martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

sexta-feira, 9 de dezembro de 2022

"Alexandre, o diminuto", com esse título, destemida jornalista publica em veículo da velha mídia, carta aberta a Moraes

 Sexta, 09 de Dezembro de 2022

A imprensa brasileira, quase em sua totalidade, em crise de abstinência de verbas públicas durante o governo Bolsonaro, deu apoio incondicional a todas as decisões advindas do Supremo Tribunal Federal, notadamente da lavra do ministro Alexandre de Moraes.

Presentemente, o ministro tem demonstrado que seus poderes são ilimitados e o clima de insegurança jurídica domina o país.

Assim, gradativamente, a imprensa vai despertando de seu sono profundo.

Será que não é tarde demais?

Afinal, o Brasil está prestes a ver a quadrilha que promoveu o maior achaque contra os cofres públicos na história, voltar à cena do crime.

De qualquer forma, eis a carta aberta publicada no site Poder 360:

"Carta aberta a Alexandre, o diminuto
Perdão se lhe desrespeito, Excrescência, mas fui ensinada a só tratar com deferência aqueles que assim merecem ser tratados. Imagino que o senhor não esteja acostumado a essa condição. Entendo que a toga lhe assegura uma subordinação imediata na feira da troca de favores, mas devo lhe informar que um escambo entre nós é impossível: eu não quero favor nenhum seu, e jamais lhe deverei favor algum. Até admito ter um certo respeito por uniformes, mas ele se baseia na presunção de utilidade e valor social: lixeiros, garçons, porteiros, policiais, enfermeiras, professoras, juízas – todos merecem meu respeito, mas só até que eu lhes conheça o caráter. Depois de revelado o interior, a aparência serve para pouco ou quase nada, e inspira tanto respeito quanto cachorro usando gravatinha de banho e tosa. Digo isso, Excrescência, porque não existe lavagem a seco que limpe uma toga manchada pelo caráter de quem a ostenta, e não há lavanderia que tire a mácula do sujo de alma.
O Cardinal Richelieu, que também vestia uma toga, falou de algo que o senhor certamente entende bem, mas não custa repetir: “Dê-me 6 linhas escritas pelas mãos do homem mais honesto, e vou encontrar o suficiente para enforcá-lo”. O senhor, Excrescência, com material infinito para buscar, editar e finalmente enforcar, foi ao fundo do poço jurídico e dispensou até mesmo as 6 linhas do Richelieu, satisfazendo-se com uma figurinha e um gesto das mãos. Mas eu lhe agradeço, porque Vossa Excrescência corrobora um antigo argumento meu com a eloquência que só um adversário consegue ter.
Eu explico: sou proponente da teoria de que a Vaza Jato serviu, acima de tudo, para amealhar provas contra jornalistas, políticos, atores, influenciadores, juristas, juízes, governadores, e servir como arsenal de chantagem e manter chantageados na rédea curta. Isso incluiria até vítimas honestas, e explicaria a aparente e inexplicável mudança de opinião ou ideologia que muitos tiveram depois da Vaza Jato.
Algumas pessoas têm a ideia equivocada de que “quem não deve, não teme”. Para essas pessoas, se você nunca cometeu um crime, não há por que temer que seu telefone seja hackeado, porque ninguém pode te chantagear. Esse é um dos erros intelectuais mais embaraçosos e pervasivos que conheço, porque a verdade é que praticamente ninguém está imune a sofrer chantagem: um homem que elogiou a cunhada para um amigo; uma secretária que reclamou do mau-hálito do chefe; um neto que não aguenta mais levar os avós no shopping; uma mulher que reclama sobre a falta de virilidade do parceiro, um pai que admite preferir um filho a outro… Nenhum desses exemplos é crime, e ainda assim todos podem ser usados para chantagem, e podem ter mais poder de persuasão do que a ameaça de cadeia. Eu expliquei isso em uma série sobre a Vaza Jato, e sobre como Glenn Greenwald foi reverenciado pelos mesmos jornalistas sobre quem ele afirmou ter material comprometedor. Eu falo disso aqui.
Para dar uma ideia de como a Vaza Jato intimidou jornalistas sem precisar fazer ameaça nenhuma, conto rapidamente aqui um caso que eu sei em primeira mão. Eu, que outrora fui seguida no Twitter pelo crap-de-la-crap do Intercept (excluo dessa descrição o seguidor Jeremy Scahill, um jornalista a quem admiro muito e que não faz parte do Intercept Brasil), tentei ter acesso ao material da Vaza Jato, mas tive meu acesso negado. Diante da minha insistência, Leonardo Demori me bloqueou no Twitter, ainda que até então ele próprio me seguisse. Aquele block só reforçou minha hipótese: a de que o material da Vaza Jato só foi disponibilizado para jornalista que iria ficar no sapatinho, e não corria o risco de falar mal da operação de vazamento. Garantir isso foi muito simples. Bastava que o Intercept só permitisse o acesso dos jornalistas que também tiveram suas próprias mensagens desabonadoras gravadas. Quem, em sã consciência, vendo suas próprias palavras embaraçosas em uma conversa privada, iria criticar quem está em posse dessas mensagens?
Vale aqui mencionar um detalhe. Eu fui diretora de um filme feito para a Transparência Internacional com Sergio Moro e Deltan Dallagnol, e, portanto, deve ter mensagem minha no Telegram com eles. Ainda assim, a Vaza Jato e seus hackers nunca encontraram uma única frase minha amaciando o ego dos meus entrevistados, oferecendo manchetes em troca de entrevistas, aceitando favores e facilidades em troca de silêncio, absolutamente nada, zero, zilch. E por isso o meu acesso às mensagens foi negado– porque eu não teria nada com o que ser chantageada.
Lembro, aliás, quando a jornalista Vera Magalhães veio até mim através de mensagens diretas do Twitter –por vontade própria, sem que tivesse sido procurada por mim– para contar que os jornalistas convidados a ver o material da Vaza Jato não podiam entrar na sala com celular, computador, câmera, ou qualquer outro instrumento que possibilitasse a gravação das mensagens que lia. Somente a própria memória cerebral e anotações em papel poderiam ser usadas enquanto o jornalista via uma quantidade de palavras várias vezes maior do que o conteúdo de muitas bibliotecas.
Este é mais um detalhe que corrobora minha suspeita: a primeira coisa que um jornalista com acesso a um arquivo daquele tamanho faria é tentar ver se encontra mensagens suas nos infinitos terabytes de conversas gravadas. Encontrando algo embaraçoso ou comprometedor, pode apostar: ele sai do Intercept caladinho, elogiando a operação de hackeagem e vazamento, e agradecendo o fato de que não existem meios pra gravar as conversas. Fica a pergunta: por que Vera Magalhães contou isso a mim privadamente? Por que ela não fez essa afirmação para seus leitores, e confrontou o Intercept?
Quem quiser saber mais sobre como a Vaza Jato pode ter sido usada para chantagear as pessoas mais poderosas da República (e assim transferir o poder dessas pessoas para seus controladores/chantageadores), leia aqui a primeira parte, aqui a segunda, aqui a terceira, aqui o artigo sobre o “sequestro dos jornalistas brasileiros” e o último da série aqui.
Voltando às mensagens “golpistas,” quero deixar claro que não conheço os empresários cuja intimidade foi usurpada para seu próprio enforcamento, mas vou defender até a morte o seu direito de falar o que quiserem privadamente. Este é um dos efeitos colaterais da injustiça desavergonhada: ela transforma em vítima até pessoas eventualmente deploráveis. Não sei se é o caso desses empresários, mas isso é irrelevante. A injustiça oficial é algo tão feio e repelente que tem o poder incrível de fazer os justos defenderem os ruins. É assim que algozes conseguem virar heróis –quando são desonestamente acusados por pessoas ainda mais vis e execráveis. Esse, aliás, é um truque bem antigo da manipulação de massas, e se eu quisesse que o 7 de Setembro de Bolsonaro tivesse presença maciça, eu iria convidar Vossa Excrescência para dar uma forcinha, e convencer o povo brasileiro de que ele tem muita arbitrariedade judicial a combater, e liberdade individual a proteger. Não vou precisar, porque o senhor já fez isso por todos nós.
Voltando às 6 linhas de Richelieu, faço questão de dizer que eu, editora e selecionadora nata de fatos que corroboram minhas teorias, jamais usei contra Lula sua fala de que Pelotas era polo exportador de viado. Perdi as contas de quantos artigos eu escrevi contra o politicamente correto e a polícia da linguagem, e nem nesses casos perpetuei a brincadeira de Lula –porque brincadeira ela foi, e quem é honesto prefere morrer do que usar um argumento que sabe ser desonesto. Tampouco mencionei Carmen Lúcia na minha série sobre a Vaza Jato, mesmo ela servindo de exemplo perfeito para a minha teoria da chantagem-sem-crime. Segundo a revista Veja, a juíza Carmen Lúcia teria feito piada com a morte do sobrinho de Lula. De acordo com suposta mensagem enviada à Manuela d’Ávila por um dos hackers, “Eu tenho uma conversa da Carmen dizendo sobre a morte do sobrinho do Lula. Fazendo até piada”, escreveu o hacker. “E ainda ela disse exatamente assim: quem faz mal para outrem, um dia o mal retorna, e pode ser até no sobrinho”. “A Rosa Weber saiu do grupo na hora!”.
Por essa frase apenas, um parágrafo na revista Veja, é possível ter uma ideia da infinidade de coisas que podem ser usadas para destruir algumas vidas e salvar outras. Mas já que Vossa Excrescência está aqui me lendo (e faço questão de parabenizá-lo pelo discernimento), vou aproveitar a atenção e lhe oferecer uma chance de fazer justiça verdadeira.
Vou ser didática, Excrescência, porque sei que seu tempo é curto. Sabe a ivermectina? E a cloroquina? São remédios assassinos, não é? Ambos têm ineficácia comprovada, e são infinitamente inferiores às vacinas que continuam não imunizando mesmo depois de serem aplicadas, correto? Ivermectina e cloroquina certamente foram responsáveis por tirar milhões de vida, concorda? As únicas pessoas que não morreram tomando isso foram alguns membros da minha família e eu, e só porque temos genes superiores, obviamente, ou não teríamos escapado de algo tão mortal usando remédio para piolho. Mas veja só isso: o senador Randolfe Rodrigues não só estimulou o uso desses medicamentos assassinos, mas sugeriu que agentes de saúde do Estado do Amapá fossem condecorados por receitar esses remédios à população. Acredita?
Randolfe é o autor da frase “As quase 600 mil mortes por covid-19 no Brasil não foram acidentais, foram um projeto”. Pois aproveite esse momento, Excrescência, e vá atrás de quem executou esse projeto. E por favor, não se deixe distrair pelo fato de que alguns cientistas, inclusive de Harvard, dizem que a hidroxicloroquina funciona até profilaticamente –NÃO! Não aceite esse negacionismo! Pergunte ao especialista Randolfe Rodrigues sobre a letalidade desses remédios, e imediatamente dê a ele voz de prisão.
Porque é o seguinte, Excrescência: não existem duas possibilidades, é só uma mesmo. Ou Randolfe Rodrigues recomendou remédio ineficaz, e segundo seus próprios critérios pode ser responsabilizado pelas mortes no seu Estado até a data em que recomendou os remédios que não salvavam, e sim matavam; ou ele mentiu sobre a ineficácia de remédios que sabidamente salvavam vidas, e segundo seus próprios critérios foi responsável pelas mortes no seu Estado a partir do momento que mudou de ideia. Veja que faço essa afirmação sem medo nenhum, e lhe deixo aqui de presente muito mais do que 6 linhas: um artigo inteiro falando de Randolfe, Anão Moral, e de como eu gostaria de conhecer os milhões de argumentos que lhe foram transferidos para que ele mudasse de opinião de forma tão radical e traísse os agentes de saúde que outrora elogiou. Desejo que você, Excrescência, faça com minhas palavras o que sabe fazer de melhor –que pelo que se vê, é o seu pior.
Paula Schmitt. Jornalista."


Fonte: Jornal da Cidade Online 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9 9151-0643

Contato : (84) 9 9151-0643