martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

sábado, 9 de abril de 2022

Um grave alerta ao povo: Nem as escolas mais caras do Brasil escapam da militância esquerdista

 Sábado, 09 de Abril de 2022

O aluno de 2º grau da escola AVENUES, Vittorio Furlan Vieira, de 18 anos, foi entrevistado pelo Canal Rural falou sobre o episódio que viralizou na internet, em que foi repreendido pelo professor, depois de defender o agronegócio, durante palestra de da líder indígena Sonia Guajajara.

Segundo o rapaz, o tema da palestra era “Gender Equity” (equidade de gênero). No entanto, durante sua apresentação, a indígena teria feito críticas ao agronegócio e defendido a tomada de terra privada.

O estudante diz que não se dirigiu ao professor Messias Basques, que o massacrou com sua cantilena ideológica, após o aluno questionar o teor da apresentação.

Para entender a questão indígena não precisa de doutorado em antropologia ou ‘especialização em Harvard’ como se gabou o professor Basques. Uma noção básica de matemática já resolve. No Brasil 500 mil indígenas ocupam uma área equivalente ao território da Alemanha e da França somados. Ou seja numa área ocupada por 140 milhões de europeus, aqui no Brasil é ociosamente reservada à 500 mil silvícolas. Então falar em mais terras para tribos indígenas é um absurdo sem paralelo no mundo.

Voltando ao incidente, o aluno afirmou “Em nenhum momento eu falei com o professor. Eu fiz a pergunta para a Sonia”, conta. Segundo Vittorio Furlan Vieira, em nenhum momento da pergunta ele faltou com respeito.

“Eu posso ter sido imaturo, mas não desrespeitoso”, afirma.

MENSALIDADES DE R$ 12.700 MENSAIS PARA OUVIR PROSELITISMO POLITICO DE 3ª CATEGORIA.

“A minha maior indignação foi no momento em que ela [Sonia] começou a falar sobre a distribuição de terra para as pessoas e os indígenas. Isso me incomodou profundamente, essas terras têm donos”, disse.

Segundo o estudante, a família dele vem da agropecuária, além de ter vários amigos que têm pais trabalhando no setor. Ele também conta que está começando a empreender na área.

“Estou fazendo uma startup, uma fintech do agronegócio. Eu tenho conhecimento na área, e eu gosto bastante”.

Vieira disse que não se sentiu intimidado pela situação.

“Os princípios formam o caráter e isso eu não vou mudar”.

De acordo com Vieira, seus pais teriam ficado indignados com o episódio, mas ele não falou sobre medidas que pretendem tomar.

O professor Messias Basques foi procurado, mas, claro, não foi encontrado para conversar sobre a situação.

Para um professor de antropologia, o Sr Basques parece muito desatento. Levar um discurso desses a uma escola para os filhos da classe +AAA paulistana, seria fácil prever que a recepção não poderia ser outra.

O cara leciona para boa parte do PIB brasileiro e vem com essa conversa de desrespeito a propriedade privada?

Uma das obrigações de um bom antropólogo é dominar ‘os costumes sociais e linguagens’ dos diferentes grupos étnicos e sociais. Messias Basques mostrou que não domina nem uma coisa, nem outra.

Confira:

  • Fonte: Jornal da Cidade Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055