martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

terça-feira, 17 de maio de 2022

Juíza do RN é encontrada morta em Belém do Pará; corpo é levado para a delegacia pelo próprio marido

Terça, 17 de Maio de 2022

Foto: Reprodução

A Polícia Civil do Pará investiga a morte de uma juíza do Rio Grande do Norte. Mônica Maria Andrade Figueiredo de Oliveira, que atua na cidade de Martins, foi encontrada morta dentro de um veículo no estacionamento de um prédio em Belém, no Pará.

Mônica Andrade era juíza no RN e ia com frequência a Belém, segundo os familiares. Ela era casada com um magistrado do Pará. O corpo apresentava um ferimento por arma de fogo.

Mônica teria sido encontrada morta pelo companheiro, o juiz João Augusto Figueiredo de Oliveira Júnior. Ao se deparar com a situação, ele teria levado o carro e o corpo para a delegacia.

“Ainda sem acreditar. Minha comadre, prima e grande amiga se foi”, lamentou Ivonete, em uma rede social.

João Augusto Figueiredo disse, em sua versão preliminar dada à polícia, que a juíza Monica Andrade teria supostamente cometido suicídio dentro de um veículo pertencente ao juiz, na garagem do prédio onde ele reside, no edifício Rio Miño, em Nazaré. João mesmo dirigiu até a unidade policial. A versão dada pelo juíz ainda é investigada pela polícia.

O corpo da juíza foi deixado na manhã desta terça-feira (17) na Divisão de Homicídios da Polícia Civil de Belém, no bairro de São Brás. O companheiro dela, o também juiz João Augusto Figueiredo de Oliveira Júnior, foi quem a levou. O corpo da juíza tinha um ferimento por arma de fogo.

O juiz João Augusto Figueiredo de Oliveira Júnior presta depoimento na própria Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Pará neste momento.

98 FM / Blog do BG

OPINIÃO DOS LEITORES

  1. Como conhecedor da lei , o seu suposto companheiro não poderia ter levado o corpo da vítima a delegacia. Nessa ramificação ele poderá ser visto suspeito

  2. Como conhecedor da lei , o seu suposto companheiro não poderia ter levado o corpo da vítima a delegacia. Nessa ramificação ele poderá ser visto como o primeiro é principal suspeito do fato.

  3. Sou policial e essa versão da istoria contada pelo companheiro da juíza está totalmente errada. Como ele uma pessoa da lei conduzir a própria vítima a uma delegacia e não acionar a polícia sobre o crime ele violou a cena do crime. O marido deve ser o principal suspeito do crime.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055