martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

quinta-feira, 15 de julho de 2021

China poderá em breve ter o improvável apoio do grupo extremista Talibã na Ásia Central

Quinta, 15 de Julho de 2021

Musa Qala, cidade na província de Helmand, no Afeganistão, é controlada pelo Talibã. Foto: CNN

Uma coisa é um governo acusado de deter mais de 1 milhão de muçulmanos em um vasto sistema de campos de internamento. O outro é um dos grupos militantes islâmicos mais rígidos do mundo. No entanto, apesar de suas diferenças, o Partido Comunista Chinês e o Talibã podem em breve trabalhar juntos, pelo menos provisoriamente.

Após a retirada das tropas americanas do Afeganistão, o Talibã está novamente ressurgindo, assumindo o controle de grandes áreas do país.

A velocidade com que as forças de segurança afegãs perderam o controle para o Talibã chocou muitos e gerou temores de que a capital Cabul possa ser a próxima a cair.

O grupo islâmico já está planejando esse futuro, com um porta-voz do Talibã dizendo ao South China Morning Post de Hong Kong no início desta semana que a China era um “amigo bem-vindo” e que as conversas sobre a reconstrução deveriam começar “o mais rápido possível”.

A possibilidade de o governo chinês cooperar com o Talibã em um Afeganistão pós-EUA não é tão improvável quanto pode parecer à primeira vista.

O Afeganistão continua sendo um componente-chave nos planos de desenvolvimento regional de longo prazo de Pequim.

Em maio, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que Pequim estava em negociações com Islamabad e Cabul para estender o Corredor Econômico China-Paquistão (CPEC) ao Afeganistão, incluindo a expansão das redes de transporte e comércio entre os três países.

A China também não se opõe a lidar com o Talibã, tendo dado as boas-vindas públicas ao grupo militante em Pequim em setembro de 2019 para negociações de paz.

O Talibã, entretanto, deixou claro que estaria disposto a ignorar quaisquer queixas percebidas, com um porta-voz dizendo ao Wall Street Journal no início deste mês que o grupo não tinha interesse em criticar a China por sua suposta repressão às minorias muçulmanas em Xinjiang.

“Nós nos preocupamos com a opressão dos muçulmanos … Mas o que não vamos fazer é interferir nos assuntos internos da China”, disse ele.

O senador paquistanês Mushahid Hussain, presidente do Instituto Paquistão-China, disse à CNN que o Talibã foi mais “castigado e pragmático” do que durante seu tempo anterior no poder, e os islamistas viam a China como um “participante confiável” no Afeganistão.

“(Se eles assumissem o poder), eles precisariam do apoio chinês para a estabilidade e reconstrução do Afeganistão. Irritar a China é uma receita de desastre para o Talibã”, disse ele.

Qualquer deterioração na situação de segurança do Afeganistão também seria uma preocupação significativa para Pequim, que investiu pesadamente na Ásia Central através de seu esquema de comércio e infraestrutura de Belt and Road.

Nos últimos anos, militantes islâmicos atacaram cidadãos chineses e seus interesses na província paquistanesa de Baluchistão, que faz fronteira com o Afeganistão.

A perspectiva de mais violência provavelmente criará inquietação em Pequim, assim como o espectro de militantes chineses locais encontrando refúgio nas áreas de fronteira sem lei do Afeganistão.

Até agora, o governo chinês não respondeu publicamente aos avanços do Talibã. O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, está visitando o Turcomenistão, o Tadjiquistão e o Uzbequistão esta semana e deve discutir a questão do Afeganistão com seus colegas durante a viagem.

No entanto, em uma postagem amplamente compartilhada na mídia social, Hu Xijin, editor do tabloide nacionalista estatal Global Times, disse que o Talibã considerava a China um “amigo”.

Seu jornal, por sua vez, sugeriu que os meios de comunicação ocidentais estavam tentando arruinar o relacionamento do Talibã com Pequim, levantando questões sobre Xinjiang.

“O Ocidente realmente não se importava com os direitos humanos dos uigures de Xinjiang. Em vez disso, esperava semear a discórdia entre Pequim e o Talibã”, disse o artigo.

CNN Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055