martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

quarta-feira, 15 de junho de 2022

As terríveis consequências de um governo de esquerda começam a aparecer no Chile

 Quarta, 15 de Junho de 2022

Da mesma forma que a Argentina segue a passos rápidos os destrutivos passos da Venezuela; o Chile por sua vez segue para o mesmo cadafalso que a Argentina se precipitou.

A inflação no Chile registrou em maio uma alta de 1,2% em relação ao mês anterior. Em 12 meses, o índice acumulado chegou a 11,5%, o nível mais alto desde julho de 1994. Os aumentos foram liderados pela categoria de alimentos e bebidas, além dos preços das passagens de transporte.

Os dados foram divulgados pelo Instituto Nacional de Estatísticas na semana passada. Somente nos primeiros cinco meses do ano, a inflação acumulada no país já atingiu 6,1%. O Banco Central estima que a variação interanual continue aumentando para pelo menos 13% até o fim do primeiro semestre.

A derrocada da economia chilena é só uma questão de tempo. O presidente Boric montou seu gabinete baseado em critérios ideológicos e identitários – ignorando a competência e a meritocracia – receita certa para a catástrofe, pela qual os eleitores da América Latina parecem ter uma atração sado-masoquista.

Segundo a presidente do Banco Central, Rosana Costa, a inflação no país se deve a fatores exclusivamente internos, e culpou a retirada sistemática dos fundos de pensão por exacerbar o superávit de dinheiro na economia.

Diante dos resultados inflacionários, a autoridade monetária chilena resolveu aprovar um novo aumento da taxa de juros, que passou de 8,25% ao ano para 9% em 7 de junho.

Como aconteceu em muitos outros países, a reação do Banco Central do Chile foi mais tardia do que seria aconselhável de acordo com os padrões convencionais. A alta das taxas de curto prazo começou no país em setembro de 2021, partindo de uma taxa de apenas 0,5%, enquanto em países como o Brasil a correção começou em março de 2021 e partindo de uma taxa de 2%.

O ministro da Fazenda do Chile, Mario Marcel, culpou o aumento dos preços internacionais pela elevação drástica da inflação no país, que é governado pelo presidente esquerdista Gabriel Boric.

As previsões oficiais de crescimento para em 2022 foram reduzidas de 3,5% para apenas 1,5%. Se esta última previsão se concretizar, o crescimento será o mais baixo desde 2017.

Foto de Eduardo Negrão

Eduardo Negrão

Consultor político e autor de "Terrorismo Global" e "México pecado ao sul do Rio Grande" ambos pela Scortecci Editora.

Fonte: Jornal da Cidade Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055