martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

sexta-feira, 19 de agosto de 2022

Criança morre com suspeita de "ameba comedora de cérebro" nos EUA

Sexta, 19 de Agosto de 2022


Uma criança de Nebraska morreu esta semana após uma suspeita de infecção rara de uma ameba que come cérebro – a primeira morte relatada por esse organismo específico na história do estado, de acordo com autoridades de saúde estaduais e locais .

Acredita-se que a criança – que não foi identificada publicamente, para proteger a privacidade da família – tenha contraído uma infecção chamada meningoencefalite amebiana primária (PAM), causada por Naegleria fowleri , um organismo unicelular encontrado em fontes de água doce quentes, como rios. , lagos e córregos. Autoridades de saúde dizem que a criança pode ter sido infectada depois de nadar em 8 de agosto em águas rasas no rio Elkhorn, no condado de Douglas.

” Naegleria fowleri é uma ameba que é comumente encontrada em lagos quentes de água doce, rios, canais e lagoas nos Estados Unidos”, disse o Departamento de Saúde e Serviços Humanos em um comunicado à imprensa. “Ela pode causar meningoencefalite amebiana primária (PAM), uma infecção cerebral que pode ocorrer quando a água contendo a ameba sobe pelo nariz e atinge o cérebro. A infecção é extremamente rara, mas quase sempre fatal.”

Apesar de milhões de pessoas nadando em rios, lagos e lagoas, as chances de serem expostas à Naegleria fowleri são extremamente raras, disse o epidemiologista do estado de Nebraska, Dr. Matthew Donahue. Normalmente, não há mais de oito casos identificados a cada ano e geralmente surgem no final do verão, quando a água está mais quente e se move mais lentamente.

Amebas comedoras de cérebro são raras nos EUA, de acordo com o CDC. Nos últimos 10 anos, o CDC registrou 31 infecções. Embora raras, as chances de sobrevivência após entrar em contato com uma ameba comedora de cérebros são pequenas. A taxa de mortalidade é de 97%, de acordo com o CDC, e apenas quatro das 154 pessoas infectadas entre 1962 e 2021 sobreviveram. (Gazeta Brasil)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055