martins em pauta

Postagem em destaque

BRISANET A MELHOR INTERNET DO BRASIL

sábado, 11 de dezembro de 2021

Malha ferroviária do país pode ganhar mais 2,5 mil quilômetros e R$ 29,8 bilhões em investimentos

 Sábado, 11 de Dezembro de 2021

Foto: Tina Coelho / Ministério da Infraestrutura

Depois de assinar contratos para a construção de 3,5 mil quilômetros de ferrovias pela iniciativa privada, o Ministério da Infraestrutura analisa agora pedidos para tirar do papel 2,5 mil quilômetros de novos trilhos, a um valor estimado de investimento de R$ 29,8 bilhões. São oito estradas de ferro que já foram consideradas viáveis pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e dependem agora apenas de um aval da Secretaria Transportes Terrestres da pasta.

Da década de 1990, quando o governo Fernando Henrique privatizou a Rede Ferroviária Federal S.A. (RFFSA), até agora apenas cerca de 1,5 mil quilômetros de ferrovias foram construídos, embora o setor privado tenha atuado na manutenção e operação de ativos já existentes.

A expansão do modal ferroviário esperada pelo governo é decorrente da criação de um modelo de autorização para o setor, com menos amarras e mais facilidade de entrada de novas empresas. Atualmente, as ferrovias do país são construídas por concessão. Nesses casos, há um leilão para definir a obrigação de investimentos.

No modelo de autorização, criado por meio de uma medida provisória (MP) e ainda em discussão no Congresso, as empresas fazem os estudos e se comprometem a investir para construir do zero a sua ferrovia. Os contratos assinados com o Executivo preveem que as ferrovias precisam entrar em operação em dez anos.

Hoje, de tudo que é transportado no país, as ferrovias respondem por cerca de 20%. A expectativa é que, em um horizonte de até dez anos, esse número suba para até 35%.

Um dos setores que mais defendem os projetos de construção de ferrovias é o agronegócio, que prevê redução de custos de frete e mais agilidade com o modelo. Coordenadora de assuntos estratégicos da Confederação Nacional de Agricultura (CNA), Elisangela Pereira Lopes afirma que apenas 20% do que é movimentado por esse modal no Brasil são de produtos do agro — outros 75% são de minérios de ferro:

— Há uma necessidade de ferrovias porque o modal ferroviário é de grande escala. Enquanto se carrega no caminhão de 35 a 40 toneladas de grãos, numa composição ferroviária isso pode chegar a 16 mil toneladas. A rodovia continua exercendo seu papel, que é chegar na porteira. Defendemos a intermodalidade, a interação entre mais de um meio de transporte.

O modelo de concessão continua existindo para permitir, por exemplo, projetos estruturantes. Está previsto para o ano que vem o leilão da Ferrogrão, que conectará a região produtora de grãos do Centro-Oeste ao Pará, desembocando no Porto de Miritituba. O valor do investimento é de R$ 25,2 bilhões, em uma concessão de 69 anos, e o agro estima uma redução de até 40% no preço do frete.

Marcos Kleber Felix, assessor especial do Ministério da Infraestrutura, afirma que a malha ferroviária do país praticamente parou de crescer há um século. Hoje, as ferrovias somam cerca de 30 mil quilômetros, dos quais apenas 10 mil são usados com frequência:

— Se tudo der certo, e essa espiral de autorizações não parar de crescer, a gente acredita que o equilíbrio pode acontecer em 25 anos, com a malha sendo dobrada para 60 mil quilômetros.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES

  1. Essas ferrovias ajudam demais no desenvolvimento do país e já para estar prontas desde os outros governos , mas Lularápio foi financiar a construção de um porto em Cuba e nos deixou a ver navios.

  2. O Brasil está décadas atrasado na construção de ferrovias… E esses 2,5 mil km de novas ferrovias deve demorar uns séculos pra serem concluídas, e olhe lá se serão mesmo! Brasil eh o pais do futuro de um futuro que nunca chega…

    1. Demora mais ainda se botarem no governo um chavista feito Lula. Ninguém vai querer investir a longo prazo, com medo de um arroubo estatizante (como o feito com toda a base de infra da Venezuela).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contato : (84) 9604-4055

Contato : (84) 9604-4055