institucional.

No Twitter, Ludmila desabafou:

"Alexandre de Moraes ordenou a queda de 2 sites usados pela empresa da qual sou sócia e professora.
Podem tirar minhas fontes de renda, meu cargo, minha liberdade, e até minha vida, mas JAMAIS A MINHA DIGNIDADE.
Eu só tenho Um a Quem agradar, e a Ele toda honra e toda glória."

Veja o desabafo de Eric Lins:

No Twitter, Ludmila desabafou:

"Alexandre de Moraes ordenou a queda de 2 sites usados pela empresa da qual sou sócia e professora.
Podem tirar minhas fontes de renda, meu cargo, minha liberdade, e até minha vida, mas JAMAIS A MINHA DIGNIDADE.
Eu só tenho Um a Quem agradar, e a Ele toda honra e toda glória."

Veja o desabafo de Eric Lins:

  • Fonte: Jornal da Cidade Online

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055